menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Crianças que brincam ao ar livre têm menos chances de desenvolverem miopia

iStock
Fatores ambientais também têm certo impacto nas chances de alguém ter a doença ocular Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

07/11/2018 10h28

Embora acredita-se que a genética desempenhe um papel no desenvolvimento da miopia, um novo estudo sugere que fatores ambientais também têm certo impacto nas chances de alguém ter a doença ocular.

O motivo ainda não está claro. Enquanto alguns dizem que olhar para longas distâncias seja importante, outros acreditam que a chave está na mera luz do dia.

Independentemente de qual for o real fator de proteção, os especialistas sugerem que o ideal mesmo é evitar atividades em locais fechados, como jogos de computador. "Não há muito que fazer quando a criança ainda é muito pequena, mas longos períodos dentro de casa podem aumentar o risco de miopia no pequeno", afirma Katie Williams, da Kings' College London, no Reino Unido, e autora do estudo, que foi publicado no periódico British Journal of Ophthalmology na terça-feira (6).

De acordo com a pesquisadora, um equilíbrio saudável entre o tempo que a criança gasta dentro e fora de casa é essencial para prevenir a doença.

Para o estudo, Williams e sua equipe usaram dados de uma análise que acompanhou 1.077 crianças entre 1994 e 1996. Os cientistas descobriram que as crianças que nasceram entre maio e julho tinham quase duas vezes mais chances de serem míopes. A explicação estaria no fato de entrarem mais cedo na escola, logo no meio do ano, ou seja, ficam mais tempo em locais fechados.

Além disso, para cada nível mais alto de educação que a mãe tinha, as chances de o adolescente ter a condição aumentaram 33%. Williams diz que isso pode ocorrer devido à ligação genética entre inteligência e miopia ou a fatores genéticos ou sociais, incluindo classe, riqueza e incentivo.

A equipe ainda reportou que a cada hora extra que a criança passava em jogos de computador por semana, ela aumentava a chance de ser míope em 3%. Isso provavelmente se deve à proximidade de telas ou a passar mais tempo em ambientes fechados. No entanto, a pesquisa foi realizada antes do uso generalizado de smartphones.

"Nós sabemos de estudos genéticos anteriores que a genética desempenha um papel importante na variância da população", conta Williams. "Mas a genética não pode explicar porque a doença está se tornando mais comum. Os genes não mudam tão rapidamente entre gerações, então essa variação deve ter relação com a pressão da vida moderna na infância".

Felizmente, a doença pode ser corrigida com óculos e lentes de contato, mas o risco de condições que ameaçam a visão aumenta com o nível de miopia. Portanto, qualquer coisa que possa ser feita para restringir sua progressão é benéfica para o indivíduo, segundo Williams, inclusive passar mais tempo ao ar livre.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube