menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Coisas que não devemos descartar no vaso sanitário

Karsten Moran/ The New York Times
Funcionário retira detritos para futuro descarte em uma estação de tratamento de água de Newtown Creek, em Nova Iorque, nos Estados Unidos Imagem: Karsten Moran/ The New York Times

The New York Times

13/09/2018 16h36

A princípio, pode parecer inofensivo – um fio de fio dental jogado no vaso sanitário, uma lente de contato descendo pelo ralo da pia do banheiro –, mas mesmo os menores itens podem contaminar as águas.

Acredita-se que os microplásticos de lentes de contato estejam contribuindo para o problema crescente da poluição; os fármacos, que frequentemente descem pelo ralo, foram encontrados em nossa água potável, e as consequências não são totalmente conhecidas.

Veja também:

Produtos maiores, como lenços umedecidos e absorventes internos também estão entupindo os sistemas de esgoto, resultando em bilhões de dólares em manutenção e reparo.

Você está se perguntando o que pode ser descartado no ralo ou no vaso sanitário? Falamos com vários especialistas em gestão de águas residuais, que explicaram porque muitos itens normalmente eliminados pertencem à lata de lixo.

Lenços umedecidos descartáveis

"Muitos desses lenços declaram na embalagem que podem ser jogados no vaso, mas quase todos contêm raiom ou viscose", disse Rob Villée, diretor executivo da Autoridade Regional de Saneamento da Área de Plainfield, em Middlesex, Nova Jersey.

"Infelizmente, os corpos de água natural para onde eles vão não têm os níveis de calor ou microrganismo para degradá-los. É por isso que vemos o material se acumulando nos oceanos."

"Enquanto o papel higiênico se degrada entre um e quatro minutos, os lenços demoram pelo menos seis horas para se desintegrar", disse Villée.

Além disso, as bombas dos sistemas de coleta que movem os resíduos para as instalações de tratamento não conseguem despedaçá-los.

"Vemos entupimentos em bombas projetadas para mover até meio milhão de litros por dia", disse Villée. Agora que os lenços são usados em todo o mundo, ele acrescentou: "É um problema internacional".

(Londres já passou por isso.)

Fio dental

O fio dental, que é feito geralmente do nylon ou do Teflon, deve igualmente permanecer fora do vaso sanitário.

"As pessoas pensam: 'Ah, é só um barbantinho', mas ele tende a embrulhar tudo; vai se prendendo a outras coisas e acaba fazendo uma espécie de pacote com elas. É incrivelmente forte", disse Villée.

Lentes de contato

Quando as lentes de contato são descartadas no vaso ou na pia, elas não se degradam facilmente. Como resultado, podem chegar à superfície da água, causando danos ambientais, como mostram novas pesquisas.

As lentes também são imunes às bactérias que desfazem os resíduos biológicos nas usinas de tratamento. Quando pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona as colocaram em câmaras com esses organismos, descobriram que as lentes saíram intactas sete dias depois.

"Desencorajamos fazer isso com qualquer tipo de plástico, porque ele pode chegar a uma estação de tratamento e acabar na água", disse Vincent Sapienza, comissário do Departamento de Proteção Ambiental de Nova York.

"As lentes têm densidade semelhante à água, por isso não flutuam nem afundam com facilidade em instalações de tratamento de águas residuais", o que significa que não são capturadas e removidas na usina.

Absorventes internos

Muita gente assume que os absorventes internos podem ser mandados descarga abaixo porque são muito pequenos, mas seus materiais absorventes, além da cordinha, não se rompem facilmente; não podem ser processados por centros de tratamento de águas residuais e acabam danificando sistemas sépticos.

Kotex, Playtex e Tampax aconselham as mulheres a jogá-los no lixo.

"É melhor simplesmente embrulhar o absorvente usado em papel higiênico e jogá-lo no lixo ou, se você estiver em um banheiro público, colocá-lo no cesto de produtos de higiene feminina", diz a Playtex em seu site.

Remédios

As estações de tratamento de águas residuais não são projetadas para filtrar os fármacos, por isso as drogas que são eliminadas no vaso ou no ralo da pia acabam chegando a córregos, rios e lagos.

O primeiro grande estudo a documentar o fato, conduzido pela Pesquisa Geológica dos EUA, encontrou baixos níveis de compostos orgânicos de águas residuais, incluindo medicamentos de prescrição e hormônios, em 139 rios em todos dos Estados Unidos durante 1999 e 2000. Um ou mais desses produtos químicos foram encontrados em 80 por cento dos corpos de água pesquisados.

Um estudo mais recente, que colheu amostras de 25 estações de tratamento de água potável nos Estados Unidos, descobriu que alguns fármacos persistiam, apesar dos processos de tratamento.

A tecnologia que seria necessária para remover os produtos farmacêuticos da água em usinas de tratamento tem um custo proibitivo, segundo Ed Gottlieb, coordenador de pré-tratamento industrial das Instalações de Tratamento de Águas Residuais em Ithaca, Nova York. "É muito mais barato adotar programas que coletam medicamentos não utilizados antes que cheguem ao sistema de água, que custam entre US$2 e US$5 para cada meio quilo de remédio recolhido", informa.

Em seu evento nacional de coleta em abril, a Administração de Drogas recolheu quase 475 toneladas de fármacos. Ele será realizado novamente em 27 de outubro.

"A quantidade coletada é fenomenal, enorme. E ainda há estudos que mostram que apenas uma porcentagem muito pequena está sendo recolhida", disse Gottlieb.

Areia de gato

O material usado nos banheiros de gatos domésticos não se dissolve na água e pode criar obstruções, mesmo que a marca diga na embalagem que pode ser descartado no vaso.

O jornalista Gene Weingarten descreveu o que aconteceu quando jogou uma pequena quantidade da areia no vaso do banheiro da filha no ano passado.

"A areia do gato é uma substância excepcionalmente absorvente, que parece projetada para expandir cerca de 60 mil vezes o seu volume original em algum processo maligno horrível como o câncer, só que pior. O vaso sanitário da Molly parecia um daqueles vulcões de bicarbonato de sódio e vinagre que alunos do ensino médio faziam todos os anos nas feiras de ciências", escreveu ele.

Preservativos

As camisinhas nunca devem ser jogadas na privada.

"Já ouvi gente chamando os preservativos de lírios do esgoto, porque ficam cheios de ar ou gás e acabam boiando", disse Cynthia Finley, diretora de assuntos regulatórios na Associação Nacional de Agências de Água Limpa.

"Acho que hoje a sociedade se tornou mais germofóbica", disse ela, acrescentando que há uma tendência a querer mandar descarga abaixo qualquer coisa que tenha fluidos corporais. "Mas as estações de tratamento de águas residuais não são projetadas para lidar com isso, apenas com resíduos humanos e papel higiênico."

Lenços faciais, toalhas de papel e cotonetes

Pode parecer seguro jogar lenços faciais no vaso, pois se parecem muito com papel higiênico, só que eles foram tratados com um produto químico que os mantém inteiros, por isso leva tempo para que diluam na água, segundo Finley.

Da mesma forma, toalhas de papel e cotonetes também são formulados para permanecer intactos.

Quando em dúvida, jogue tudo na lata de lixo.

"Se não tiver certeza, siga uma regra simples: se não é dejeto humano ou papel higiênico, não deve ser descartado no vaso", disse Finley.

"O custo da água potável e das águas residuais vem na conta; Quando a prefeitura precisa enviar equipes para desentupir esgotos ou, em casos piores, substituí-los, o custo é passado para todos que recebem uma conta de água", disse Sapienza, da autoridade ambiental de Nova York.

Um vídeo do YouTube criado pelo departamento de gestão de águas residuais de Spokane, em Washington, mostrou o que aconteceu quando itens como lenços umedecidos eram agitados na água. Eles não se desintegraram. A areia do gato continua sendo uma massa arenosa úmida. O fio dental acabou emaranhado.

"Se você acha que o que desce pelo vaso pode ser jogado ali, então tudo vale, mas o diferencial precisa ser a usina de tratamento, onde alguns dos resíduos chegam e outros não", diz no vídeo Tracy Stevens, técnica de pré-tratamento.

E o mais importante, as instalações de tratamento não estão equipadas para processar esses produtos.

Se centenas de milhares de pessoas jogarem esses itens descarga abaixo, "certamente vão causar problemas", disse ela.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube