menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Eficácia da pílula pode ser prejudicada pelo horário de verão?

Istock
Imagem: Istock

Priscila Carvalho

Do UOL VivaBem, em São Paulo

05/11/2018 19h17

No último domingo (04), o horário de verão começou a valer em alguns estados do Brasil. Além de se sentirem um pouco mais cansadas por causa dos efeitos no organismo que a mudança no relógio provoca, muitas pessoas ficaram na dúvida se a alteração impacta na ação dos medicamentos. 

A preocupação vale principalmente para as mulheres, que devem tomar a pílula diariamente, sempre no mesmo horário. Porém, de acordo com especialistas ouvidos pelo UOL VivaBem, não existe motivo para esquentar a cabeça: quando há uma diferença de apenas uma ou duas horas em relação ao horário em que você costuma consumir o anticoncepcional, ele segue garantindo praticamente a mesma proteção

O risco de engravidar só aumenta consideravelmente quando a mulher ultrapassa o prazo de doze horas para tomar o remédio. Então, se você for viajar para um lugar com grande diferença de horário, deve se atentar a isso e fazer as contas para ingerir a pílula no momento certo. 

VEJA TAMBÉM:

Sempre que se esquecer de tomar o medicamento, o recomendado é consumi-lo assim que se lembrar e retomar o horário habitual no próximo comprimido. Quando os esquecimentos forem constantes na mesma semana, outro método contraceptivo, como a camisinha, deve ser usado.

Horário de verão pode prejudicar ovulação

Apesar de a mudança no relógio ser pequena, algumas mulheres tendem a ter o sono prejudicado, o que aumenta o estresse no organismo, atrapalha a produção hormonal e afeta a ovulação. 

O tempo de adaptação ao horário de verão varia de pessoa para pessoa, mas pode levar até três a quatro semanas para que o ciclo biológico se alinhe com o cronológico. 

Fontes: André Malavasi, ginecologista e diretor da área de ginecologia do Hospital Pérola Byington; Andressa Heimbecher Soares, endocrinologista e metabologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia Regional de São Paulo.

Siga o UOL VivaBem nas redes sociais
Facebook - Instagram - Youtube