menu
Topo

Check-up VivaBem

Aqui boato não tem vez! Esclarecemos o que dizem por aí

Usar sabonete antibacteriano todos os dias tira proteção natural da pele?

Check-up - Sabnete Antibacteriano
Imagem: Priscila Barbosa/VivaBem

Renata Turbiani

Colaboração para o UOL VivaBem

10/10/2018 04h00

As bactérias estão por todas as partes e, como várias delas são prejudiciais à saúde, muitas pessoas se preocupam em ter um verdadeiro arsenal para combater esses micróbios. E, entre os diversos produtos usados para manter o corpo livre dos germes, estão os sabonetes antibacterianos ou antissépticos. Mas será que eles são realmente necessários? 

No caso das pessoas saudáveis, a resposta é não e o sabonete pode até diminuir a proteção da sua pele e ser prejudicial. O recomendado pelos especialistas é usar esse tipo de produto somente com indicação médica --para limpeza de feridas ou cicatrizes; tratar infecções e lesões; ou depois de alguma cirurgia, por exemplo -- ou em ambientes com grande risco de contaminação, como hospitais. 

VEJA TAMBÉM:

Por que o sabonete antibacteriano tira a proteção da pele?

Apesar de serem comercializados com a promessa de defender nosso corpo, quando usado de forma excessiva, o sabonete antisséptico elimina a camada hidrolipídica da pele --uma proteção natural, que é favorável aos micro-organismos benéficos para a derme e funciona como barreira para bactérias e fungos prejudiciais. Ao remover esse mecanismo de "defesa", sua pele fica ressecada e mais vulnerável ao surgimento de alergias, rachaduras (microlesões ou microfissuras) e infecções.

Além disso, diferentemente do sabão comum, que apenas remove a sujeira do corpo, levando junto suas bactérias, o antisséptico mata os micróbios --tanto os ruins quanto os bons para saúde --, o que gera um desequilíbrio na flora da pele e, por consequência, o enfraquecimento das defesas do organismo

Cientistas ainda acreditam que as substâncias químicas presentes nesses produtos, como triclocarban e triclosan, podem criar superbactérias resistentes a antibióticos e também prejudicar o meio ambiente. Vale destacar que, nos Estados Unidos, essas e outros 17 agentes foram proibidos pela Food and Drug Administration (FDA), por questões de segurança e eficácia. 

O que usar na hora do banho?

Sabonete comum, em especial o líquido, e água são suficientes para limpar e proteger a pele. O jeito certo de utilizar o produto é esfregar uma pequena quantidade na palma da mão até obter espuma, espalhar por todo o corpo e, em seguida, enxaguar. 

As áreas que merecem atenção extra são as de maior proliferação de bactérias: mãos, pés, axilas, virilhas e região genital. No rosto, deve-se optar por um produto específico para seu tipo de pele (oleosa, seca, normal, mista, sensível ou acneica). 

Os dermatologistas recomendam não ficar mais do que cinco minutos debaixo do chuveiro, optar por água fria ou morna e não usar bucha. Para a garantir a boa saúde da pele, um banho por dia é o indicado. E, tanto homens quanto mulheres devem usar hidratante logo após a chuveirada, momento em que os poros estão mais abertos --o que facilita a absorção. 

Fontes: Bárbara Neves Cardoso, dermatologista do Hospital Santa Marcelina; Fernanda Junqueira, dermatologista do Hospital das Clínicas de São Paulo e membro da Academia Americana de Medicina Estética; e Valéria Marcondes, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Academia Americana de Dermatologia.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube