menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Genética, estresse, dieta, doenças: veja 8 razões para a queda de cabelo

iStock
A calvície geralmente é causada por situações que exigem muito do organismo Imagem: iStock

Do VivaBem

11/05/2018 04h00

Ver o ralo do banheiro e a escova sempre lotados de cabelo causa aflição em você? Calma, isso nem sempre é sinal de que você está ficando careca. É natural perder entre 50 e 100 fios por dia, assim como a diminuição do volume da moldura do rosto conforme envelhecemos. 

“Geralmente, o cabelo cresce por mais ou menos seis anos, entra numa fase de repouso e cai três meses depois”, explica a dermatologista Fabiana Brenner, assessora do departamento de cabelos e unhas da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Isso acontece de forma assincrônica, então, há sempre fios em processo de crescimento ou queda.

Veja também:

O problema é quando a perda dos fios se torna intensa e precoce. Em muitos casos, o problema é causado por doenças, medicamentos, hábitos ou situações que exigem muito do organismo. A boa notícia é que existe solução para a maioria dessas situações, desde que um dermatologista seja consultado o quanto antes, para fazer o diagnóstico correto e indicar o tratamento mais adequado. Comprar produtos por conta própria pode sair caro e não resolver o problema, já que as causas tendem a variar bastante. A seguir, você vê as principais condições associadas à perda de cabelo.

1 - Genética, a maior vilã

iStock
Aproximadamente 50% dos homens e até 40% das mulheres perdem o cabelo por questões genéticas Imagem: iStock
Mais ou menos 50% dos homens e até 40% das mulheres acima dos 50 anos sofrem com a chamada alopecia androgenética, ou seja, a calvície determinada geneticamente. O termo “andro” se refere ao hormônio masculino: nessas pessoas, uma enzima converte a testosterona em DHT (dihidrotestosterona), e essa molécula faz o folículo capilar diminuir de tamanho progressivamente.

O processo é mais intenso para os homens, sendo que a região frontal (entradas) e a coroa são os maiores alvos. “Já nas mulheres o padrão é diferente, e o centro do couro cabeludo é mais afetado”, descreve Brenner. Em ambos, o problema pode ter início na adolescência. 

Interromper o processo de queda pode envolver diversas frentes: o uso de loções com princípios ativos como o minoxidil e medicamentos de ação hormonal são as principais indicações para a alopecia androgenética. Entre os homens, a droga mais utilizada é a finasterida. No entanto, muitos têm medo de utilizar o medicamento para calvície por acreditar que ele causa impotência. O problema até está descrito na bula, mas especialistas dizem que isso ocorre em menos de 1% dos casos e pode estar associado a alterações hormonais e estresse, não ao remédio. Já para as mulheres, anticoncepcionais, espironolactona e ciproterona são algumas opções; a finasterida só pode ser indicada após a menopausa.

A dermatologista Valéria Marcondes, membro da SBD e da Academia Americana de Dermatologia, conta que tratamentos feitos em consultório, como laser, mesoterapia e aplicação de LED, ajudam a estimular as células do couro cabeludo e trazem resultados positivos para os pacientes. A cada dia surgem novidades na área: “Algo que já está bem estabelecido na Europa e deve vir para o Brasil em breve é o tratamento com plasma rico em plaquetas, retiradas do sangue do próprio paciente e reinjetadas no couro cabeludo”, conta a médica.

2 - Estresse ou ansiedade

iStock
A queda de cabelo pode ocorrer cerca de três meses depois de um momento de grande estresse Imagem: iStock
Após situações que envolvem sobrecarga física e/ou emocional, como infecções, cirurgias, gravidez, parto, dietas radicais, luto ou quadros depressivos, muita gente observa tufos de cabelo ficarem no travesseiro ou na escova, o que os médicos chamam de eflúvio telógeno. Em geral, o problema surge cerca de três meses depois do momento de grande tensão e pode se resolver sozinho, assim que o corpo se recupera do baque. Mas também pode ocorrer de forma crônica e gerar um dano maior.

“O estresse faz com que a pessoa não coma direito e, sempre que há um emagrecimento rápido, com perda de proteína, o cabelo é afetado, já que os fios são estruturas proteicas”, comenta Marcondes. Sem contar que o excesso de cortisol (hormônio do estresse) pode favorecer quadros inflamatórios que também prejudicam a saúde dos fios.

Algumas pessoas ainda sofrem de um transtorno conhecido como tricotilomania, que consiste em arrancar o próprio cabelo de forma compulsiva, e isso tende a se agravar com a ansiedade. Técnicas de relaxamento e terapia, em qualquer um desses casos, podem ser úteis também para aparência.

3 - Carências nutricionais

iStock
Uma dieta rica em alimentos fonte de ferro, proteínas, biotina e silício ajuda a evitar a queda de cabelo Imagem: iStock
A queda acentuada dos fios pode ser sintoma de uma deficiência nutricional, como a anemia por falta de ferro --mineral envolvido no transporte de oxigênio, que é fundamental para o crescimento do cabelo. Hábitos alimentares inadequados e dietas restritivas demais podem deflagrar o quadro, que também envolve fadiga e deve ser tratado com suplementação. Entre as principais fontes de ferro estão a carne vermelha, a couve, o feijão e castanhas. 

Vale mencionar que um cardápio com a proporção adequada de proteínas é garantia de cabelos e unhas fortes. Outros micronutrientes, como a biotina (presente no ovo) e o silício (na aveia), podem melhorar a resistência dos fios a agressões externas. Por isso, costumam fazer parte de fórmulas indicadas pelos dermatologistas. 

4 - Doenças inflamatórias 
iStock
Na alopecia areata os fios de cabelo caem em áreas arredondadas Imagem: iStock

Em algumas pessoas, o organismo passa a encarar uma estrutura do próprio organismo como uma ameaça e gera um processo inflamatório --reação chamada de “autoimune”. Na alopecia areata, os fios caem em uma ou mais áreas arredondadas, formando as chamadas “peladas”. Ao renascer, os fios em geral são brancos, mas a coloração normal volta com o tratamento, que pode envolver medicamentos tópicos, orais ou injetáveis.

O apoio psicológico é importante, já que o estresse pode tanto deflagrar uma crise de alopecia areata como ser consequência dela. Outras doenças autoimunes, como o lúpus, também têm a queda de cabelo entre os sintomas, e o problema deve ser tratado pelo reumatologista.

5 - Problemas na tireoide

Esta glândula localizada no pescoço produz os hormônios T3 e T4, que regulam todo o metabolismo. Por isso, quando seu funcionamento é prejudicado, o corpo prioriza o envio de nutrientes para os órgãos vitais, deixando cabelo, unhas e pele de lado.

Além de provocar a queda dos fios, o problema na tireoide é caracterizado por sintomas como fadiga, depressão, inchaço e intolerância ao frio. Ao perceber esses sinais, a pessoa deve consultar o médico e fazer exames de sangue. Se o hipotireoidismo for confirmado, é preciso fazer a reposição hormonal com um endocrinologista. Na maioria das vezes, essa disfunção é provocada por uma reação autoimune, chamada de tireoidite de Hashimoto.

6 - Dermatite seborreica

iStock
O abuso de álcool é uma das possíveis causas da dermatite seborreica, que pode provocar queda de cabelo Imagem: iStock
Embora seja uma inflamação de pele, caracterizada por descamações (caspa) e vermelhidão, algumas pessoas com esse tipo de dermatite também podem apresentar queda de cabelo. As causas não são totalmente conhecidas, mas parece haver uma propensão genética somada a agentes externos, como estresse, abuso de álcool, alergia ou excesso de oleosidade. O fungo Pityrosporum ovale também pode estar envolvido. Xampus específicos e cremes ou pomadas com medicamentos controlam o problema. 

7 - Alopecia cicatricial

Esse grupo de doenças raras envolve a perda permanente dos folículos capilares. A principal delas é a alopecia frontal fibrosante, que, apesar de incomum, tem aumentado de forma alarmante entre mulheres na pós-menopausa. Cerca de 40% delas também sofrem de alopecia androgenética, e 15%, de hipotireoidismo. Uma pesquisa publicada em 2016 no British Journal of Dermatology identificou uma possível associação entre a incidência e o uso mais frequente de cremes faciais ou protetores solares, mas a suspeita ainda está em estudo. O aumento da gordura abdominal é outro possível fator de risco que está na mira dos pesquisadores, segundo Fabiana Brenner.

8 - Hábitos nada saudáveis

iStock
Dormir com o cabelo molhado pode provocar queda de cabelo Imagem: iStock
A dermatologista Valéria Marcondes lembra que, além das doenças citadas acima, alguns hábitos podem provocar a queda exagerada dos fios --ou acentuar o problema em quem já tem a propensão -- como puxar a raiz ao prender o cabelo (tração), aplicar condicionador ou leave-in no couro cabeludo, dormir com o cabelo molhado, exagerar no gel ou cera e usar boné o tempo todo são alguns exemplos. O alisamento com formol, bem como o uso de esteroides anabolizantes, também podem deixar você careca.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube