Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Como o estresse nos deixa doente? Estudo desvenda reações do organismo

iStock
Estresse/ Cansaço no trabalho Imagem: iStock

Do VivaBem, em São Paulo

11/01/2018 21h05

Nós já sabemos que o estresse é um grande vilão para saúde e pode nos prejudicar. Mas como exatamente esse nervosismo nos deixa doentes? Uma pesquisa feita pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, tentou desvendar o mistério.

Para compreender a publicação, é importante entender alguns mecanismos de resposta do nosso corpo. Então, vamos lá: os mastócitos são células imunológicas que desempenham um papel fundamental contra as doenças inflamatórias e alérgicas.

Veja também:

Em resposta a substâncias que causam alergia, como pólen e ácaros, os mastócitos liberam uma substância química chamada histamina, que trabalha para eliminar os alergênicos. É este processo que desencadeia os sintomas de alergias, como olhos lacrimejando ou nariz escorrendo.

Estudos anteriores mostraram que a atividade dos mastócitos aumenta em resposta ao estresse, o que pode causar um desequilíbrio e causar doenças.

Para descobrir como o estresse nos deixa fisicamente doente, os cientistas analisaram as relações entre os mastócitos e o hormônio CRF1. Por sua vez, o CRF1 responde ao estresse enviando sinais para células que trabalham no nosso sistema imunológico.

O tal do CRF1 faz as células imunes liberarem substâncias químicas que desencadeiam uma série de doenças, incluindo asma, lúpus e síndrome do intestino irritável. Ou seja, não é muito amigo.

Como chegaram a essa conclusão?

Para a nova pesquisa, os cientistas analisaram dois grupos de camundongos: um que possuía receptores normais de CRF1 em seus mastócitos, e outro que não tinha o tal hormônio.

No estudo, ambos os grupos de ratos foram expostos ao estresse psicológico e ao estresse alérgico, que deixam o sistema imunológico hiperativo.

Foi possível notar que os ratos com receptores normais de CRF1 em seus mastócitos experimentaram um aumento desproporcional nos níveis de histamina em resposta a ambas as condições de estresse, o que levou a doenças.

No entanto, os roedores que não possuíam receptores de CRF1 demonstraram baixos níveis de histamina em resposta ao estresse e tiveram menos doenças. Estes ratos tiveram uma redução de 54% de sintomas em resposta ao estresse alérgico e um declínio de 63% em resposta ao estresse psicológico.

A descoberta mostra que o CRF1 está criticamente envolvido em algumas doenças iniciadas por esses "estressores".

Quer um resumão em português? Os mastócitos se tornam altamente ativados em resposta a situações estressantes e o CRF1 ordena que as células liberem substâncias químicas que podem levar a doenças inflamatórias e alérgicas, como síndrome do intestino irritável, asma, alergias alimentares com risco de vida e distúrbios auto-imunes, como o lúpus.

Os cientistas se animaram com a novidade, pois agora podem pensar em novos tratamentos para doenças induzidas pelo estresse.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS

Facebook: https://www.facebook.com/VivaBemUOL/
Instagram: https://www.instagram.com/vivabemuol/
Inscreva-se no nosso canal no YouTube: http://goo.gl/TXjFAy

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
do UOL
Estilo
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
Estilo
Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
Blog da Lúcia Helena
do UOL
VivaBem
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
Blog do Maurício de Souza Lima
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL

do UOL

Saiba quais cuidados você deve ter ao usar lentes de contato no verão

Sol, areia, mar, piscina, esportes ao ar livre. O verão é uma época cheia de diversões que ninguém quer perder de vista. No entanto, quem usa lentes de contato precisa tomar alguns cuidados para não sofrer com problemas que podem prejudicar a saúde dos olhos. Veja quando você deve redobrar a atenção ou até mesmo optar pelos óculos.    Em viagens de avião Não é errado usar lentes de contato quando você vai viajar de avião. Porém, é melhor retirá-las, principalmente em voos noturnos ou com mais de quatro horas de duração. Por causa do ar-condicionado da cabine, os olhos tendem a ficar ressacados e as lentes podem provocar desconforto, irritação, coceira e até dor. Antes de viajar, procure o seu oftalmologista para que ele indique um colírio lubrificante.   Veja também: Evite os erros mais comuns ao usar lentes de contato Mulher descobre que tinha 27 lentes de contato em um olho Câncer de pele que não tem nada a ver com o sol é comum no Brasil   Na hora de mergulhar Se não quiser tirar a lente para entrar na piscina ou no mar, use óculos de natação. Na água existem muitas bactérias que podem ficar na lente, aumentando o risco de uma infecção bacteriana, que pode causar úlceras de córnea, por exemplo. Além disso, o cloro utilizado nas piscinas também pode entrar em contato com as lentes e gerar algum tipo de irritação.    Ao praticar esportes  $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2018/cuidados-ao-usar-lentes-de-contato-e-praticar-esportes-no-verao-1516050419643.vm')

do UOL
do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Estilo
Topo