menu

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Pais devem ficar atentos ao calendário nacional de vacinação

iStock
Maioria das doses é aplicada durante a infância e a adolescência Imagem: iStock

Do Governo do Brasil*

2019-02-10T10:50:19

10/02/2019 10h50

Com o fim das férias escolares, milhões de crianças e adolescentes de todo o país têm retomado suas rotinas. Além da preocupação com a vida estudantil dos filhos, os pais também devem ficar atentos ao calendário nacional de vacinação, já que a maior parte das doses deve ser aplicada durante o período que vai do nascimento até a adolescência.

Vale lembrar também que muitas das doenças preveníveis por meio da imunização são contagiosas, o que aumenta a importância de redobrar os cuidados.

No Brasil, todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) são ofertadas de maneira gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em todo o País, mais de 36 mil salas de vacinação localizadas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) estão aptas a receber a população.

A imunização é fundamental não somente para evitar a propagação de doenças que ainda acometem os brasileiros, mas também para impedir que doenças já erradicadas voltem a afetar a população. Ao todo, estão disponíveis vacinas para mais de 20 doenças - sendo a maioria voltada para crianças -, além de vacinas especiais para grupos em condições clínicas específicas, como portadores de HIV.

Infância e adolescência

Até os dez anos de idade, o calendário nacional de vacinação prevê imunização contra tuberculose, tétano, difteria, hepatite B, coqueluche, poliomielite, pneumonia, sarampo e rubéola, entre outras doenças. Ao todo, são 12 vacinas aplicadas em 25 doses.

Na adolescência, a frequência de imunização diminui, mas é igualmente fundamental que os pais mantenham a caderneta em dia. Nessa etapa da vida, são aplicadas tanto vacinas que nunca foram administradas (como HPV e dupla adulto), como doses de reforço para vacinas aplicadas durante a infância (tríplice viral e hepatite B, por exemplo).

Adultos

Na vida adulta, a atenção deve continuar. O calendário nacional prevê cinco vacinas entre os 20 e 59 anos, além de outras quatro após os 60 anos, sem contar as campanhas de vacinação contra a gripe.

Vale destacar que todas as vacinas passam por uma série de avaliações rígidas antes de serem licenciadas. Portanto, são totalmente seguras.

*Com informações do Ministério da Saúde

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube