menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Hormônio ajuda a regenerar pernas de sapo; cientistas visam terapia humana

Celia Herrera-Rincon/Tufts University
Com a progesterona, a espécie de sapo regenerou as patas Imagem: Celia Herrera-Rincon/Tufts University

Do UOL VivaBem, em São Paulo

07/11/2018 11h22

Já imaginou o corpo humano conseguir regenerar um membro amputado assim como a lagartixa faz com seu rabo? Segundo um novo estudo, parece que não estamos muito longe disso.

A pesquisa, realizada por cientistas da Universidade de Tufts, em Massachusetts, nos Estados Unidos, conseguir fazer com que uma espécie de sapo africano regenerasse uma estrutura mais ampla, parecida com uma pá, completa com ossos, nervos e vasos sanguíneos, no lugar de uma pata.

O resultado foi alcançado por meio de progesterona, mais conhecido como hormônio sexual feminino, mas que também desempenha um papel no reparo de feridas. No experimento, uma pequena caixa contendo gel carregado com progesterona foi costurado sobre a ferida logo após a amputação.

Deixar o biorreator no local por 24 horas desencadeou um crescimento de tecido que durou nove meses. Os animais foram capazes de usar seus membros semelhantes a remos em um movimento rudimentar de natação. Aqueles que tinham a caixinha costurada sem progesterona no gel, para comparação, não tiveram um crescimento de um membro desse nível.

Na natureza, essa espécie de sapo tem poderes de regeneração de membros relativamente fracos. Se eles perdem a perna, por exemplo, cresce uma fina camada de cartilagem emborrachada.

Os pesquisadores ainda testaram coquetéis mais complexos no biorreator, o que desencadeou o recrescimento de membros melhor formados, com dedos parciais, embora esse trabalho ainda não tenha sido publicado.

Michael Levin, principal autor do estudo, diz que os membros humanos também podem ser regenerados, se encontrarmos os produtos químicos certos para colocar em um biorreator em escala. "Seu corpo sabe como fazer um membro --isso aconteceu durante seu desenvolvimento embrionário", ressalta o pesquisador.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube