menu

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Thaeme ganhou só 10 kg em 7 meses de gravidez; quanto é saudável engordar?

Divulgação/ Instagram
Imagem: Divulgação/ Instagram

Do UOL VivaBem, em São Paulo

06/02/2019 12h38

Aos sete meses de gravidez, a cantora Thaeme Mariôto parece estar mais feliz do que nunca. Em sua rede social, a artista postou uma foto mostrando o barrigão e destacou os quilos a mais. "A maioria das pessoas chega em mim e fala que eu não engordei nada, que eu só estou com a barriga, mas até agora eu engordei dez quilinhos", brincou.

A cantora disse ainda que não está preocupada se vai ou não perder a boa forma com a maternidade. "Nada que a gente não recupere depois, né".

Sabemos que é muito comum e normal ganhar peso durante a gravidez, até por que um bebê está sendo formado, tanto ele quanto a placenta tem um peso próprio. Mas quanto é realmente saudável? Isso varia conforme o peso inicial da gestante, de acordo com o Institute of Medicine of the National Academies:

  • Mulheres com baixo peso: Devem ganhar de 12,5 kg a 18,0 kg;
  • Mulheres com peso adequado: Devem engordar de 11,5 kg a 16,0 kg;
  • Mulheres com sobrepeso: Devem ganhar de 7,0 kg a 11,5 kg;
  • Mulheres que apresentam obesidade: Devem ganhar até 7,0 kg.

Esse peso a mais é distribuído entre diversas estruturas, como:

Relação com o médico influencia nesse ganho de peso

Não é de hoje que ouvimos que, ao engravidar, a mulher tem que comer por dois, o que na verdade não se aplica, já que o bebê não precisa da mesma quantidade de nutrientes do que um adulto. O ganho de peso excessivo na gestação pode ser um desencadeante da obesidade.

Ao mesmo tempo, ter um ganho de peso insuficiente pode comprometer permanentemente o desenvolvimento da criança, aumentando a probabilidade de crianças nascendo com baixo peso ou até mesmo comprometendo o desenvolvimento neurológico fetal, caso a mãe desenvolva cetose.

Porém, a falta de orientação de quanto a gestante deve engordar durante o período gestacional é um dos principais fatores pelos quais os quilinhos a mais extrapolam o permitido pelos médicos.

Um estudo publicado no Journal of Women's Health* avaliou a relação entre grávidas e os prestadores de saúde. Em relação ao ganho de peso, os pesquisadores notaram que as orientações dos médicos influenciam o quanto as mulheres engordam na gestação, mas apenas uma em cada quatro pacientes é informada de maneira adequada e 25% das grávidas não recebem nenhuma indicação.

Dados do Institute of Medicine of the National Academies, 2/3 das mulheres ganham mais peso do que é recomendado, aumentando o risco de complicações durante a gestação e no pós-parto. Um dos principais problemas é o alto risco de diabetes gestacional. A incidência da doença em gestantes obesas é três vezes maior do que na população geral.

Peso materno é um fator de risco independente para pré-eclâmpsia (quadro em que a pressão alta é associada a perda de proteína urina). O risco para este quadro dobra a cada aumento de 5 kg/m2 no IMC pré-gestacional acima do normal. 

Então, o ideal é que mulheres que pretendem engravidar já cuidem da alimentação meses ou até anos antes. Além disso, invista em uma dieta balanceada, buscando o ganho de peso permitido para cada caso, prevenindo doenças e complicações durante a fase gestacional. 

*Informações foram publicadas em coluna de 14/11/2018 e 17/08/2018

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube