menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Cientistas descobrem como inibir o medo em cérebro de ratos

MultimediaDean/IStock
Imagem: MultimediaDean/IStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

04/11/2018 12h33

Uma nova pesquisa publicada na revista científica Nature Communications identificou a área do cérebro que controla a expressão e a inibição do medo. Os cientistas responsáveis pela análise esperam que a descoberta possa ajudar a criar novas terapias e medicamentos para transtornos psiquiátricos, como o transtorno de estresse pós-traumático.

O distúrbio, que tem cerca de 2 milhões de casos por ano só no Brasil, conta com poucas opções de tratamento. Atualmente, elas se resumem a terapia cognitivo comportamental e a indicação de medicamentos ansiolíticos. No entanto, as novas descobertas mostram implicações importantes para intervenções de que sejam mais direcionadas, efetivas e duradouras.

Para entender como a descoberta poderia ajudar em tratamentos psiquiátricos, a equipe de cientistas rastreou a atividade neuronal de ratos expostos a cenários de indução de medo.

VEJA TAMBÉM

Os pesquisadores usaram então ferramentas farmacogenéticas, que eram receptores exclusivamente ativados por medicamentos, para inibir os neurônios de projeção no córtex pré-frontal dos roedores. Os resultados mostraram que a equipe obteve sucesso em suprimir o medo dos animais.

Como os autores explicam em seu artigo, a comunidade científica já sabia que a parte do núcleo cerebral estudada, que recebe projeções do córtex pré-frontal, pode ter um papel fundamental na regulação da aprendizagem emocional e da memória. No entanto, os novos resultados mostram que os neurônios nesta área são críticos para a extinção de memórias de medo em ratos.

"Identificando essa projeção específica do córtex pré-frontal, nossa pesquisa aponta para partes do cérebro que são importantes para a função inibitória do medo, o que pode ajudar na criação de novas drogas, terapias e intervenções para transtornos psiquiátricos", afirma Stephen Maren, principal responsável pelo estudo.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube