Topo

Como emagreci

Histórias inspiradoras de quem mudou a silhueta

Ele quase perdeu o emprego dos sonhos devido à hipertensão e secou 47 kg

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Thamires de Andrade

Colaboração para o VivaBem

10/05/2018 04h00

Rodrigo Mota, 29 anos, chegou a pesar 150 kg. Durante um tempo, ele não se preocupou muito com os problemas de saúde e de autoestima trazidos pelo sobrepeso, e só decidiu emagrecer depois do término de um relacionamento:

"Sempre fui gordinho. Cresci ouvindo piada sobre isso e aceitava. Achava que era uma condição que não podia mudar. No colegial, cheguei a tomar remédio para emagrecer com acompanhamento médico. Perdi uns 20 kg, mas depois o medicamento parou de trazer resultados.

Após a faculdade, passei em um processo seletivo para trabalhar em uma consultoria. Era meu emprego dos sonhos e quase fui reprovado no exame médico admissional. Minha pressão estava altíssima e fiquei assustado. Comecei a tomar remédio para resolver o problema, mas nem me preocupei com peso. Tinha acabado de começar no trabalho novo e não estava focado em emagrecer. 

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Cheguei aos 150 kg, maior peso que já tive. Além de descontar o estresse do dia a dia na comida, fugia da cozinha, o que também contribuiu para engordar. Almoçava fora e no jantar chegava cansado e pedia pizza ou fast-food. Quando terminei um namoro, fiquei meio down e tomei um susto ao olhar para o espelho e não me reconhecer. Era outubro de 2013 e decidi que no outro ano mudaria a situação.

Tracei um plano de quanto queria emagrecer, pesquisei sobre treinos e alimentação saudável antes de iniciar o processo. Depois do Carnaval de 2014, me matriculei na musculação. Já tinha tentado malhar anteriormente, mas acabei pagando um ano de academia de bobeira, pois não frequentei. Só dessa vez estava disposto a fazer diferente. Aderi a um programa de emagrecimento com acompanhamento mais próximo nos três primeiros meses, e prometi que levaria a sério. Ia de segunda a sábado, intercalando dias de exercício aeróbico com musculação.

Já no quesito alimentação, comecei a levar lanchinhos para o trabalho e cortei o glúten. Ou seja, nada de bolachas e sanduíches que comia todo dia. Troquei tudo por frutas secas e castanhas. No quilo, também optava por saladas, arroz integral e frango. E comecei a deixar vários alimentos já prontos para o jantar. Assim, não tinha de pedir comidas pouco saudáveis.

Em um mês perdi 10,5 kg. O professor me pesou três vezes porque não acreditava naquele resultado. Eu estava feliz e cheio de energia.

Trabalho muito com estímulos, então, comprei um tênis novo e comecei a investir em um personal trainer porque estava, de fato, gostando da musculação.

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Depois de um tempo, já tinha emagrecido 20 kg, mas a balança estacionou e comecei a ficar frustrado. Resolvi buscar um nutrólogo que me passou uma dieta meio padrão e algumas fórmulas manipuladas para ajudar a queimar gordura. Segui por três meses, mas a consulta e a fórmula começaram a ficar caras. Fora que eu não queria ser dependente de nada.

Mantive a dieta que ele me passou e fui perdendo peso, ainda que mais lentamente. O plano 'me dava' um dia do lixo e tinha um cardápio que conseguia seguir na rua, com as porções certas dos alimentos. Não eram 200 g de arroz e sim duas colheres e isso me facilitava. Nesse meio tempo também aprendi a desapegar dos números.

Troquei a balança comum pela de bioimpedância, que mostra os percentuais de gordura e massa magra. Assim, emagreço com saúde e não vejo a evolução só nas roupas e no espelho.

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Após dois anos e meio seguindo essa rotina, comecei a enjoar da musculação. Não tinha mais vontade de ir malhar. E o pior é que quando faltava na academia me sentia frustrado e acabava sabotando a dieta. Foi aí que conversei com um amigo sobre o que estava acontecendo e ele me indicou o crossfit. Fui fazer um teste e amei, porque a modalidade me trouxe desafios. As aulas são dinâmicas. Comecei em agosto do ano passado e só tive benefícios, como ganho de força e agilidade. Além de superar meus limites --quem diria que eu conseguiria subir uma corda? --, fiquei mais disciplinado. Fora que o box é uma grande família. Todo mundo se ajuda e se estimula. Hoje, treino de segunda a sexta-feira.

Também aderi à Whole30 ---dieta rica em proteínas, vegetais e gorduras boas -- e passei a ter outra relação com a comida. Deixei de comer o trivial à noite e comecei a preparar marmitas supercoloridas e bonitas.

Aprendi a pensar em pratos, fazer receitas e ainda treinar o meu olhar para os alimentos que posso consumir. Fora que hoje cozinhar tem efeito terapêutico para mim. Ao todo, perdi 47 kg, sendo que meu percentual de gordura caiu de 40% para 20%. Perdi gordura no fígado e até parei de tomar remédio para a pressão pois ela se normalizou.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook  Instagram  YouTube