menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

90% dos tumores na mama são gerados por estilo de vida e 10% por genética

Camila Rosa/VivaBem
Alimentação, prática de atividade física, consumo excessivo de bebidas alcóolicas e tabagismo influenciam (e muito) no aparecimento da doença Imagem: Camila Rosa/VivaBem

Do UOL VivaBem, em São Paulo

12/10/2018 10h29

Ter casos de câncer de mama na família não é o principal fator de risco para desenvolver a doença --a origem hereditária representa menos de 10% dos casos. A maioria dos tumores de mama (90% a 95%) é causada por mutações genéticas não hereditárias, ou seja, associadas a fatores ambientais e reprodutivos, explica Guilherme Ilha de Mattos, mastologista do corpo clínico do IBCC (Instituto Brasileiro de Controle do Câncer).

Fatores ambientais se referem ao estilo de vida, como alimentação, prática de atividade física, consumo excessivo de bebidas alcoólicas e tabagismo. Já fatores reprodutivos estão relacionados ao tempo em que a mulher fica exposta, ao longo da vida, ao estrógeno, hormônio feminino produzido pelo próprio corpo.

VEJA TAMBÉM:

?Se a menstruação começa cedo e termina tarde, aumenta o tempo de exposição da mulher a este hormônio. O estrogênio estimula a proliferação celular da mama?, explica Mattos.

Veja a seguir os fatores evitáveis do câncer de mama:

  • Terapia de reposição hormonal (TRH) após a menopausa: o risco é maior entre usuárias, especialmente quando por tempo prolongado. Nas mulheres que tiveram o útero removido e, portanto, fazem apenas a reposição com estrogênio, o risco parece aumentar apenas após 10 anos de uso. É por isso que mulheres submetidas à terapia devem ser bem acompanhadas pelo médico, e quem já teve câncer ou tem casos na família deve evitá-la. Vale lembrar que a suplementação com fitoestrogênios também deve ser supervisionada pelo médico;
  • Ingestão de bebida alcoólica: mulheres que consomem mais de uma dose de álcool por dia ou que exageram regularmente têm risco mais alto. "Tenho batido muito nessa tecla, pois temos visto mais mulheres bebendo, e cada vez mais jovens", observa Bello;
  • Sobrepeso e obesidade: a adiposidade interfere nos hormônios e, portanto, pode ter um papel importante para o câncer de mama;
  • Tabagismo: há alguma evidência de que fumar também aumenta esse tipo de câncer;
  • Pílula anticoncepcional: o uso é considerado fator de risco pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc) da Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo o Inca, estudos sobre o tema têm resultados contraditórios;
  • Dieta: alguns estudos condenam o consumo excessivo de carne vermelha e processada
  • Produtos químicos: muitas pesquisas têm sido feitas para avaliar o papel de substâncias químicas nesse tipo de câncer, mas ainda não há resultados claros. 

Detecção precoce

O Ministério da Saúde não recomenda mais o autoexame das mamas como método de rastreamento. A orientação é que a mulher realize a autopalpação/observação das mamas sempre que se sentir confortável para tal --seja no banho, seja na troca de roupa, seja em outra situação. Sempre que houver alguma alteração suspeita, deve-se procurar esclarecimento médico. Em outras palavras, conhecer a própria mama e ficar atenta a eventuais alterações é o mais importante para evitar um diagnóstico tardio.

Além disso, é importante que as mulheres consultem o ginecologista ao menos uma vez por ano --ou mais, se necessário --, para que o profissional realize a palpação da mama e solicite exames de imagem, se necessário. A Sociedade Brasileira de Mastologia indica que a mamografia seja feita regularmente a partir dos 40 anos. Já o Inca e o Ministério da Saúde recomendam a realização do exame apenas a partir dos 50 anos, para evitar o risco de falsos-positivos e cirurgias desnecessárias.

UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube