Saúde

Sintomas, prevenção e tratamento de doenças

Falta de higiene no pênis é coisa séria e pode causar amputação do órgão

iStock
Imagem: iStock

Vivian Ortiz

Do UOL, em São Paulo

31/10/2017 12h55Atualizada em 31/10/2017 16h33

Sabia que, por falta de higiene correta, é possível perder o pênis? Essa história que viralizou na internet nos últimos dias é uma realidade. No Brasil, cerca de mil homens perdem o órgão todos os anos, de acordo com a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia). Muitos destes casos seriam evitados caso a higiene fosse feita corretamente. Acontece que essa falta de limpeza pode provocar infecções e até um câncer urogenital que, se não identificado e tratado logo, leva à amputação. 

O câncer de pênis é um tumor raro em países desenvolvidos, onde as pessoas têm mais instrução. Na Europa e nos EUA, por exemplo, representa apenas 0,4% de todos os casos. Mas essa incidência aumenta bastante em países em desenvolvimento, chegando a representar 10-20% dos tumores. No Brasil, o câncer no pênis representa apenas 2%.

Ele surge, principalmente, em homens que vivem em regiões rurais, com pouca cultura e escolaridade e que, apesar de perceberem que o órgão está comprometido, só procuram ajuda quando o pênis já está bem ferido, às vezes com o tumor exposto, saindo sangue e pus.

Como se prevenir?

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
No entanto, quando diagnosticado rapidamente, é superficial e pode ser tratado com laser e pomadas, que ajudam a acabar com a lesão sem grandes implicações e nenhum tipo de corte lá. O problema acontece quando o paciente não procura o médico assim que percebe os primeiros sintomas e a lesão cresce e fica cada vez mais profunda.

Quando chega neste ponto, é hora de partir para uma cirurgia mais radical. Dentre os fatores de risco associados, destacam-se também a fimose, o tabagismo e as doenças sexualmente transmissíveis (como o HPV).

A principal dica é: olhe para seu órgão genital para perceber quando surgir algo diferente. Isso porque esse tipo de câncer costuma começar com uma pequena ferida, que aumenta de tamanho e cria pus, além de causar mau-cheiro. Quando a situação chega a esse nível, o melhor é correr para o médico.

Se você não quiser ter nada disso --e quem quer, né?-- o melhor mesmo é caprichar na hora do banho, passando bastante água e sabão, além de fazer sexo protegido, pois estudos alertam que o HPV pode ser um dos responsáveis pela doença. Melhor prevenir do que deixar seu "passarinho" voar para sempre, não?

E como fica se tiver que amputar?

Esse procedimento cirúrgico possui graus diferentes, de acordo com a gravidade do caso. Dá para retirar só a glande, por exemplo, ou fazer uma penectomia parcial --em que é cortado apenas um pedaço do pênis. Em casos extremos a situação fica ainda mais delicada, pois a penectomia radical é a solução para evitar perder o controle da doença e o câncer se espalhar por todo o corpo. Além disso, pode ser necessário fazer tratamento quimioterápico.

Como é possível imaginar, qualquer uma das cirurgias têm um efeito devastador na vida do paciente. No caso de uma amputação total, o homem deixa, inclusive, de ter uma vida sexual. Dependendo do nível de amputação, há a necessidade de se fazer uma reconstrução utilizando uma prótese peniana. Caso o corte seja parcial, o paciente até continua com vida sexual, mas com a qualidade piorada. Se não tiverem sido afetados pela doença, os testículos permanecem.

No caso da parte funcional, a neofaloplastia é a cirurgia mais comum. Os médicos criam um novo tubo peniano e a uretra também pode ser refeita, porém, não são todos os casos em que o homem poderá voltar a urinar em pé.

Fontes: Alex Meller, urologista da Escola Paulista de Medicina (Unifesp); Victor Srougi, urologista do Hospital Moriah, em São Paulo (SP) e Edson Borges Jr., urologista, especialista em reprodução humana e diretor científico do Fertility Medical Group.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Agência Estado
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Agência Estado
do UOL
Agência Estado
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Topo