menu

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Estudo estima que quase 50% das crianças com câncer não são diagnosticadas

iStock
Estimativa é mundial e calculada com base em dados nacionais e da OMS Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

2019-03-14T11:31:57

14/03/2019 11h31

Resumo da notícia

  • Usando estimativas nacionais e dados da OMS, pesquisadores estimaram que milhares de casos de câncer infantil passam despercebidos todos os anos.
  • Por conta de países que não têm dados nacionais e locais com acesso precário à saúde, não é possível chegar a um número exato.
  • A equipe acredita que se os sistemas de saúde não melhorarem, cerca de 2,9 milhões de casos passarão despercebidos entre 2015 e 2030. 

Milhares de cânceres infantis passam despercebidos a cada ano, de acordo com uma pesquisa recente publicada no periódico The Lancet Oncology. A análise mostra que quase metade dos casos da doença em crianças em todo o mundo não são diagnosticados, especialmente em países onde o acesso à saúde é precário.

Usando dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), os pesquisadores estimam que, em 2015, 397.000 crianças menores de 15 anos desenvolveram câncer globalmente - e que 43% desses casos não foram diagnosticados. Estimativas anteriores sugeriram que 200.000 crianças em todo o mundo são diagnosticadas com câncer a cada ano.

O verdadeiro número de casos de câncer em muitos países é difícil de definir, já que a maioria não registra esses dados. Na África Ocidental, por exemplo, apenas Mali e Camarões têm dados de registro disponíveis publicamente sobre cânceres infantis. E se contarmos áreas afastadas, mesmo em países que têm registros, muitos casos podem ser perdidos, deixando crianças sem tratamento e números não documentados.

Como o estudo foi feito

  • Para obter números mais precisos, a equipe desenvolveu um modelo que usou dados da OMS para estimar quantas crianças com câncer nunca foram diagnosticadas.
  • O modelo usou dados como o acesso das pessoas aos cuidados e vacinas da gravidez e número de crianças que foram tratadas com doenças comuns, como pneumonia, além de outras medidas consideradas barreiras ao acesso ao sistema de saúde.
  • Também foram usados dados demográficos sobre a renda e local em qual a população que vive para explicar o acesso diferenciado à saúde.
  • Por fim, os cientistas compararam as previsões do modelo com dado sobre câncer infantil de registros nacionais e o ajustaram com base nos resultados.

Resultados

O cálculo revelou uma grande disparidade no número de casos não diagnosticados em todo o mundo. De acordo com a análise, na Europa Ocidental e na América do Norte, por exemplo, apenas 3% dos casos são perdidos, enquanto no sul da Ásia e na África Ocidental, esse número sobe para 49% e 57%, respectivamente.

Além disso, a equipe também previu que, entre 2015 e 2030, 6,7 milhões de crianças desenvolverão câncer em todo o mundo. Se os sistemas de saúde não melhorarem, cerca de 2,9 milhões desses casos passarão despercebidos.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube