menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Depilar com lâmina faz pelo encravar? Problema é diferente da foliculite?

Istock
Pelos encravados podem gerar um processo inflamatório que causa pus e dor Imagem: Istock

Priscila Carvalho

Do UOL VivaBem, em São Paulo

07/11/2018 04h00

A pele fica com bolinhas vermelhas que parecem espinhas e geram dor: os pelos encravados incomodam muitas pessoas e costumam aparecer nas axilas, nas virilhas e no pescoço (no caso dos homens). Mas por que que eles surgem?

O problema ocorre quando o pelo não tem força para atravessar a derme ou quando começa a crescer para fora e, em vez de seguir seu caminho natural, volta para a pele e segue crescendo lá dentro --o que pode provocar um processo inflamatório na região. Isso acontece principalmente ao usar métodos de depilação em que o fio é arrancado pela raiz (como a cera), o que faz com que ele fique mais fino.

Portanto, não podemos dizer que raspar o corpo com lâmina aumenta muito mais a probabilidade de os pelos encravarem. Na verdade, o risco de o problema surgir tende a ser menor --mas claro que ele pode aparecer por causa de características da pele e dos fios (quando são naturalmente fracos ou crescem incorretamente, por exemplo), além de erros cometidos ao usar o barbeador, como passar o aparelho no sentido contrário dos pelos. Geralmente, o problema que surge ao depilar com a lâmina é a foliculite, que é diferente de pelo encravado.          

 VEJA TAMBÉM:

Qual a diferença da foliculite?

A foliculite é a inflamação do folículo piloso --onde é "produzido" o pelo --, que provoca inchaço, irritação, pus, coceira e dor. A condição pode, sim, ser gerada por um fio encravado. Porém, também é causada por fungos, bactérias, suor excessivo, fricção ao usar a lâmina de barbear e até o atrito provocado por roupas.           

As partes mais afetadas são a axila, a virilha, o bumbum e, no caso dos homens, o rosto. Mas a inflamação pode aparecer até no couro cabeludo.

Como evitar pelo encravado ao depilar?

A depilação a laser é uma ótima opção para quem deseja se ver livre dos pelos encravados, pois elimina os fios de maneira definitiva --e, consequentemente, também reduz a foliculite. É importante ressaltar que o procedimento não funciona para todas as pessoas: em peles claras ou em quem tem pelo fino, por exemplo, a técnica não é eficaz. 

Se preferir lâminas, o ideal é cortar os fios quando eles estiveram grandes e sempre no sentido de seu crescimento. Ao passar o aparelho em outra direção, você pode fazer com que eles cresçam incorretamente. Além disso, não aplique força. Já no caso da cera, indicado é esperar que o pelo tenha tamanho suficiente para ser puxado por inteiro e não apenas superficialmente --geralmente o profissional que realiza o procedimento sabe o momento certo.  

Investir em esfoliantes também ajuda a prevenir pelos encravados. Esses produtos causam descamação na pele, deixando-a mais fina e, com isso, facilitam para que o pelo chegue a superfície da derme. 

Como evitar a foliculite?

Além de não cometer os erros que favorecem o encravamento dos pelos, mantenha a pele sempre limpa e seca para evitar inflamações causadas por bactérias e fungos. Não fique muito tempo com roupas apertadas ou encharcadas de suor. Não use lâminas de barbear muito antigas, que podem conter micro-organismo que geram infecções, e use sempre um antisséptico (pós-barba) depois de raspar os fios.

Fontes: Ana Célia Xavier, dermatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo; Luiz Guilherme Castro, dermatologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube