menu

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Veja o que fazer quando se está com raiva para não perder a razão

istock
Raiva, briga, discussão Imagem: istock

Simone Cunha

Colaboração para o UOL VivaBem

2019-05-03T04:00:00

03/05/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Aceitar a raiva como uma emoção necessária é o primeiro passo
  • Depois, pense o quanto ela impacta sua vida. Se for muito, procure um médico
  • Em momentos de raiva, tente sair do local e pensar com a cabeça fria sobre sua importância real

Sentir raiva é uma emoção natural, qualquer pessoa pode ter seu momento de fúria. E é um engano associá-la apenas aos sentimentos ruins. Por exemplo, indignação diante de uma injustiça pode despertar a raiva que, neste caso, tem um motivo positivo. Por isso, nada de querer guardá-la a sete chaves, como se fosse apenas um defeito.

O primeiro passo é reconhecê-la como uma emoção necessária. E para identificar se essa sensação está fora do ponto, vale observar sua intensidade e frequência.

Tem acontecido com muita regularidade? E quando acontece, é uma sensação muito forte que dá vontade de partir para a agressividade? Após responder tais questões, atente-se a mais um questionamento: quais prejuízos estou tendo por sentir raiva? Problema nos relacionamentos, crise no ambiente de trabalho, atrapalhando o dia a dia, enfim se todas essas questões receberam um 'sim', é importante buscar orientação de um especialista para compreender melhor essa emoção, e aprender a lidar com ela.

Mas se a situação não atingiu picos elevados de ira, a dica é aprender a gerenciá-la para evitar frases e atitudes que podem causar arrependimento depois. Porque a raiva passa e, muitas vezes, deixa um gostinho de culpa pela falta de controle.

Na hora da raiva, o que fazer?

Existem estratégias que podem ser treinadas para aprender a lidar com a raiva e evitar um estresse ainda maior, pois a tendência é que essa exaltação aumente ainda mais no calor da emoção.

  • 1. Sair do local

Esse é um momento tenso e, qualquer confronto, só tende a piorar a situação. Por isso, a primeira lição é sair de cena, mesmo que seja por poucos minutos. Evitar a discussão, deixar a poeira baixar, digerir a raiva são estratégias importantes para evitar um conflito maior. "A ideia não é engolir a emoção, apenas gerenciá-la para não falar nada de imediato e perder a razão", ensina a psicóloga comportamental Denise Pará Diniz, coordenadora do setor de gerenciamento de estresse e qualidade de vida da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

  • 2. Reavaliar

Longe do problema, procure pensar sobre a importância que está dando para aquela situação/pessoa. Reavalie se isso realmente merece esse desgaste. É muito importante gerenciar o evento desencadeador e pensar se deve mesmo reagir àquela provocação ou se está interpretando o episódio de forma correta. Muitas vezes, pouco tempo após o conflito, já é possível perceber que a situação não merece tanto desgaste.

  • 3. Respirar

Permita-se respirar e buscar equilíbrio. Não negue o problema, não se culpe, apenas reavalie e decida com um pouco mais de calma, o que irá fazer para ter um desfecho favorável.

  • 4. Avaliação final

Ter um autocontrole é um treino importante e ajuda a manter um enfrentamento diante dos conflitos, sem ter de confrontá-los. Por isso, cada episódio de raiva merece ser analisado para entender o que foi que provocou essa emoção, e saber reagir de forma eficaz a ela. Às vezes, a pessoa vive na defensiva, ou seja, está decepcionada ou magoada e reage de forma automática, expressando a raiva sem mesmo ter uma compreensão do motivo. É importante olhar para o significado e percepção que vem dando para determinadas situações que a fazem reagir dessa forma.

Como evitar a emoção

Seria ótimo ter uma receita pronta para evitar momentos que nos tiram do sério. Porém, existem pessoas ou situações que já são previsíveis, portanto, dá para tentar se blindar. Ao identificar os sinais que desencadeiam sua raiva fica mais fácil gerenciá-la. Se puder evitá-los, melhor. Mas se não der para fugir desses episódios sempre, procure não se deixar levar pela emoção. O autoconhecimento e o autocontrole podem ajudar a prevenir este tipo de estresse, para não entrar em confronto pelo impulso.

Desligue-se do problema

Existem maneiras simples que ajudam a controlar a raiva. Depois que passou a crise, aposte em atividades mais leves e prazerosas. Uma caminhada, conversar com um amigo, buscar algo engraçado, escrever uma carta, ouvir música são atividades que relaxam e fazem mudar o foco. Afinal, a raiva guardada provoca mágoa e cultivar sentimentos negativos de forma recorrente pode levar até a depressão.

Não ignore a raiva

É fundamental reforçar que a raiva não é uma emoção negativa. Dentro de um limite, ela protege, defende e ajuda a enfrentar algo ameaçador. Afinal, toda emoção provoca uma comunicação que, neste caso, pode alterar o curso da ação do outro. Ela ajuda a impor limites, pois demonstra uma não aceitação daquela fala ou atitude.

Portanto, a raiva não deve ser ignorada. Suprimir emoções não é desejável, mas sim apostar em sua regulação podendo modificar uma situação ou desviar a atenção de algo que lhe cause tal emoção. Na prática, aceitar a raiva ajuda a lidar com ela.

Fontes: Daniel Mograbi, professor do Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio) e professor colaborador do Programa em Psiquiatria e Saúde Mental da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Denise Pará Diniz, psicóloga e coordenadora do setor de gerenciamento de estresse e qualidade de vida da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp); e Marilda Emmanuel Novaes Lipp, psicóloga pela American University, mestre e PhD. pela George Washington University e diretora do Instituto de Psicologia e Controle do Stress (IPCS), em Campinas (SP).

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube