Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Coisas boas também provocam ansiedade, identificá-las afasta o sofrimento

iStock
A ansiedade e pessimismo podem anteceder grandes conquistas, e é importante entender raiz desse sentimento Imagem: iStock

Simone Cunha

Colaboração para o UOL VivaBem

2019-05-27T04:00:00

27/05/2019 04h00

A ansiedade é um sentimento natural e esperado, portanto, associá-lo somente aos episódios difíceis da vida é um erro. Ela não é apenas uma vilã que desequilibra as emoções provocando sintomas desconfortáveis como angústia, preocupação e insônia. Também é necessária para lidar com situações que ocorrem de forma inesperada, causando reação de luta e fuga. Sua intensidade determina que existe uma expectativa alta, mesmo que seja algo positivo.

Neste caso, não há nada de errado em sentir-se ansioso quando algo bom acontece. Afinal, a ansiedade aparece antecipando alguma coisa, é uma busca por respostas às questões que ainda não podem ser respondidas, como aquela promoção tão desejada, uma viagem dos sonhos ou a festa de casamento. "A ansiedade faz o organismo liberar substâncias como a adrenalina, tirando o corpo do momento de equilíbrio, por isso até mesmo episódios bons podem desencadeá-la", confirma a psicóloga Michelle Levitan Papelbaum, coordenadora do Ambulatório de Depressão Resistente do Instituto de Psiquiatria da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Da euforia à preocupação

Após o impacto da notícia, a maneira como os pensamentos vão direcionar essa ansiedade merece atenção. "As preocupações e dúvidas podem prolongar o ciclo ansioso, saindo do momento de euforia positiva (excitação) para movimentos de preocupação (estresse)", diz Papelbaum. E para que isso não aconteça, é importante desenvolver uma percepção sobre os gatilhos que acionam a ansiedade.

Além disso, é importante discernir o sentimento, afinal é comum sentir anseio por algo positivo (como uma viagem) e ansiedade pela mesma situação quando se tem medo de viajar de avião, por exemplo. "Uma avaliação adequada da realidade pode contribuir para um melhor gerenciamento dessa ansiedade e sofrimento", destaca o psiquiatra Fernando Fernandes, pesquisador do Programa de Transtornos do Humor do IPq-HCFMUSP (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo). Portanto, manter o controle é essencial para que este anseio não crie uma euforia tão elevada, a ponto de se transformar em um estresse.

Reconheça sua ansiedade

Sentir-se ansioso é um ato involuntário. E a intolerância à incerteza é responsável por manter esse estado de alerta acionado. Ao receber uma notícia --positiva ou negativa -- a descarga de hormônios é a mesma sem diferenciar bom ou ruim. Por isso, a ansiedade aparece e a consequência disso são os pensamentos que vão se transformando e alimentando essa percepção dos fatos.

Ao ficar angustiado, o organismo pode entender que algo ruim aconteceu, mas o desafio de aceitar uma promoção no trabalho, por exemplo, pode gerar essa apreensão, mesmo que a pessoa esteja feliz por ter tido esse reconhecimento. "Mesmo as coisas boas podem gerar estresse, e automaticamente associá-lo a algo negativo, o que nem sempre é verdade", reforça Fernandes. Por isso, reconhecer o gatilho que provocou a ansiedade é essencial para ter um melhor controle dos pensamentos, não alimentar o sofrimento e evidenciar a conquista.

Não queira antecipar os fatos

Também existe uma crença de que um acontecimento bom pode antecipar algo ruim. "A autoestima baixa sugere que a pessoa não merece algo de bom, fazendo com que não usufrua e trazendo-lhe ameaças", diz a psicóloga Blenda de Oliveira. Por isso, tem gente que trata o bom como ruim, alimentando a crença de que um abre espaço para o outro.

É importante atentar-se aos modelos de referência, pois ainda é normal ouvir de pessoas próximas que o bom não deve ser compartilhado, que pode não dar certo, que ficar feliz demais atrai o azar. São crenças que precisam ser mudadas para não antecipar situações difíceis que nem sempre irão acontecer. Essa é uma maneira de lidar melhor com a ansiedade diante de algo atual ou uma expectativa futura. "Ela deve ser proporcional ao estímulo, ser funcional (não incapacitar) e até certo ponto ser adaptativa, deixando-nos mais alertas e responsivos", comenta Fernandes.

Permita-se sentir

Fugir da ansiedade só deixa o indivíduo ainda mais ansioso. Portanto, esse sentimento não é um 'bicho papão' que vai te pegar e trazer problemas. Não, é um sentimento natural que pode ser vivenciado sem tanta culpa. Por isso, ao reconhecê-la evite o julgamento e aposte na aceitação. Vale manter uma atitude de reconhecimento deste sentimento que vai passar, sem precisar tirar a pessoa do equilíbrio. "Ela faz parte do viver e não dá para alimentar o tempo todo um ideal de felicidade. Situações novas sempre trazem ansiedade, mas também alavancam crescimento", finaliza Oliveira.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube