menu
Topo

Check-up VivaBem

Aqui boato não tem vez! Esclarecemos o que dizem por aí

Água de berinjela realmente reduz colesterol e emagrece?

Check-up VivaBem água de beringela
Imagem: Priscila Barbosa/VivaBem

Renata Turbiani

Colaboração para o UOL VivaBem

05/12/2018 04h00

Volta e meia nos deparamos com soluções simples que prometem combater doenças ou ajudar a eliminar os quilos extras. E uma receita caseira muito recomendada é a água (ou suco) de berinjela, que dizem ser ótima para reduzir o colesterol e a gordura corporal. Será? 

Água de berinjela emagrece e diminui colesterol?

Até hoje, não há comprovação científica de que a preparação promove esses efeitos. A razão para muitas pessoas associarem o vegetal a esses benefícios é que ele é rico em fibras solúveis, como a pectina. A substância realmente ajuda a manter as funções do intestino e diminui a velocidade de "entrada" de gorduras e glicose (açúcar) no sangue. O alimento ainda contém saponina, que se liga a gordura e evita que ela seja absorvida.

No entanto, a quantidade de saponina e também de fibras solúveis transferidas para o suco de berinjela --principalmente se você coar a bebida -- é muito pequena para garantir, sozinho, esses benefícios.

Para reduzir o colesterol e emagrecer, além de evitar açúcar, carboidratos refinados, frituras e o excesso de gorduras, o mais importante é ter uma dieta rica em grãos integrais (como aveia) frutas, verduras e legumes --e a berinjela entre no grupo! Esses alimentos são boas fontes de fibras e vão ajudar você a conseguir ingerir a quantidade indicada da substância por dia: de 20 g a 40 g. 

VEJA TAMBÉM

Farinha de berinjela funciona? 

Se a água da berinjela não tem ação confirmada, o mesmo não acontece com sua farinha. Uma pesquisa do Instituto de Nutrição Josué de Castro e da Faculdade de Medicina da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) demonstrou os benéficos de torrar e triturar a polpa e a casca para perder peso e reduzir fatores de risco cardiovasculares (como o colesterol alto).

No estudo realizado durante dois meses, mulheres obesas com idade entre 44 e 55 anos foram divididas em dois grupos: um acrescentou 14 g da farinha de berinjela por dia a uma dieta de baixo teor calórico e o outro seguiu uma dieta sem o suplemento. 

As pessoas que consumiram a farinha tiveram redução mais significativa do excesso de gordura no abdome e da concentração de ácido úrico no sangue. Também foi constatada uma tendência maior à diminuição da concentração de triglicerídeos, colesterol total e LDL (o tipo ruim).

Apesar disso, os pesquisadores alertam sobre a importância de uma alimentação saudável e da prática de exercícios. Segundo eles, este produto, como todo alimento funcional, potencializa o efeito da dieta e da atividade física, mas não faz milagre.

Os benefícios da berinjela

Além de ser rico em fibras, o alimento se destaca por possuir propriedades diuréticas, anti-inflamatórias e poucas calorias (cerca de 20 e uma porção de 100 g).

Uma de suas partes que mais merece atenção é a casca, repleta de vitaminas (A, C e as do complexo B), sais minerais (zinco, cálcio, magnésio, potássio e ferro) e fitoquímicos de ação antioxidante, como a antocianina. Esse pigmento, responsável pela cor roxa, ajuda a combater os radicais livres e a proteger as células do envelhecimento precoce e, consequentemente, de doenças crônicas (as cardiovasculares e o câncer, por exemplo).

O único problema é que a "cobertura" da berinjela também contém solanina, uma toxina natural capaz de provocar dor de cabeça, náusea, vômito e diarreia. Para evitar que isso aconteça, o recomendável é não ingeri-la crua, optando por assar, grelhar ou cozinhar.

Fontes: Isabela Rosier, professora de ciência e tecnologia dos alimentos do Mackenzie; Sergio dos Anjos Garnes, médico nutrólogo do Hospital IGESP; Gabriel Gavazzi, nutricionista clínico da Estima Nutrição.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube