Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Paula von Sperling é diagnosticada com anemia; veja quais são os sintomas

Reprodução/Instagram/@paulasperlingreal
Paula von Sperling contou nas redes sociais que estava se sentindo "estranha" Imagem: Reprodução/Instagram/@paulasperlingreal

Gabriela Ingrid

Do UOL VivaBem, em São Paulo

2019-05-16T19:31:26

16/05/2019 19h31

Resumo da notícia

  • A ganhadora do BBB19, Paula von Sperling, foi diagnosticada com anemia depois de sentir-se mal no Rio de Janeiro
  • Ela está internada em um hospital de BH, sentindo cansaço e buscando aumentar seu consumo de ferro
  • Outros sintomas da anemia são inchaço nos pés, urina escura e falta de ar, mas tudo depende do tipo de anemia que a pessoa tem

A vencedora do BBB19 Paula von Sperling foi diagnosticada com anemia, em Belo Horizonte, na quarta-feira (15). Ela contou em seu perfil no Instagram que começou a se sentir estranha quando estava no Rio de Janeiro, mas só foi entender o que era após ser hospitalizada na capital mineira.

"Estou em casa, mas ainda não estou muito bem. Continuo bem cansada. Tenho procurado comer comidas que tenham ferro. Preciso melhorar logo. Se Deus quiser, vou estar ótima até o fim de semana", contou.

Além do cansaço, sintomas como inchaço nos pés, urina escura e até falta de ar podem aparecer, que variam conforme o tipo de anemia --sim, não é só a deficiência de ferro a culpada pela doença.

O que é anemia?

A doença ocorre quando há uma redução na quantidade de hemoglobina no sangue, proteína localizada no interior das hemácias (glóbulos vermelhos) e responsável pelo transporte de oxigênio para os órgãos e tecidos do corpo. Pode ou não haver também queda na porcentagem de hemácias.

No geral, o indivíduo é considerado anêmico quando apresenta índice abaixo de 12 gramas por decilitro de sangue (g/dL) para mulheres e 13 g/dL para homens --valores verificados por meio de um exame de sangue.

Anemia nutricional

É o tipo mais comum, sendo que a principal é a anemia ferropriva, por falta de ferro. Ela ocorre como resultado de alimentação inadequada, má absorção do nutriente ou perda crônica de sangue em decorrência de hemorragias por via gastrointestinal ou menstruação abundante. Quem sofre mais com esse problema são mulheres em idade fértil, gestantes ou lactantes, crianças, adolescentes, quem passou por cirurgia bariátrica e vegetarianos muito restritivos.

Alguns dos sintomas são palidez, cansaço, sonolência, tontura, falta de ar, taquicardia e palpitações. Nas crianças, a doença ainda pode afetar o desenvolvimento, a aprendizagem e aumentar a predisposição a infecções, pelo fato de o sistema imunológico ficar debilitado.

Fundamental para o bom funcionamento do organismo, o ferro é encontrado em carnes (principalmente a vermelha), gema de ovo, beterraba, leguminosas, folhas verde-escuras e frutas secas.

Reprodução/Instagram/@paulasperlingreal
"Amiguinhos, estão sentindo minha falta, né? Eu também", escreveu ela Imagem: Reprodução/Instagram/@paulasperlingreal
A anemia nutricional também pode se estabelecer pela falta de vitamina B12 e ácido fólico. Seus sintomas são os mesmos da anemia ferropriva, porém, quando se trata da carência de vitamina B12, acrescenta-se pele amarelada, irritabilidade e comprometimento dos nervos, o que causa formigamento nas pernas e nas mãos, câimbras, queimação nos membros, dificuldade de marcha e fraqueza muscular. Em casos mais graves é comum haver alterações neurológicas, que nos idosos podem levar a doença a ser confundida com demência.

A vitamina B12 é encontrada em alimentos de origem animal (leite, queijo, carne e ovos), cereais matinais e leite de soja. O folato, por sua vez, é encontrado em uma diversidade maior de alimentos: hortaliças, aves, frutas cítricas, grãos, oleoginosas, vísceras animais e frutos do mar, entre outros.

Para o tratamento das anemias carenciais, o primeiro passo é determinar e corrigir a causa. Feito isso, é fundamental seguir uma dieta rica no elemento faltante e, quase sempre, se faz necessária a suplementação temporária.

Anemia hereditária

Entre as anemias hereditárias, a falciforme e a talassemia são as principais. Na maioria dos casos elas são detectadas no nascimento ou ainda na primeira infância (até 6 anos).

Ambas são causadas por mutação genética e, para tê-las, é preciso que o gene anormal seja transmitido pelos pais. Se apenas um deles for portador, o filho terá o traço, mas não necessariamente desenvolverá a patologia.

No geral, a falciforme se manifesta com dor forte pelo corpo, provocada pelo bloqueio do fluxo sanguíneo e pela falta de oxigenação nos tecidos, icterícia (olhos amarelos), palidez, fadiga intensa, infecções, inchaço nos pés, feridas nas pernas, falta de ar e alterações neurológicas e no funcionamento dos rins.

Não existe cura para a enfermidade, mas há controle. Os pacientes que têm esse tipo de anemia precisam evitar exercícios pesados, ter uma alimentação rica em legumes, verduras, frutas e carne, ingerir bastante líquido, normalmente fazer uso de antibióticos e analgésicos e, se necessário, receber transfusão de sangue.

A talassemia, por sua vez, tem sintomas como palidez, irritabilidade, cansaço, barriga inchada devido ao aumento do baço e do fígado, ossos do rosto proeminentes, dentes mal alinhados e crescimento mais lento do que o normal. Assim como a anemia falciforme, a talassemia não tem cura, e o tratamento é feito com transfusões de sangue regulares.

Fernanda Garcia/VivaBem
A doença ocorre quando há uma redução na quantidade de hemoglobina no sangue Imagem: Fernanda Garcia/VivaBem

Anemia autoimune e de doenças crônicas

Outro tipo de anemia é a hemolítica autoimune (AHAI). Nesse caso, o organismo produz anticorpos que atacam os próprios glóbulos vermelhos.

A causa exata ainda não é conhecida, mas sabe-se que a doença pode ser desencadeada por processos virais, patologias imunes e câncer. Os sintomas são iguais aos da anemia nutricional, mas acrescidos de urina escura, dor muscular, febre, coriza e virose.

Para tratá-la é fundamental identificar a enfermidade base e fazer uso de medicamentos para regularizar o sistema imunológico, como corticoides e imunossupressores. Transfusão de sangue pode ser indicada.

Existe ainda a anemia de doenças crônicas, em especial infecções, câncer, doenças autoimunes e renais e diabetes. Este é um tipo menos grave, com poucos sintomas, e sua cura passa pelo tratamento do distúrbio que a está provocando.

Anemia de medula óssea

Rara e grave, ela pode ser adquirida ao longo da vida por causa não conhecida ou provocada por radiação, quimioterapia, uso de determinados fármacos e exposição a substâncias químicas tóxicas, como inseticidas e agrotóxicos. Além disso, pode acompanhar algumas doenças (hepatite, HIV, lúpus e insuficiência pancreática, por exemplo) ou ser hereditária.

Esta anemia se divide em moderada, grave e muito grave, e os sintomas são cansaço, dificuldade de concentração, falta de apetite e de ar, perda de peso, palidez e ritmo cardíaco acelerado, febre e infecções bacterianas, pulmonares, urinárias e de pele e hematomas, sangramento anormal, inclusive dentário, fluxo menstrual intenso e manchas na pele.

O tratamento consiste em transfusões sanguíneas, utilização de remédios estimulantes da medula, antibióticos e imunosupressores e transplante de medula óssea.

*Informações de matéria do dia 14/12/2018.