menu

Topo

Como emagreci

Histórias inspiradoras de quem mudou a silhueta


Ela encontrou o amor na academia, perdeu 48 kg e se casou com o treinador

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Thamires Andrade

Do VivaBem, em São Paulo

29/03/2018 04h00

Cansada do efeito sanfona, a professora Angela Tonon, 27, considerou uma cirurgia bariátrica para emagrecer. Mas decidiu tentar uma última vez secar com a ajuda de profissionais --e conseguiu. Abaixo, ela conta sua história:

"Minha família é de pessoas obesas e com maus hábitos alimentares, mas só comecei a me incomodar com o peso na adolescência. Fazia dieta, emagrecia e depois voltava a engordar tudo de novo. Tentei todo o tipo de dieta: as restritivas, as só de líquidos... Pesquisava e experimentava qualquer coisa, mas sempre engordava depois.

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal
Alcancei o auge do sobrepeso aos 23 anos. A balança marcava mais de 100 kg. E todo mundo começou a falar para eu fazer bariátrica, já que toda minha família era obesa e seria difícil emagrecer sozinha. Cheguei a procurar um médico que disse que precisava ganhar peso para conseguir operar pelo convênio. Como engordar não é difícil, cheguei aos 117 kg e comecei a fazer os exames para a cirurgia. Foi quando me deu um estalo e desisti do procedimento.

Pensei que se para engordar não precisei de cirurgia, também não necessitava disso para emagrecer.

Dessa vez, decidi fazer tudo diferente e busquei acompanhamento de nutricionista e endocrinologista. Em um mês, emagreci 8 kg e fiquei mais empolgada para continuar. Todo mês traçava metas de quanto emagreceria. Estava determinada e foi diferente das outras vezes. Sabia que conseguiria.

Em quatro meses, estava com 20 kg a menos. Não passei fome durante o processo. Troquei a farinha branca por integral e inclui frutas e verduras no cardápio, o que não foi fácil. Sabia que precisava comer para ter saciedade e não ficar com vontade de outros alimentos. Sempre experimentava tudo cinco vezes antes de cravar que não gostava. Hoje, não consigo fazer uma refeição sem vegetais. Aprendi a gostar na marra.

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal
O mesmo aconteceu com a atividade física. Era muito sedentária e logo no início do processo de emagrecimento comecei a fazer atividade física em casa. Tinha vergonha de treinar. Comprei um simulador de caminhada e fazia duas vezes ao dia. Quando emagreci os primeiros 12 kg, tomei coragem de me matricular na academia.

Já tinha tentado outras vezes, mas ficava uma semana e desistia. Achava que ninguém me dava atenção justamente por estar muito acima do peso. Tive uma conversa com um instrutor. Ele me deu muita força e comecei a treinar de verdade. Depois de uns meses, viramos amigos e ele lá, me apoiando sempre. A amizade evolui para o amor. Começamos a namorar e foi ótimo. Ele me estimulava a treinar, não me deixava faltar e isso me ajudou muito a emagrecer.

Ao todo, emagreci 48 kg em 10 meses. Alcancei a minha meta antes do planejado e comemorei meu aniversário no meu peso ideal. Depois, comecei a focar em dar uma secada para casar no ano seguinte. Meu sonho era usar um vestido sereia. Então, aumentei os treinos e foquei ainda mais na alimentação. Não tinha nenhum dia livre para os doces, que são a minha maior perdição.

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal
Emagrecer é difícil, mas manter os quilos eliminados é muito mais. Apesar da alimentação saudável fazer parte da minha rotina, algumas situações como viagem de férias fazem com que a gente acabe engordando um pouco. Mas sempre retomo, nunca desisto.

As pessoas não querem emagrecer, querem ser emagrecidas. E não existe milagre. Quem fala que é fácil está mentindo, mas, ao mesmo tempo, não é impossível. Precisa acreditar em si e pensar positivo. Se você acredita que é capaz de emagrecer, seus caminhos vão se abrindo. Se o pensamento negativo prevalece, nada dá certo.