menu
Topo

O poder dos alimentos

Seu prato torna sua vida mais saudável

Sem testa brilhante: uvas e azeite ajudam a melhorar saúde da pele oleosa

Raquel Drehmer

Colaboração para UOL VivaBem

30/11/2018 04h00

Todos os alimentos que ingerimos atuam de alguma maneira na nossa saúde. Pela corrente sanguínea, os nutrientes são aproveitados de acordo com as necessidades do organismo --incluindo a nutrição da pele, o maior órgão do corpo humano. Se a interação será boa ou ruim dependerá muito de cada comida e bebida e do tipo de pele de cada pessoa.

Marcada por um brilho constante causado pela produção exagerada das glândulas sebáceas, a pele oleosa pode se beneficiar muito com a ingestão de alimentos anti-inflamatórios e antioxidantes

Confira a seguir os seis melhores, indicados pelos especialistas Betina Stefanello, médica dermatologista da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia); Marcela Voris, médica nutróloga da ABRAN (Associação Brasileira de Nutrologia) e Patrícia Peixoto, médica endocrinologista da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia).

Coloque no prato:

Istock
Imagem: Istock

Ostras
Este molusco é um dos alimentos mais ricos em zinco à nossa disposição: 100 g trazem cerca de 75 mg do nutriente, que tem ação antioleosidade por conseguir diminuir a produção das glândulas sebáceas.

iStock
Imagem: iStock

Sementes de abóbora
Como as ostras não são tão fáceis assim de encontrar em todo o Brasil, uma alternativa para a ingestão de zinco são as sementes de abóbora, normalmente consumidas torradas. Elas têm 10 mg de zinco a cada 100 g.

iStock
Imagem: iStock

Azeite de oliva
As gorduras insaturadas do azeite alcançam a formação da barreira cutânea, fortalecendo-a e deixando as camadas externas da pele menos sujeitas à chegada da oleosidade produzida pelas glândulas sebáceas. Vale também para outros óleos vegetais, como o de girassol.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Uva
A fruta é riquíssima em polifenóis, antioxidantes e anti-inflamatórios naturais que impedem os processos inflamatórios das glândulas sebáceas que resultam em oleosidade exacerbada e acne. Se possível, coma as uvas com as cascas, pois é lá que está a maior concentração deste ativo.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Cenoura
Fonte de vitamina A, a cenoura é poderosa na renovação celular, o que ajuda a evitar que o excesso de sebo se fixe na epiderme (camada mais superficial da pele). 

iStock
Imagem: iStock

Laranja
A concentração de vitamina C nas frutas cítricas beneficia a pele oleosa ao fazer a imunomodulação do sebo, ou seja, equilibrar a produção das glândulas sebáceas. Vale também para limão e acerola (a última não é cítrica, mas mesmo assim é rica no nutriente).

VEJA TAMBÉM:

Melhor evitar:

Istock
Imagem: Istock

Farinha branca e seus derivados
Pães, biscoitos e massas com farinha branca entre os ingredientes tendem a inflamar as glândulas sebáceas, aumentando a oleosidade da pele, e a atrapalhar a ação do zinco no controle do sebo.

iStock
Imagem: iStock

Açúcar refinado
Presente em doces industrializados e refrigerantes, entre tantos outros alimentos e bebidas, o açúcar aumenta o nível de insulina no sangue rapidamente, acelerando a produção de hormônios andrógenos que aumentam a oleosidade da pele.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Bebidas alcoólicas
Em excesso, o consumo de álcool prejudica a absorção do zinco pelo organismo, o que atrapalha seu benefício para a pele oleosa.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube