menu
Topo

Check-up VivaBem

Aqui boato não tem vez! Esclarecemos o que dizem por aí

Fazer muito exercício aeróbico provoca envelhecimento precoce?

Check-up VivaBem - Aerobico
Imagem: Priscila Barbosa/VivaBem

Manuela Biz

Colaboração para o VivaBem

06/06/2018 04h00

Exercícios aeróbicos (corrida, ciclismo e natação) são ótimos para a saúde. Eles elevam o condicionamento cardiorrespiratório e liberam substâncias que melhoram o humor, ajudando a reduzir o risco de problemas como hipertensão, diabetes, infarto e depressão. Porém, vira e mexe ouvimos alguém dizer que não faz esse tipo de atividade porque ela deixa a pele com um aspecto envelhecido. Será que você precisa mesmo correr do treino para manter a pele conservada?

Por que o treino aeróbico causa envelhecimento precoce?

Esse tipo de exercício usa oxigênio para gerar a energia que os músculos necessitam. Nesse processo são liberados radicais livres, uma espécie de resíduo da queima de oxigênio. Eles agridem o DNA das células e aceleram seu envelhecimento

Mas o problema só ocorre quando você faz muito exercício aeróbico --ou seja, vários treinos na semana com mais de uma hora de duração. Nesse caso, o número de radicais livres é muito maior do que nosso corpo é capaz de "combater", e eles acabam danificando as células

Como combater os radicais livres?

Nosso corpo queima oxigênio e produz radicais livres o tempo todo, seja quando você está correndo na esteira, seja quando está vendo TV no sofá. Para neutralizar esses agressores e proteger as células de danos, há antioxidantes circulando pelo organismo

Se você quer manter um equilíbrio na produção de radicais livres, limite as atividades aeróbicas a quatro sessões semanais, com até 60 minutos de duração cada uma. Nos outros dias, prefira exercícios de fortalecimento, como musculação, pilates e funcional. Caso não abra mão de passar horas correndo, pedalando, nadando ou fazendo aula de jump, procure compensar consumindo mais alimentos fonte de antioxidantes: cenoura, mamão, brócolis, espinafre, castanhas, acerola, abacaxi, laranja, limão, açaí, peixes.

A perda de peso também é culpada

Quem faz muito exercício aeróbico --e não exagera nas refeições -- acaba reduzindo naturalmente os estoques de gordura no corpo todo, inclusive na face. E um rosto jovem é caracterizado pelas formas mais arredondadas, com maçãs cheias, como as de bebê. Um rosto muito magro se torna mais flácido e deixa mais evidente os sinais de envelhecimento. Em inglês, há até uma expressão para explicar isso, a runner’s face --já que esse visual é comum em quem adere às corridas longas, como maratonas.

Impacto: mais um fator do envelhecimento precoce 

Em atividades aeróbicas como corrida e pular corda há um grande impacto. Ele tende a detonar fibras que sustentam a pele do rosto e deixá-la flácida. Nas mulheres, o impacto desses exercícios ainda pode fazer os seios e o bumbum "caírem" --daí a importância de usar um top e uma bermuda com boa sustentação.

Para minimizar os prejuízos na pele do rosto, os dermatologistas recomendam investir em cremes com ativos firmadores (como DMAE e ácido hialurônico). Procure também alternar os exercícios de alto impacto com modalidades como bike e natação. Assim, você mantém a queima de calorias, e a pele agradece!

E ainda há os danos do sol 

Saiba que o maior causador de envelhecimento precoce em quem treina ao ar livre não é o exercício aeróbico e, sim, o sol. Os raios UV provocam alterações nas nossas células e estimulam (ainda mais) a produção de radicais livres no organismo.

Então, não custa reforçar a velha e certeira dica: sempre passe protetor solar antes de sair para fazer exercícios. Procure também realizar atividades físicas nos horários em que a radiação é menos forte (antes das 10h e depois das 16h) e proteja o corpo com tudo o que tem direito: boné, óculos, roupas com FPS. Quanto menos a pele ficar exposta, menor o risco de ressecamento excessivo, flacidez, manchas, rugas e envelhecimento precoce --além de câncer de pele.

Fontes: Suzy VieiraDra. Suzy Vieira, cirurgiã plástica, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Sociedade Brasileira de Laser, mestre em cirurgia plástica pela Universidade de São Paulo, atua nas áreas de cirurgia estética, reparadora e cosmiatriaMariana Marteleto, dermatologista da All Clinik, especialista pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Farize  Murad, dermatologista da Clínica Thaís Pepe e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia; e Jardis  Volpe, dermatologista da Clínica Volpe de São Paulo.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube