menu

Topo

Tudo sobre Alzheimer

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Alzheimer

Desaparecimento prematuro de neurônios leva a maior risco de Alzheimer

iStock
O Alzheimer representa cerca de 60% a 70% dos casos de transtorno neurocognitivo Imagem: iStock

Priscila Carvalho

Do UOL VivaBem, em São Paulo

2019-02-18T19:37:25

2019-03-20T14:12:25

18/02/2019 19h37Atualizada em 20/03/2019 14h12

Resumo da notícia

  • Um novo estudo confirma que os neurônios de um mesmo indivíduo não possuem a mesma identidade genética
  • No passado, o que aprendíamos nas aulas de ciência é que todas as células tinham exatamente o mesmo material genético e eram idênticas
  • A descoberta pode ajudar no tratamento de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Virgínia (EUA) identificaram uma possível explicação para a morte de células cerebrais específicas para o Alzheimer, Parkinson e outras doenças neurodegenerativas.

Por que prestar atenção nele

A nova pesquisa mostra que os neurônios de um mesmo indivíduo não possuem a mesma identidade genética e indica que células específicas são mais vulneráveis.

" O desaparecimento de células com genomas mais complexos ou DNA variados pode estar relacionado com as doenças neurodegenerativas. Além disso, pode estar ligado ao declínio cognitivo associado à idade", explica Stevens Rehen, cientista da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino.

Esse trabalho científico pode contribuir também na investigação de doenças como esquizofrenia, depressão, transtorno bipolar, autismo e outras condições.

Como o estudo foi feito

  • O cérebro é um mosaico de células com genomas diferentes (informações hereditárias que estão no DNA), e isso poderia explicar por que os neurônios de uma área específica do cérebro, como o lobo temporal, são os primeiros a morrer na doença de Alzheimer.
  • Ao analisar a quantidade de neurônios com genomas de pessoas de diferentes idades, a equipe de cientistas verificou que essas células diminuíam com o passar do tempo: pessoas mais novas tinham mais células do que as pessoas mais idosas.

Entenda mais sobre Alzheimer*

Quando o paciente tem Alzheimer os sintomas que mais chamam atenção são o problema de memória e a dificuldade de adquirir novos conhecimentos. Também é comum que o paciente apresente dificuldade com linguagem (ele sabe para que um objeto serve, mas não consegue nomeá-lo), ou sofra de desorientação de tempo e espaço (se perdendo em ambientes conhecidos e ficando sem noção do horário que faz atividades).

A evolução tende a trazer ainda a perda da independência, insônia, agitação, resistência à execução de tarefas simples como escovar os dentes, perda da capacidade de controlar estímulos corporais, dificuldade para comer e deficiência motora progressiva. No estágio terminal, há e perda praticamente completa da memória, além de dependência total de terceiros para qualquer atividade.

* Informações de reportagem publicada no dia 04/02/2019

UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Mais Tudo sobre Alzheimer