menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Cientistas identificam só 3 tipos de depressão e um é resistente a remédios

iStock
Nova pesquisa conseguiu identificar diferentes tipos de depressão e quais respondem bem a determinado medicamento Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

02/11/2018 11h37

Um relatório divulgado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), em 2017, apontou que a depressão afeta 4,4% da população mundial. Mesmo sendo uma doença popular, os médicos ainda não sabem especificar com precisão seus tipos ou explicar por que algumas pessoas não reagem às medicações.

Atualmente, a depressão é diagnosticada por avaliação clínica, mas essa não é exatamente uma ciência perfeita, o que faz com que pesquisadores busquem cada vez mais potenciais biomarcadores cerebrais que apontem a depressão. Um novo estudo japonês, publicado no jornal científico Scientific Reports, conseguiu desvendar alguns dos mistérios.

VEJA TAMBÉM:

Quando o assunto é tratamento, uma das medidas mais adotadas pelos médicos é a recomendação de antidepressivos com inibidores seletivos da recaptação da serotonina. Porém, tal medida se mostra ineficaz para cerca de 30% dos pacientes.

"Sempre se especulou que existam diferentes tipos de depressão, e que eles influenciam na eficácia da droga", disse o neurocientista Kenji Doya, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Okinawa. "Mas não havia consenso."

Na nova pesquisa, para encontrar uma maneira de analisar e categorizar subtipos diferentes de depressão, Doya e sua equipe analisaram dados de saúde fornecidos por 134 pessoas. Metade dos participantes tinha depressão, enquanto a outra metade eram pessoas sem histórico da doença.

Deste grupo, os pesquisadores obtiveram dados de ressonância magnética funcional, informações de expressão genética e respostas a questionários clínicos sobre padrões de sono, condições de saúde mental e outros aspectos de saúde.

Os cientistas também desenvolveram uma ferramenta estatística para extrair informações relevantes e agrupar indivíduos semelhantes. Assim, os pesquisadores identificaram três diferentes subtipos de depressão, chamados de D1, D2 e D3:

  • D1: são caracterizados por alta conectividade funcional do cérebro e uma história de trauma na infância.
  • D2: exibiram alta conectividade funcional do cérebro, mas não tinham histórico de trauma na infância.
  • D3: refletiam baixa conectividade funcional do cérebro e não tinham sofrido trauma na infância.

A análise também revelou que os antidepressivos com inibidores seletivos da recaptação da serotonina são eficazes para pessoas com os subtipos D2 e D3 de depressão, mas os D1s --aqueles com alta conectividade funcional entre as diferentes regiões do cérebro e experiência de traumas na infância -- as drogas são ineficazes.

A metodologia proposta pode oferecer um novo e poderoso guia para ajudar os pesquisadores de saúde a entender a complexidade da depressão - e onde cada paciente se encaixa.

"Este é o primeiro estudo a identificar subtipos de depressão a partir da história de vida e dados de ressonância magnética", explica Doya. "Isso fornece uma orientação promissora para os cientistas que pesquisam os aspectos neurobiológicos da depressão prosseguirem com suas pesquisas."

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube