Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica

Viver no "modo automático" nos deixa doentes, diz pesquisadora de Harvard

iStock
Prática da atenção plena influencia a nossa qualidade de vida Imagem: iStock

Gabriela Ingrid

Do VivaBem

15/05/2018 16h16

Durante o evento de lançamento da plataforma de longevidade Plenae, nesta terça (15), em São Paulo, Ellen Langer, professora de psicologia da Universidade de Harvard e fundadora do The Langer Mindfulness Institute, culpou o que chama de “mindlessness” (o contrário da atenção plena) para a vida automática e repleta de estresse e doenças dos dias de hoje.

“Mindless é o estado da mente inativo, quando o cérebro só pensa e se baseia no que aprendeu e acredita --ou seja, preso em uma única perspectiva, insensível ao contexto”, explica. Segundo ela, o ser humano aprende desde pequeno a fazer tudo no automático e a não pensar nas coisas.

Leia também:

Quando você acha que sabe absolutamente tudo sobre algo, não presta atenção, não questiona. Mas abrir possibilidades para pensar sobre o tema e tentar mudar o presente pode ter efeito impactante não só na maneira como você vê o mundo, mas também na sua saúde. 

Por exemplo: o que explicaria o funcionamento de um placebo? “Teorias biológicas não explicam como as pessoas melhoram apenas com uma pílula de açúcar. Consideramos, então, uma explicação psicológica, de que elas se ‘curam’ apenas ao pensar que aquilo funciona.”

Langer dá alguns exemplos baseados em estudos. Em um deles, os pesquisadores fizeram homens de 80 anos morarem por uma semana em um retiro. Nesse lugar, eles viveram sem se preocupar com o tempo e fizeram o que tiveram vontade. Após esse período, os homens idosos relataram melhoras na audição, memória, força, visão, flexibilidade, artrite e postura. Eles pareceram mais jovens ao final do experimento.

Em outro estudo exemplificado pela especialista, os cientistas serviram dois sucos sem açúcar a pessoas com diabetes. Os participantes foram alertados que um dos sucos tinha açúcar (apesar de realmente não ter).

Surpreendentemente, os diabéticos que beberam o suco que pensavam ter sido adoçado tiveram uma taxa de açúcar elevada no sangue, ao contrário de seus parceiros que ingeriram a mesma bebida. “Isso quer dizer que podemos controlar o diabetes com nossas mentes?”, instigou Langer. “Não sei, mas os resultados indicam que a mente teve um forte poder no funcionamento do corpo.”

Segundo a professora, as pessoas pensam que têm alguma doença o tempo todo. “Quando reconhecemos que nem tudo é o que acreditamos e saímos desse modo automático, colocamo-nos no mundo de forma diferente e tentamos parar com essa desilusão, influenciando, inclusive, nosso corpo.”

E completa: “Temos que ser capazes de desafiar nossa mente e focar no agora. Se aumentarmos nosso mindfulness, aumentamos nossa efetividade, saúde e vitalidade. É fácil e divertido.”

Abaixo, aprenda uma técnica básica de mindfulness sugerida pelo colunista do VivaBem Marcelo Demarzo. Siga os passos:

  1. Adotando uma posição confortável, sentado ou deitado, deixar o corpo se estabilizar na posição. Pode-se fazer uma ou duas respirações mais profundas para se trazer a atenção para o corpo, como também começar lentamente a observar as sensações no corpo naquele momento (contato do corpo com o chão ou cadeira; temperatura da pele, possíveis desconfortos, etc.);
  2. Gradualmente começar a trazer a atenção e a observação para os movimentos do corpo durante a respiração, como por exemplo os movimentos do tórax e do abdome na inspiração e expiração do ar; ou ainda a sensação do ar entrando e saindo pelas narinas durante a respiração. É importante seguir o fluxo natural da respiração, sem tentar alterá-lo, apenas observando-o;
  3. Mantenha então a observação da respiração como âncora da atenção e da mente no momento presente, momento a momento, a cada respiração;
  4. Quando alguma distração, pensamento, imagem, ou preocupação vier à tona, de maneira curiosa e gentil perceba que isso ocorreu ("olhar do principiante"), e na medida do possível, deixe passar, tentando não se prender às essas distrações, voltando novamente a atenção para a respiração. Você pode fazer o mesmo procedimento sempre que seja necessário, durante todo o exercício;
  5. Antes de encerrar a sessão, traga novamente a atenção e a observação para as sensações em todo o corpo naquele momento, e lenta e gradualmente termine a prática, voltando a abrir os olhos.

Essa prática pode ser bastante breve (1-3 minutos), ou pode durar mais tempo, dependendo da disponibilidade e experiência de cada pessoa. Lembrando que se você é um iniciante, começar com períodos curtos e aumentar lenta e progressivamente a duração, é a melhor opção.