Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

O que significa tremor nas pálpebras e como tratar o desconforto

iStock
Imagem: iStock

Heloísa Oliveira

Colaboração para o VivaBem

08/12/2017 04h15

Você já sentiu suas pálpebras tremerem sozinhas? Esse ato sutil, aparentemente inofensivo, pode ser indício de que algo não vai bem com a sua saúde. “O tremor palpebral, também chamado de mioquimia, geralmente é sinal de cansaço, ansiedade, nervosismo ou excesso de trabalho”, afirma Thales Antonio Abra de Paula, oftalmologista do Hospital São Luiz, de São Paulo.

Segundo o médico Abra de Paula, quando estamos estressados, liberamos hormônios como o cortisol, que vão para o sistema nervoso autônomo --aquele que controla funções como respiração, controle de temperatura e digestão e não depende da nossa vontade para funcionar. Lá, eles geram estímulos para as pálpebras e as fazem ter contrações involuntárias e repetitivas.

O consumo exagerado de cafeína, que aumenta a produção de cortisol, e a deficiência de vitaminas também podem provocar o tremor. Caso todas essas causas sejam descartadas, existe a possibilidade de haver uma lesão ocular ou um distúrbio neurológico. Nesses casos, é diagnosticado um quadro de blefaroespamo.

“No blefaroespasmo, há um comprometimento maior do número de fibras musculares, causando um piscar de olhos excessivo e constante. Os tremores são tão intensos que limitam a vida da pessoa”, explica o oftalmo.

Esse espasmo também pode ser consequência da síndrome do olho seco (quando as lágrimas não fornecem a umidade adequada) ou até efeito colateral do uso prolongado ou abstinência de calmantes.

Quando procurar um especialista

Se o tremor estiver intenso, permanecer por mais de uma semana, vier acompanhado de coceira e vermelhidão ou atingir outras partes do corpo, é hora de visitar um oftalmologista.

Para casos de estresse, excesso de cafeína e carência vitamínica, o tratamento é simples: relaxar, dormir bem, maneirar no cafezinho e caprichar na alimentação. Praticar atividades como ioga e meditação, ir ao cinema, ouvir música e estar com os amigos e a família também contribuem para amenizar o problema.

“Caso necessário, pode ser feita a prescrição de suplementos vitamínicos e medicamentos ansiolíticos. Ao ser notado um quadro de depressão, o paciente é orientado a procurar um psicólogo ou psiquiatra”, destaca Abra de Paula.

Quando o tremor tem como causa o olho seco, é indicado o uso de colírios lubrificantes e descansos periódicos durante leitura prolongada ou uso contínuo de computador. Já para pacientes com blefaroespasmo é recomendada a aplicação de toxina botulínica, que deve ser feita em locais específicos das pálpebras.

“Esse procedimento ajuda a diminuir a ação do músculo, evitando as contrações repetidas”, diz Rita de Cássia Lima Obeid, especialista em Plástica Ocular e Vias Lacrimais do Hospital Cema, de São Paulo. A toxina botulínica é aplicada em forma de injeções e dura de três a seis meses.