menu

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Por que você não deve se culpar por não equilibrar vida pessoal e trabalho

iStock
Imagem: iStock

Simone Cunha

Colaboração para UOL VivaBem

2019-04-24T04:00:00

24/04/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Encontrar um equilíbrio perfeito entre trabalho e vida pessoal pode ser impossível, haverá períodos em que é preciso priorizar mais um ou outro
  • A própria noção de equilíbrio é diferente do que imaginamos: às vezes é preciso pender mais para um lado ou para o outro para ajustá-lo
  • Portanto, não precisa se sentir culpado por priorizar mais um ou outro
  • Aprender a dizer mais "não" e permitir-se descansar são dicas para sentir-se mais no controle dessas situações

Seria ótimo ter um interruptor de liga e desliga para, ao chegar em casa, após um exaustivo dia de trabalho, não continuar preocupado com as questões profissionais. Ou no ambiente corporativo não demonstrar chateação com as questões intimas. No entanto, isso não é possível e, portanto, cada assunto acaba invadindo o espaço do outro. E mantê-los equilibrados é praticamente impossível, pois não dá para fazer uma divisão exata e, por isso, muitas vezes precisamos nos dedicar mais a algum deles.

Para o psicólogo Emílio Peres Facas, coordenador do núcleo de trabalho, psicanálise e crítica social na UnB (Universidade de Brasília) é preciso reconhecer que a divisão entre "vida pessoal" e 'vida profissional' é muito problemática, afinal a vida é uma só. "Podemos pensar em demandas do trabalho e fora dele, mas de todo modo irão se encontrar. Somos envolvidos pelas demandas diárias independente de suas origens", comenta.

O que define equilíbrio?

Na teoria parece fácil e para conquistar um meio-termo: bastaria dividir o tempo em duas partes iguais. No entanto, o equilíbrio é algo dinâmico, não estático, assim como na imagem de um equilibrista na corda bamba que vai contrabalanceando o corpo para não ser derrubado.

Portanto, é fundamental livrar-se da culpa se for preciso pender mais para um ou outro. Isso porque as demandas internas e externas são determinantes para esse movimento, e se há sobrecarga de trabalho ou problemas familiares, os mesmos não são escolhidos e podem exigir mais atenção em um determinado momento.

"Compreender que não devemos nos cobrar é essencial. E na medida em que assumimos mais responsabilidade, fica praticamente impossível manter este equilíbrio", afirma Graça Maria Ramos de Oliveira, psicóloga supervisora do Serviço de Psicologia e Neuropsicologia do IPq (Instituto de Psiquiatria), do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). Por isso, balancear pode ser o desafio em conseguir selecionar prioridades, sendo que é natural que não haja uma divisão igualitária em muitas etapas da vida.

Saiba lidar com as cobranças

O próprio discurso social de que é preciso levar uma vida equilibrada para ser feliz pode ser um fator de desequilíbrio. E buscar uma compensação é a maneira encontrada para dar conta de todas as demandas. Mas não é uma tarefa simples e objetiva, sob o risco de provocar um sentimento de frustração por não dar conta de separar aquilo que não se separa.

Na prática, pais que faltam ao trabalho para cuidarem de um filho que adoeceu são vistos como desinteressados, desmotivados e até maus trabalhadores. O contrário também ocorre: pessoas que dedicam tempo ao trabalho podem ser vistas como maus pais/mães. "Essa cobrança potencializa esse sentimento de culpa. E ao ser cobrado com tanto rigor, a culpa e a frustração são sentimentos recorrentes", fala Peres Facas.

Manter flexibilidade dos dois lados, para lidar com um e outro de forma menos traumática, é uma boa dica para minimizar a culpa. E a psicóloga Ana Merzel, do Hospital Israelita Albert Einstein, ensina que uma comunicação transparente é um bom caminho para manter-se mais próximo de um possível equilíbrio, com menos culpas. "Situações pontuais podem exigir maior energia para um determinado setor, por isso comunicar é fundamental", diz a especialista. Pois, não adianta tentar resolver tudo sozinho. O ideal é dialogar e mostrar que precisa dedicar-se a uma determinada situação, mas que é algo especifico.

7 dicas para manter a sensação de controle

Aprenda dizer não
Não adianta acreditar que poderá dar conta de tudo. Portanto, é fundamental avisar quando estiver se sentindo sobrecarregado, até mesmo ao gestor. Uma maneira de aproximar-se do equilíbrio é apostar em um diálogo mais aberto e dizer não, se perceber que não poderá cumprir o que foi exigido.

Peça ajuda sem receio
Em algumas situações, um apoio ajuda a desenrolar as coisas, antecipando um resultado positivo. Por isso, pedir ajuda em casa ou no trabalho pode contribuir para manter as obrigações mais balanceadas.

Cuidado com a tecnologia
Estar online possibilita uma acessibilidade constante em que o trabalho pode se expandir para fora das empresas e vice-versa. Criar regras e cumpri-las estabelecendo que não irá ler e responder mensagens corporativas quando estiver com a família e os amigos, pode ser uma boa decisão, mesmo que às vezes precise ser quebrada.

Pratique atividade física
Uma caminhada já ajuda a aliviar a pressão, por isso vale incluir na sua rotina um tempo para exercitar-se. Isso favorece o humor, relaxa e melhora a autoestima.

Marque uma consulta médica
Quando as coisas começam a se atropelar, causa uma sensação de falta de controle e, nessas horas, para ter a sensação de economia de tempo, é normal alimentar-se mal, dormir pouco e adotar hábitos que causam impacto negativo na saúde. Portanto, cuide da sua saúde. Não adie consultas e exames, pois isso pode prevenir problemas e ajuda-lo a ter mais controle.

Almoce com tranquilidade
As refeições costumam ser as primeiras a serem sacrificadas quando o desequilíbrio parece tomar conta. Mas este é um erro. Procure parar para almoçar, desligando-se um pouco das tarefas. Este pode ser um ótimo momento para relaxar e colocar as ideias em ordem.

Permita-se descansar
Este é um momento sagrado. Por isso, desfrute-o! Aproveite para fazer o que gosta: meditar, ouvir música, ler um livro, assistir uma série na TV, enfim não importa. Vale até ter um tempo para não fazer nada, sem culpa. Essas pausas ajudam a sentir mais equilíbrio.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube