Topo

Longevidade

Práticas e atitudes para uma vida longa e saudável

"Não temos que ter medo da morte, mas sim de uma vida inútil", diz Cortella

Bruno Poletti/Folhapress
Mario Sergio Cortella fala sobre morte e objetivos de vida Imagem: Bruno Poletti/Folhapress

Vivian Ortiz

Do VivaBem, em São Paulo

04/05/2018 04h00

Se existe algo que todo mundo sabe é que, uma hora ou outra, vamos morrer. Mas, apesar de este ser um fato inerente à vida, ter ciência dessa informação não é algo que necessariamente nos leva a aceitar bem a morte. Mas, de acordo com o educador e filósofo Mario Sérgio Cortella, que conversou com o VivaBem durante um evento do GRAACC, nosso medo não deve ser de morrer: "Mas sim de uma vida inútil, fútil e desperdiçada".

O filósofo ainda lembra que, apesar de estarmos vivendo cada vez por mais tempo (já que a expectativa de vida só tem aumentado), precisamos refletir se estamos fazendo isso bem. "Muitas pessoas entendem a vida como sendo um processo em que você parte de uma condição menos estruturada (quando criança), chega a um momento de ápice (na fase adulto) e depois vem o declínio da velhice. E não é isso", acredita.

Veja também:

Cortella ressalta, inclusive, que o conceito de "ser idoso" é diferente de ser uma pessoa velha. "Ser idoso é uma questão de idade física, mas a velhice, sendo uma degradação da vitalidade, pode ocorrer em qualquer idade", ressalta o filósofo.

Existem pessoas que perdem sua vitalidade aos 10 anos de idade, como também com 20 ou 80 anos, isso independe da idade física.

E cita exemplos: "O [economista] Paul Singer tinha 86 anos e continuava produzindo. Velho jamais. O [arquiteto] Oscar Niemeyer tinha 104 anos quando morreu, mas estava com um projeto na prancheta. Dizer que eles eram velhos é não entender o significado dos tempos de vida", avalia.

Pagar mais para ter mais

Cortella avalia que envelhecer bem é uma questão individual, sim, mas também de saúde pública. Isso porque, segundo ele, são as políticas governamentais que têm a responsabilidade de dar maior condição de vitalidade e cuidados com a saúde para a população. "Esse é o impasse que países mais jovens, como o nosso, têm. Não criamos mecanismos, inclusive de arrecadação tributária, que sejam capazes de sustentar políticas voltadas tanto para jovens quanto para idosos."

Segundo ele, isso exige uma mudança no perfil de tributação nacional. Ou seja: seria necessário pagar impostos mais altos, justamente para ter dinheiro em caixa. E cita como exemplo os países escandinavos, como a Dinamarca, onde a tributação chega a cerca de 55% da renda do indivíduo, de maneira que possa haver investimentos sociais e na área da saúde.

"No Brasil, lembra ele, não temos essa tradição, pois achamos que a nossa forma de pagamento de impostos é mal utilizada, além de se perder muito com corrupção. Só que sem dinheiro, é complicado investir em uma rede de saúde e bem estar melhor", afirma. "Mas existem nações que já lidaram com isso e acho que faremos o mesmo um dia."

Viciados em produtividade

Na visão do filósofo Cortella, o mundo contemporâneo tem uma obsessão por produtividade, no sentido de que é preciso estar fazendo algo útil -- que envolva dinheiro, por exemplo-- para ser visto como uma pessoa de valor. "Por qual motivo não ser alguém que vive com arte, sem ser necessariamente uma atividade remunerada? Por que preciso trabalhar e não curtir a aposentadoria passeando ou indo ao museu, por exemplo?", diz.

De acordo com o filósofo, ser uma pessoa ativa é diferente de estar no mercado de trabalho. "Emprego é fonte de renda, já trabalho é fonte de vida. Tem muita gente que não está no emprego, mas está no trabalho. Cuida de outros, cuida de si mesmo, faz um trabalho de voluntariado... Não se deve confundir desocupação com ócio."

Para ele, é essencial, que a sociedade e a própria pessoa tenham disponibilidade para um conjunto de ofertas de atividades --remuneradas ou não. "Essa ocupação não precisa ser de natureza laboral, pelo contrário", diz.

Siga o VivaBem nas redes sociais
Facebook • Instagram • Youtube