Saúde

Sintomas, prevenção e tratamento de doenças

Cientistas da USP criam anticorpo que pode ajudar a tratar câncer de mama

iStock
Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

08/11/2017 15h58

Cientistas têm uma notícia otimista sobre a luta contra o câncer de mama: um tratamento com anticorpos pode barrar o avanço da doença. De acordo com pesquisas feitas no campus da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, um anticorpo monoclonal –proteína criada em laboratório para atingir um alvo específico-- mostrou eficiência nos teste em animais.

Tem alguma dúvida sobre a saúde do seu corpo? Mande sua pergunta para o e-mail pergunteaovivabem@uol.com.br que nós encontraremos os melhores especialistas para respondê-la.

O novo anticorpo evita a migração celular para outras partes do corpo e inibe uma proteína alvo envolvida na metástase. Para melhorar, o anticorpo também reconhece o alvo na superfície das células de câncer de mama e de ovário, obtidas de tecidos tumorais de pacientes.

Os resultados de estudos com camundongos mostraram que o anticorpo é eficiente na redução do crescimento de tumores preexistentes e potencializar a ação da droga já utilizada no tratamento, além de não apresentar toxicidade.

A próxima fase será identificar os pacientes mais indicados para o tratamento com o anticorpo e expandir o estudo para outros modelos de câncer mais letais, como os de ovário, cervical, pulmão e pâncreas.

A diretora da pesquisa, Sandra Faça, disse ao Jornal da USP que as notícias são animadoras, mas é preciso ter bom senso. Os estudos com a nova molécula para terapia do câncer avançam com sucesso desde 2009, porém, o descobrimento ainda precisa passar por vários testes antes de ser aprovado, uma vez que ainda está em fase pré-clínica, que são os testes em animais.

“É preciso ter paciência, uma vez que, de forma geral, o tempo para o desenvolvimento de um novo medicamento pode chegar a 14 anos. São cinco anos de pesquisa básica, dois anos de testes em modelos animais e cinco de desenvolvimento clínico”, explica Faça ao Jornal da USP.

Ainda segundo a cientista, o tratamento de câncer com anticorpos monoclonais tem sido uma das estratégias mais bem-sucedidas e importantes dos últimos anos. Com os resultados empolgantes, os pesquisadores já depositaram, em nome startup Veritas, patente desse novo anticorpo nos Estados Unidos.

Para conseguir prosseguir a pesquisa, Faça afirma que seria importante conseguir mais parceiros para viabilizar o processo em breve.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Lúcia Helena
do UOL
BBC
Estilo
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
BBC
BBC
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
Agência Estado
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
BBC
do UOL
BBC
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
BBC
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo