menu

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Ter uma saúde mental ruim piora a sua memória a longo prazo, diz estudo

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL VivaBem, em São Paulo

2019-04-03T14:35:13

03/04/2019 14h35

Já se sabe que a saúde mental pode influenciar nas atividades diárias, no sono, no modo como nos relacionamos com as pessoas... E agora, um novo estudo longitudinal, cujos resultados aparecem no periódico científico British Journal of Psychiatry, analisou relação de longo prazo entre saúde mental e a memória.

Como o estudo foi feito

  • Os pesquisadores analisaram os dados de 9.385 pessoas nascidas no Reino Unido em 1958, que o NCDS (National Child Development Study) vem coletando.
  • Até hoje, a NCDS acompanha essa coorte há mais de 60 anos, coletando informações sobre a saúde de cada participante aos 7, 11, 16, 23, 33, 42, 44, 46, 50 e 55 anos.
  • Esses participantes relataram seus sintomas relacionados à saúde mental nas idades de 23, 33, 42 e 50 anos e concordaram em fazer testes de memória e outros testes de função cognitiva quando atingiram 50 anos de idade.
  • A equipe observou com que frequência os participantes apresentavam sintomas negativos saúde mental durante todo o período do estudo e avaliaram, com testes, seu desempenho de memória aos 50 anos de idade.

Resultados

De acordo com os responsáveis pela análise, "o acúmulo de sintomas negativos ao longo de três décadas de idade adulta (de 23 a 50 anos) foi associado com pior função cognitiva e memória" e, especificamente, com pior memória.

Os cientistas reforçam que o que demonstrou afetar a memória foram episódios repetitivos de depressão ou outro transtorno psiquiátrico, não os episódios isolados.

Eles ainda alertam que os dados tinham suas limitações, sendo a principal delas que os participantes realizaram avaliações da função cognitiva apenas uma vez, aos 50 anos. Assim, o grupo não conseguiu identificar possíveis mudanças na função cognitiva ao longo do tempo.

No entanto, a equipe também acredita que as descobertas atuais devem ser um alerta, particularmente para os formuladores de políticas governamentais e provedores de serviços de saúde, mas também para indivíduos que possam ter tendência a colocar o cuidado com a saúde mental nas costas.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube