Topo

O poder dos alimentos

Seu prato torna sua vida mais saudável

Quer controlar diabetes com alimentação? Dupla maçã e canela é aliada

Poder dos Alimentos - Diabetes
Imagem: Gabriela Sánchez/VivaBem

Vivian Ortiz

Do VivaBem, em São Paulo

02/03/2018 04h10

O número de brasileiros com diabetes aumentou 61,8% entre 2006 e 2016, de acordo com o Ministério da Saúde. Pessoas com a doença precisam tomar cuidado especialmente com a alimentação, para evitar picos de açúcar no sangue (hiperglicemia), o que pode causar complicações importantes à saúde. Mas o uso de medicamentos adequados e exercícios, associados a um plano alimentar equilibrado, ajudam a melhorar a qualidade de vida do paciente. Em alguns casos, até a reverter a doença.

Abaixo, a nutricionista Maristela Bassi Strufaldi, nutricionista da SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes); Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês (SP) e Rosângela Augusto, nutricionista do Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim), falam sobre como aprimorar a alimentação de quem tem diabetes.

Coloque no cardápio

iStock
Imagem: iStock

Canela
Auxilia no controle glicêmico, responsável por regular os níveis de glicose no sangue, impedindo a rápida liberação de grandes quantidades açúcar (hiperglicemia). Pode ser acrescentado nas refeições, mas sem exageros. Lembre-se apenas que não substitui medicação alguma e que tal resposta acontece de diferentes maneiras para cada indivíduo. 

Getty Images
Imagem: Getty Images

Maçã
Algumas fibras solúveis da fruta, como a pectina, possuem uma resposta bastante interessante ao modificar a carga glicêmica da refeição, promovendo uma absorção mais gradativa da glicose. Além disso, a pectina ajuda a prolongar a sensação de saciedade e regula o intestino.

iStock
Imagem: iStock

Brócolis
Um estudo mostrou que o brócolis possui um composto (glucorofanina) que o corpo transforma em sulforafano, e esse antioxidante reduz a produção de glicose pelo fígado. A atuação seria semelhante a de um dos medicamentos mais usados no tratamento de diabetes, a o cloridato de metformina.

iStock
Imagem: iStock

Carboidratos integrais
Esse tipo de alimento preserva a parte interna do grão, que contém as fibras e proteínas e auxiliam no controle glicêmico. Só não se engane com o slogan "integral" dos industrializados. Para ser considerado da categoria, o produto precisa ter cerca de 50% de grão integral, ou seja, boa parte pode ser composta de carboidratos de alto índice glicêmico (refinados), cujo resultado eleva facilmente a glicemia. 

Getty Images
Imagem: Getty Images

Aveia
Possui betaglucana, que forma uma espécie de gel grosso no organismo e retarda o esvaziamento do estômago, assim como a absorção de glicose pelo sangue. Isso auxilia no controle glicêmico, impedindo a rápida elevação da taxa de açúcar no sangue. A aveia também pode colaborar com a melhoria da sensibilidade à insulina.

iStock
Imagem: iStock

Oleaginosas
Nozes, castanha-do-Brasil, castanhas de caju, macadâmia, amêndoas, entre outros, possuem magnésio, além de gorduras boas e ácidos graxos mono e poli-insaturados, que são interessantes para quem tem diabetes por ajudarem a controlar os níveis de açúcar no sangue. Não existe um consenso em relação à quantidade, mas a sugestão é de 30 gramas/dia, o equivalente a um punhado.

Veja também:

Até pode (mas com moderação)

Nenhum alimento precisa ser riscado definitivamente do cardápio de quem tem diabetes. O que deve existir é moderação e equilíbrio, algo que é, inclusive, uma recomendação geral para todas as pessoas.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Açúcar
A sacarose e alimentos contendo o ingrediente não são proibidos, uma vez que não aumentam a glicemia mais do que alguns tipos de carboidratos, quando ingerida em proporções similares. Atualmente, a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que a ingestão de açúcar não ultrapasse 5% das calorias totais/dia. Vale ficar atento ao "açúcar oculto" de alimentos industrializados. Uma colher de sopa de ketchup, por exemplo, fornece 4 gramas de sacarose.

iStock
Imagem: iStock

Frutas secas
Apesar de ricas em nutrientes e fibras, elas têm alta concentração de frutose, por conta da redução da retirada de água, o que faz a pessoa facilmente consumir quantidades excessivas de carboidratos. Assim, é recomendado ter cuidado especial com a quantidade e associar seu consumo a alimentos ricos em proteínas e gorduras boas que irão auxiliar no controle glicêmico, como, por exemplo, as castanhas e queijos brancos.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Produtos diet
Foram criados para uma dieta específica --de quem não pode consumir excesso de açúcar, pois contêm quantidades limitadas do alimento. Contudo, muitas vezes são ricos em gorduras e têm valor calórico semelhante a sua versão normal. Por isso, devem ser consumidos com a orientação de um profissional de saúde.

Getty Images
Imagem: Getty Images

Álcool
Para adultos com diabetes, a ingestão diária deve ser limitada a uma dose ou menos para mulheres e a duas doses ou menos para homens. Entende-se por uma dose, 150 ml de destilados. Basicamente, quando a pessoa bebe, deixa o fígado tão ocupado em lidar com o álcool, que desliga a produção de glicose. Evite exageros.

Melhor evitar

Getty Images
Imagem: Getty Images

Alimentos gordurosos
Pacientes diabéticos precisam se atentar ao consumo total de gorduras saturadas, pois apresentam maior risco de doenças cardiovasculares. Além disso, o acúmulo de gordura visceral é outro grande fator de risco, pois obriga o pâncreas a produzir cada vez mais insulina para facilitar a entrada de glicose nas células. 

iStock
Imagem: iStock

Ultraprocessados
Comprar comidas assim na prateleira do supermercado faz as pessoas ingerirem mais açúcar, sal e gordura do que o recomendado, pois elas acabam não tendo a consciência do quanto desses ingredientes foram acrescentados nos alimentos.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS

Facebook: https://www.facebook.com/VivaBemUOL/
Instagram: https://www.instagram.com/vivabemuol/
Inscreva-se no nosso canal no YouTube: http://goo.gl/TXjFAy