Saúde

Sintomas, prevenção e tratamento de doenças

Dormir menos que 7 ou mais que 9 horas por dia engorda

iStock
Imagem: iStock

Gabriela Ingrid

Do UOL

31/10/2017 04h00

Coincidência ou não, enquanto a insônia atinge 40% dos brasileiros, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), 53,8% da população está acima do peso, segundo a Vigitel (Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico).

Especialistas no assunto confirmam a relação: “A privação de sono aumenta o apetite por alimentos calóricos. Indivíduos que não dormem têm maior tendência à obesidade do que os que não são privados do sono”, diz Pedro Genta, coordenador do Centro de Medicina do Sono do HCor.

Mas o problema não é só em quem dorme de menos. Ficar tempo demais na cama ou tirar cochilos vespertinos também tem influência na circunferência abdominal.

“Um estudo feito com mais de 120 mil pacientes identificou quatro fatores que relacionam o déficit de qualidade de sono com a obesidade: dormir menos do que 7 ou mais do que 9 horas por dia; trocar a noite pelo dia; cochilar durante o dia; ter hábitos noturnos”, disse Paulo Giorelli, chefe do Departamento de Obesidade da Abran, durante uma palestra no 21° Congresso de Nutrologia, em São Paulo.

iStock
Ritmo circadiano impacta diretamente no equilíbrio corporal Imagem: iStock

Dormir mal impacta no ritmo do corpo

O sono costuma obedecer a ritmos biológicos do corpo. Isso quer dizer que ele sofre influência da luz, da nossa temperatura corporal e da liberação hormonal. Tudo isso se organiza em um ciclo biológico conhecido como ritmo circadiano. Quebrar esse ciclo impacta (e muito) no funcionamento do organismo.

“Dormir durante o dia, com luminosidade, não é fisiologicamente a mesma coisa que dormir à noite, com a ausência da luz”, contou Giorelli. “Mesmo dormindo, nós captamos a claridade através da retina. Essa luz caminha até o hipotálamo, que regula o ritmo circadiano. A partir daí, começa um estresse crônico que altera o equilíbrio corporal.”

Segundo Genta, o mecanismo de fome e saciedade é controlado por uma série de hormônios, principalmente a leptina e a grelina. Ao ter um sono ruim, a liberação desses hormônios sofre alteração e aumenta a fome. “Mas não é só isso. É um conjunto de alterações. Na privação, por exemplo, nós gastamos mais energia, já que ficamos mais tempos acordados do que deveríamos. Isso também faz com que o corpo demande mais energia.”

iStock
Tecnologia atrapalha sono da população Imagem: iStock

Ciclo é vicioso

O efeito inverso também ocorre. Os dois mais frequentes distúrbios de qualidade de sono encontrados em pacientes com sobrepeso são o ronco e a apneia, o que aumenta ainda mais as chances de obesidade. “A apneia induz o estresse crônico, porque toda vez que o indivíduo acorda sem ar, a pressão e a frequência disparam. Isso se repete tantas vezes que desequilibra muito o corpo”, explicou Giorelli.

Segundo os especialistas, parte da culpa para esses distúrbios são justamente a vida moderna. “Nós ficamos cada vez mais acordados. Em 1950, a média de sono era de 8 horas. Hoje, ela caiu para 6 horas”, disse ele. Genta também culpa os “ladrões do sono”: “É uma época diferente da de 20 anos atrás. O combo televisão, internet, computador e celular nos deixa conectados o tempo todo. Eles estão invadindo nosso sono e a gente nem está percebendo.”

Para Giorelli, é importante que os médicos se atentem a essa relação, para alertar os pacientes. Segundo ele, o especialista deve perguntar ao paciente se ele tem os sintomas de déficit de sono, porque a pessoa nunca vai fazer essa relação. “Tem que ver se o indivíduo tem um desses sintomas (ronco, irritabilidade, deficiência cognitiva, aumento da testosterona, sonolência excessiva diurna) e ver se isso tem relação com o sobrepeso dela.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Agência Estado
Agência Estado
Blog do Maurício de Souza Lima
do UOL
BBC
Saúde
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Topo