menu

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


"Magro de ruim"? Cientistas descobrem por que algumas pessoas não engordam

inga/IStock
Muitas vezes falamos de pessoas que têm um 'metabolismo elevado' e parecem ser capazes de comer o que quiserem sem ganhar peso, enquanto outras lutam contra a obesidade Imagem: inga/IStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

01/02/2019 11h41

Sabe que aquele amigo que só come alimentos repletos de gordura e não engorda mesmo assim? Parece que um grupo de cientistas dos Estados Unidos encontrou uma explicação.

O estudo, publicado no periódico Nature na quarta-feira (30), revelou que um grupo de células do sistema imunológico no intestino pode influenciar o metabolismo dos nutrientes, para favorecer o armazenamento de gordura sobre o uso de energia.

O mecanismo funciona quando as células T intra-epiteliais, que são um tipo de célula imune que reside no revestimento do intestino delgado, possuem um gene ativo para a proteína integrina beta 7. Quando os pesquisadores do Massachusetts General Hospital e da Harvard Medical School alimentaram camundongos que não tinham essas células com uma dieta rica em gordura e açúcar, os animais não desenvolveram obesidade, pressão alta, colesterol alto, doenças cardíacas ou diabetes.

Ratos que tinham o gene da integrina beta 7, ou seja, o grupo de controle, comeram menos do que o outro grupo e mesmo assim engordaram mais.

Quando os cientistas realizaram testes metabólicos nos camundongos, eles descobriram que aqueles sem integrina beta 7 usaram mais alimentos para energia, sugerindo que seu "metabolismo basal" funcionava em uma taxa maior do que os ratos com a proteína.

Além disso, os camundongos sem integrina beta 7 tiveram melhor tolerância a glicose e gordura, apresentaram níveis mais baixos de triglicérides e converteram mais glicose em gordura marrom em energia.

Na segunda parte do estudo, a equipe investigou o efeito de uma dieta rica em gordura, açúcar e alto teor de sódio nos dois tipos de camundongos. Os camundongos com integrina beta 7 desenvolveram obesidade e outros sintomas que caracterizam a síndrome metabólica. Já os ratos sem a proteína, por outro lado, ficaram magros e não desenvolveram esses outros sintomas.

Os pesquisadores também testaram o efeito de silenciar o gene da integrina beta 7 nas células imunes de camundongos predispostos a desenvolver colesterol alto, que é outro sintoma da síndrome metabólica.

Os resultados mostraram que, mesmo com maiores riscos de ter colesterol alto, os ratos não desenvolveram o problema e seus níveis lipídicos permaneceram normais.

Além disso, esses animais "excretaram mais colesterol", apresentaram melhor tolerância à glicose e desenvolveram menos fatores de risco cardiovascular, como menos placas nas artérias.

A notícia é ótima, mas a inibição dessas células em humanos ainda está em um futuro distante. Entre as questões que requerem mais investigação está exatamente como o mecanismo funciona em pessoas que parecem ter altas taxas de metabolismo. Mas a pesquisa deu um passo enorme na formação de uma base para novos tratamentos para obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares.

VivaBem no Verão

O UOL VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. Um espaço com atividades para você se exercitar, mas também curtir e relaxar na entrada da Riviera de São Lourenço. Venha nos visitar!

Data: até dia 03 de fevereiro de 2019, de quinta a domingo 
Horário: das 16h às 00h
Endereço: Avenida da Riviera, ao lado do shopping, na praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube