Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Falta de higiene no pênis é coisa séria e pode causar amputação do órgão

iStock
Imagem: iStock

Vivian Ortiz

Do UOL, em São Paulo

31/10/2017 12h55Atualizada em 31/10/2017 16h33

Sabia que, por falta de higiene correta, é possível perder o pênis? Essa história que viralizou na internet nos últimos dias é uma realidade. No Brasil, cerca de mil homens perdem o órgão todos os anos, de acordo com a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia). Muitos destes casos seriam evitados caso a higiene fosse feita corretamente. Acontece que essa falta de limpeza pode provocar infecções e até um câncer urogenital que, se não identificado e tratado logo, leva à amputação. 

O câncer de pênis é um tumor raro em países desenvolvidos, onde as pessoas têm mais instrução. Na Europa e nos EUA, por exemplo, representa apenas 0,4% de todos os casos. Mas essa incidência aumenta bastante em países em desenvolvimento, chegando a representar 10-20% dos tumores. No Brasil, o câncer no pênis representa apenas 2%.

Ele surge, principalmente, em homens que vivem em regiões rurais, com pouca cultura e escolaridade e que, apesar de perceberem que o órgão está comprometido, só procuram ajuda quando o pênis já está bem ferido, às vezes com o tumor exposto, saindo sangue e pus.

Como se prevenir?

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
No entanto, quando diagnosticado rapidamente, é superficial e pode ser tratado com laser e pomadas, que ajudam a acabar com a lesão sem grandes implicações e nenhum tipo de corte lá. O problema acontece quando o paciente não procura o médico assim que percebe os primeiros sintomas e a lesão cresce e fica cada vez mais profunda.

Quando chega neste ponto, é hora de partir para uma cirurgia mais radical. Dentre os fatores de risco associados, destacam-se também a fimose, o tabagismo e as doenças sexualmente transmissíveis (como o HPV).

A principal dica é: olhe para seu órgão genital para perceber quando surgir algo diferente. Isso porque esse tipo de câncer costuma começar com uma pequena ferida, que aumenta de tamanho e cria pus, além de causar mau-cheiro. Quando a situação chega a esse nível, o melhor é correr para o médico.

Se você não quiser ter nada disso --e quem quer, né?-- o melhor mesmo é caprichar na hora do banho, passando bastante água e sabão, além de fazer sexo protegido, pois estudos alertam que o HPV pode ser um dos responsáveis pela doença. Melhor prevenir do que deixar seu "passarinho" voar para sempre, não?

E como fica se tiver que amputar?

Esse procedimento cirúrgico possui graus diferentes, de acordo com a gravidade do caso. Dá para retirar só a glande, por exemplo, ou fazer uma penectomia parcial --em que é cortado apenas um pedaço do pênis. Em casos extremos a situação fica ainda mais delicada, pois a penectomia radical é a solução para evitar perder o controle da doença e o câncer se espalhar por todo o corpo. Além disso, pode ser necessário fazer tratamento quimioterápico.

Como é possível imaginar, qualquer uma das cirurgias têm um efeito devastador na vida do paciente. No caso de uma amputação total, o homem deixa, inclusive, de ter uma vida sexual. Dependendo do nível de amputação, há a necessidade de se fazer uma reconstrução utilizando uma prótese peniana. Caso o corte seja parcial, o paciente até continua com vida sexual, mas com a qualidade piorada. Se não tiverem sido afetados pela doença, os testículos permanecem.

No caso da parte funcional, a neofaloplastia é a cirurgia mais comum. Os médicos criam um novo tubo peniano e a uretra também pode ser refeita, porém, não são todos os casos em que o homem poderá voltar a urinar em pé.

Fontes: Alex Meller, urologista da Escola Paulista de Medicina (Unifesp); Victor Srougi, urologista do Hospital Moriah, em São Paulo (SP) e Edson Borges Jr., urologista, especialista em reprodução humana e diretor científico do Fertility Medical Group.