Saúde

Sintomas, prevenção e tratamento de doenças

Cientista cria dispositivo cerebral que pode ajudar pessoas com Alzheimer

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

15/11/2017 15h57

Dong Song, um professor de pesquisa de engenharia biomédica da Universidade do Sul da Califórnia (USC) construiu um implante cerebral que pode melhorar a memória humana de curto prazo em 15% e a memória de trabalho em 25%. A boa notícia é que o dispositivo poderia ajudar pessoas impactadas por doença de Alzheimer e demência.

Leia também:

De acordo com o New Scientist, o dispositivo é o primeiro a efetivamente melhorar a memória humana. Para testar o implante, a equipe do professor contou com a ajuda de 20 voluntários, que tiveram o dispositivo implantado no cérebro, coletando dados sobre a atividade cerebral durante testes projetados para estimular a memória de curto prazo ou a de trabalho.

Os pesquisadores determinaram, então, o padrão associado ao ótimo desempenho da memória e usaram os eletrodos do dispositivo para estimularem o cérebro, que seguiu o mesmo padrão durante testes posteriores.

Com base nessas pesquisas, esse estímulo melhorou a memória de curto prazo em cerca de 15% e a memória de trabalho em cerca de 25%. Quando os pesquisadores estimularam o cérebro aleatoriamente, o desempenho piorou. "Estamos escrevendo o código neural para melhorar a função da memória. Isso nunca foi feito antes", disse Song ao New Scientist.

Problema crescente

Embora uma memória melhor possa ser útil para estudantes que estão em época de provas ou para aqueles de nós com alguma dificuldade em lembrar nomes, isso pode significar uma mudança de vida para pessoas afetadas pela demência e pela doença de Alzheimer.

A idade é um fator de maior risco para a doença, de acordo com a Alzheimer's Association. A grande maioria dos pacientes possui mais de 65 anos. Com os avanços na medicina e nos cuidados com a saúde aumentando continuamente nosso tempo de vida, esse segmento da população está crescendo dramaticamente e, até 2030, espera-se que 20% dos cidadãos dos EUA tenham mais de 65 anos.

Obviamente que é necessário um teste adicional antes que o dispositivo de Song possa ser aprovado como tratamento para demência ou doença de Alzheimer, mas se for capaz de ajudar esses pacientes a recuperarem parte de sua função de memória perdida, o impacto será sentido não apenas pelos próprios pacientes, mas por seus familiares e até mesmo a economia em geral.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Agência Estado
Agência Estado
Blog do Maurício de Souza Lima
do UOL
BBC
Saúde
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Agência Estado
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Topo