menu

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Conheça as vacinas recomendadas para as mulheres

iStock
Imagem: iStock

Do Blog da Saúde

2019-05-01T10:33:24

01/05/2019 10h33

Doenças já eliminadas do Brasil voltaram a preocupar o país. Os índices de vacinação têm diminuído a cada ano. E, quando se fala neste tipo de proteção, apenas as crianças são lembradas como público-alvo. Por isso, o Movimento Vacina Brasil, lançado pelo Ministério da Saúde, vem alertar a população para a importância de manter a vacinação em dia.

O Calendário Nacional de Vacinação atende a todas as idades. Indicada para as mulheres, são nove diferentes vacinas a serem tomadas ao longo da vida.

Ricardo Gadelha, diretor substituto do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas do Ministério da Saúde, conversou com o Blog da Saúde, para falar especificamente das doses previstas para o público feminino. Ele destaca: "o Brasil é um país que oferece a principal medida de prevenção de doenças de forma gratuita e segura".

Existe um calendário específico de vacinação para a mulher?

Ricardo Gadelha: Não existe um calendário especificamente voltado à mulher. O calendário é dividido em ciclos de vida como criança, adolescente, adulto e idoso, além de considerar mulheres gestantes. E é assim que devemos pensar a saúde, uma vez que a criança será uma mulher, passará pela fase da juventude, a fase reprodutiva e se tornará idosa.

O Calendário Nacional de Vacinação também atende as mulheres indígenas e públicos vivendo em situações especiais, que precisam de atenção na tomada da vacina pela baixa imunidade, como mulheres vivendo com HIV/Aids, por exemplo.

Quais vacinas são as vacinas recomendadas para as mulheres?

RG: A HPV, que previne o papiloma vírus humano, que causa cânceres e verrugas genitais. Ela é aplicada em meninas de 9 a 14 anos e são 2 doses com 6 meses de intervalo. Temos a Meningocócica C, para meninas de 11 a 14 anos, com dose única ou reforço. Outra, é vacina da Hepatite B, com 3 doses, de acordo com a situação vacinal.

Não podemos esquecer da febre amarela, que é administrada em dose única. E também da triplice viral, que previne contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, e da polio, hepatite A, BCG, rotavírus e DTP.

Quem nunca se vacinou precisa de 2 doses, para mulheres de 20 a 29 anos, e 1 dose, para mulheres de 30 a 49 anos. Ainda temos a Dupla Adulto (DT), que previne a difteria e o tétano, e precisa de doses de reforço a cada 10 anos.

O Calendário também prevê a Pneumocócica 23 Valente, que age contra a pneumonia, a otite, a meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo, com aplicação de 1 dose e é indicada para grupos-alvo específicos a depender da situação vacinal.

Temos a Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa), contra a difteria, o tétano e a coqueluche, com 1 dose a cada gestação, com recomendação entre a 27ª e a 36ª semanas.

Para terminar, temos a Vacina contra gripe (influenza), para toda gestante e mulher após o parto, durante a campanha de vacinação, que ocorre todos os anos.

A preocupação com a vacinação é maior na infância ou na pré-adolescência da mulher?

RG: O Brasil é um país que oferece prevenção de doenças de forma gratuita e segura. É preciso informar a população e evitar as fakenews para que as adolescentes utilizem esse serviço que o SUS oferece.

Todo o ciclo de vida é um momento de atenção. Porém, os primeiros anos de vida são peculiares para a proteção do indivíduo e para a diminuição do risco de adoecimento e óbitos infantis.

No início da adolescência, precisamos ter uma atenção nas coberturas vacinas. Nesse período é ofertada a vacina contra o HPV, uma infecção sexualmente transmissível que pode provocar o câncer de colo de útero.

Levar uma criança ou jovem para se vacinar contra HPV, na faixa de 9 a 14 anos, é uma oportunidade de explicar a necessidade da prevenção. É importante lembrar que os meninos na faixa etária de 11 a 14 anos também podem tomar a vacina contra HPV. Para eles, são duas doses com intervalo de seis meses, como ocorre com as meninas. As duas doses devem ser tomadas para que a proteção seja efetivada.

E vale ressaltar que a escolha da idade para a oferta de uma vacina é feita por meio de testes que comprovaram: os anticorpos são produzidos em maior quantidade naquela faixa etária, resultando em maior proteção.

E na fase adulta? Como a mulher trata a importância da vacina?

RG: As coberturas para todas as vacinais vêm caindo nos últimos anos e estamos observando uma queda na cobertura vacinal das gestantes. Seja ela adulta ou adolescente.

A maioria das vacinas trabalham com meta de 95% de cobertura. Esse é o ideal. Abaixo disso não é aceitável.

Para esse público, é essencial manter a vacinação em dia para prevenção de doenças para si e para o bebê que está por vir. Nesse momento da vida, a mulher tem um esquema vacinal diferenciado.

Existe vacina para a mulher após os 60 anos?

RG: A vacinação prevista para a mulher idosa é: a vacina contra gripe; a Dupla Adulto (DT), com reforço a cada 10 anos; a Pneumocócica, conforme recomendação do profissional de saúde e a de Febre Amarela.