menu
Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Pesquisa cria método matemático para ajudar a diagnosticar câncer de mama

iStock
O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo Imagem: iStock

Do VivaBem, em São Paulo

15/05/2018 16h22

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Kaunas, na Lituânia, está desenvolvendo um método matemático que pode ajudar a diagnosticar o câncer de mama. A ideia é que, ao aplicar a fórmula, eles consigam "ensinar" o computador a reconhecer lesões malignas, o que permitiria pelo menos parcialmente automatizar e aumentar a precisão do diagnóstico do câncer de mama.

Este é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo, depois do câncer de pele não melanoma, respondendo por cerca de 28% dos novos casos a cada ano, de acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva).

Veja também:

Para melhorar o tratamento e prognóstico de pacientes com câncer, o diagnóstico precoce é a chave. Tomas Lesmantas, pesquisador de pós-doutorado da Universidade de Tecnologia de Kaunas, explicou ao EurekAlert que, muitas vezes, os oncologistas confiam na informação visual para analisar a imagem do tecido da mama e determinar a natureza das lesões.

No entanto, esse processo é demorado e a probabilidade de erro existe, o que, no caso do câncer, pode ser fatal. "Ao desenvolver métodos matemáticos para o diagnóstico de tumores, pretendemos automatizar, pelo menos parcialmente, o procedimento de diagnóstico e minimizar a ocorrência de erros", explicou.

Como é feito o cálculo

Os pesquisadores analisaram 100 imagens microscópicas de tecido mamário fornecidas pela Universidade do Porto, em Portugal. Eram quatro tipos de imagens na amostra: de tecido não canceroso, de tecido tumoral não maligno, de carcinomas não invasivos e invasivos. O objetivo da investigação foi projetar um método matemático para classificar as imagens nos quatro tipos mencionados.

"Os primeiros resultados são muito promissores: atingimos 85% de precisão", afirmou o pesquisador.

De acordo com o especialista, embora os métodos de aplicação de fórmulas matemáticas na medicina tenham se expandido nos últimos anos, e os computadores estejam sendo ensinados a diagnosticar lesões nos pulmões, reconhecer metástases nos linfonodos e localizar tumores cerebrais, não é muito provável que o processo de diagnóstico de câncer seja totalmente automatizado em um futuro próximo.

"A pesquisa não é apenas conduzida em nível teórico, existem alguns casos em que esses métodos já foram aplicados na prática clínica. Mesmo que a digitalização não substitua o julgamento humano, acredito que o diagnóstico computadorizado automatizado se tornará mais comum com o tempo. Ele ajudará a identificar com mais precisão e a diagnosticar certos tipos de câncer", disse Lesmantas.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook • Instagram • YouTube