Saúde

Sintomas, prevenção e tratamento de doenças

Harry Styles parou show para ajudar fã com ataque de pânico

AFP PHOTO / FRANCOIS LO PRESTI
Imagem: AFP PHOTO / FRANCOIS LO PRESTI

Do UOL

04/11/2017 13h03

Imagine estar no show de seu cantor favorito e começar a sentir palpitação, dor no peito, formigamento nos braços, vontade de sair correndo. É assim que um ataque de pânico se materializa, podendo ainda trazer falta de ar, suor, tontura, ânsia de vômito e dor de cabeça. No último domingo, 29, uma fã de Harry Styles teve uma crise no meio do concerto e foi ajudada pelo próprio cantor.

Styles interrompeu a performance no Hammersmith Apollo, em Londres, ao ver a garota passando mal. “Está todo mundo bem? Você está comigo?”, perguntou o cantor. “Vocês podem ajudá-la? Se todo mundo der um pouco de espaço... Apenas relaxe por um segundo, nós vamos buscar alguém.” A fã foi levada por um segurança logo em seguida e, algumas horas depois, escreveu em seu Twitter: “Esse foi um dos piores ataques de pânico que já tive, até os médicos estavam assustados com o meu estado”.

Crise demora cinco minutos, mas pode durar até meia hora

A síndrome do pânico é um transtorno que causa crises inesperadas de medo e mal-estar. Quando os ataques de pânico são constantes, podem desencadear a síndrome do pânico. O ataque vem sem dar aviso e é uma resposta corporal. Diferente da ansiedade, que é quando o pensamento vem antes dos sintomas físicos, como quando aquela pulga atrás da orelha com problemas do trabalho toma conta de você e traz falta de ar, tremores e palpitação.

Em um ataque de pânico, os sintomas físicos aparecem subitamente e fazem com que a pessoa imagine desfechos catastróficos de outras doenças (como achar que está infartando), o que as deixam ainda mais nervosa e podem agravar o quadro, de acordo com Diego Tavares, psiquiatra e pesquisador do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo).

Uma dica valiosa nos momentos de crise de pânico é ter alguém por perto para ajudar a acalmar o paciente. Uma vez que a pessoa sabe que tem crise e não está morrendo, você pode segurar a mão dela, pedir para que respire fundo, dar água e gentilmente mostrar que os minutos estão passando e que a crise deve terminar em breve. Com o apoio, consciência e foco, o paciente tende a baixar os níveis de adrenalina e recuperar o controle corporal.

A doença deve ser tratada com análise ou remédios. Se você sentir algum desses sintomas, procure a ajuda de um psiquiatra.

palpitação, dor no peito, formigamento nos braços, vontade de sair correndo. É assim que um ataque de pânico se materializa, podendo ainda trazer falta de ar, suor, tontura, ânsia de vômito e dor de cabeça.... - Veja mais em https://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/noticias/redacao/2017/08/11/padre-fabio-de-melo-revela-sindrome-do-panico-conheca-sintomas-da-doenca.htm?cmpid=copiaecola

 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Agência Estado
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Agência Estado
do UOL
Agência Estado
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Topo