Viva Bem

Check-up VivaBem

Aqui boato não tem vez! Esclarecemos o que dizem por aí

É verdade que álcool corta o efeito do antibiótico?

Imagem: Brunna Mancuso/VivaBem

Ana Carolina Nunes

Colaboração para o VivaBem

06/12/2017 04h15Atualizada em 06/12/2017 15h20

Uma dúvida frequente de quem está fazendo um tratamento com antibióticos é se pode ou não tomar bebida alcoólica, já que costuma ser um senso comum que o álcool ‘corta’ o efeito dos antibióticos, colocando em risco o resultado do tratamento. Em geral, a união de álcool e antibiótico não necessariamente anula o tratamento, mas há sim alguns riscos.

O álcool neutraliza os efeitos do antibiótico?

Não é bem isso o que acontece. Não dá para afirmar que bebida alcóolica corta o efeito do remédio. Porém, a ingestão de antibiótico em conjunto com o álcool pode ter reações e efeitos adversos. O que ocorre é que tanto o álcool quanto o medicamento são metabolizados no fígado e, consumir os dois ao mesmo tempo, pode sobrecarregar o órgão. 

Veja também:

O fato de o álcool ser diurético também influencia na concentração do medicamento no corpo. Além disso, o álcool é uma substância por si só irritante ao sistema gastrointestinal. Portanto, a recomendação é ter bom senso em relação à quantidade. Um consumo moderado dificilmente irá trazer problemas.

O que é considerado consumo moderado?

Vai depender do perfil da pessoa, levando em conta seu metabolismo e histórico médico. A quantidade considerada “uso social” ou moderada: duas taças de vinho, duas latinhas de cerveja ou uma dose de bebida destilada. Essas quantidades não provocariam alteração no efeito da maioria dos antibióticos. Outra dica é distanciar o horário de consumo das duas substâncias.

Há diferença de efeito dependendo do tipo de antibiótico?

Existem algumas classes de antibióticos que são totalmente contraindicadas para ingerir concomitante com o álcool, entre elas o metronidazol, o cloranfenicol, o tinidazol, o furazolidona e as sulfonamidas (sulfas), já que podem causar reações graves e extremamente desagradáveis --como rubor, palpitações, dor de cabeça latejante, dificuldade respiratória, náuseas, vômitos, suor, sede, dor torácica, hiperventilação, taquicardia, hipotensão, síncope, fraqueza, vertigem, visão turva ou confusão mental.

Fontes: Patricia Moriel, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp e Amouni Mourad, Assessora Técnica do Conselho Regional de Farmácia-SP.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao