menu

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Novo estudo: inflamação altera ciclo circadiano em animais

iStock
Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

2018-11-01T15:33:08

01/11/2018 15h33

A inflamação, que é a causa das doenças autoimunes, como artrite, diabetes tipo 1, síndrome do intestino irritável e doença de Crohn, tem efeitos inesperados na função do relógio biológico e pode levar a distúrbios do sono, segundo um novo estudo publicado na revista Genes & Development.

Durante o experimento, os cientistas da Northwestern Medicine (EUA) usaram camundongos geneticamente modificados para ativar e desativar a inflamação. Quando os especialistas a desativaram, os animais foram incapazes de dizer que horas eram e de manter um ciclo de atividade de repouso.

De acordo com autores, o estudo foi inovador porque, pela pela primeira vez, a equipe conseguiu identificar uma ligação entre o que causa inflamação e o que controla o relógio do corpo.

Em doenças inflamatórias, o corpo experimenta excesso de um fator genético conhecido como NF-kappa beta (NFKB). Ele é um catalisador de reações em cadeia que leva à dor e à destruição de tecidos que os pacientes com doenças inflamatórias --ele também controla o relógio biológico do organismo.

VEJA TAMBÉM:

Dieta rica em gordura também influencia na inflamação

Ao analisar os resultados, os cientistas também identificaram relação da dieta com o desenvolvimento da inflamação. Os cientistas procuraram entender como uma alimentação rica em gordura pode afetar a percepção do tempo no nível dos tecidos.

Uma das razões pelas quais a dieta ocidental contribui para o diabetes, doenças cardiovasculares e até certos tipos de câncer é por ser considerada o desencadeante inadequado da inflamação. Por isso, uma ideia unificadora é que a falta de tempo pode ser uma das ligações entre dieta e a doença.

"Não sabemos as razões, mas essa interação entre a inflamação e os relógios não é relevante apenas para entender como a inflamação afeta o cérebro, mas também como funcionam as células imunológicas ou gordurosas", conclui Hee-Kyung Hong, um dos autores do estudo.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube