Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor

Consumidor está exigindo alimentos perfeitos, diz pesquisador da Monsanto

Rogério Albuquerque
John Purcell segurando couve-flor com tecnologia Brilliant White Imagem: Rogério Albuquerque

Gabriela Ingrid

Do UOL

27/10/2017 04h00

Faz tempo que os alimentos se moldaram ao gosto do consumidor, ganhando formas mais agradáveis aos olhos. Mas estamos entrando em uma nova era de frutas e vegetais “perfeitos”. As opções parecem até enfeites de mesa: tomatinhos perfeitamente redondos em cachos, enormes melancias vermelhas e doces e até uma couve-flor com cor de pasta de dente.

“Os hábitos alimentares da população mudaram. No mundo desenvolvido, as pessoas querem uma experiência alimentar e isso significa um sabor diferenciado e mais conveniência”, diz John Purcell, líder global de pesquisa e desenvolvimento de vegetais da Monsanto, líder do mercado de sementes geneticamente modificadas.

Rogério Albuquerque
A melancia Red Heaven é mais doce e se tornou a queridinha dos consumidores Imagem: Rogério Albuquerque

O que é alimentação saudável?

Purcell, que é químico PhD em biologia molecular e celular pela Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos, explica que o que eles tentam fazer nos alimentos geneticamente modificados é aperfeiçoar as características dos produtos, mas também melhorar o sabor e ter certeza de que os valores nutricionais dos alimentos são mantidos.

Mas para a conselheira do CFN (Conselho Federal de Nutricionistas), Regina Rodrigues de Oliveira, as pessoas precisam entender que os alimentos não são produtos padronizados. “Quando o conceito de comida saudável se aliou à estética, criou-se uma produção que impactou a vida, o meio ambiente e a soberania alimentar de diversos povos brasileiros”, diz.

Consumidor está mais exigente

Segundo Purcell, a empresa entrega uma demanda que vem do consumidor. “Quando eu era criança, sempre tinham certos tipos de alimentos em determinada época do ano. Agora, a maioria das pessoas entra no supermercado e quer comprar o que ela quiser, com o sabor e as características que ela quiser, o que coloca bastante pressão nos produtores, porque eles têm que produzir com base na demanda de seus consumidores.”

Regina acredita no movimento contrário, de explicar às pessoas que os alimentos podem apresentar tamanhos e cores diferentes sem perder as suas propriedades. “Classificá-los por tamanho ou forma atende apenas às imposições do mercado”, diz.

iStock
Segundo conselheira do CFN, a escolha baseada em alimentos “perfeitos” contribui para o desperdício e eleva os preços Imagem: iStock

Já o pesquisador da Monsanto diz que seu alimento ainda evita o desperdício. “Essa é uma das vantagens dos avanços que estão ocorrendo nos vegetais. Porque além de podermos ter frutas e vegetais com mais tempo de prateleira, fazemos com que esses alimentos tenham um sabor melhor, batendo de frente com o grande mal da sociedade atual: os ultraprocessados.”

Regina defende que as escolhas alimentares devem ser baseadas em valores nutritivos, culturais, afetivos, ambientais e sociais sobre o que entendemos como alimento. “Essa supervalorização à estética não tem sustentabilidade. Sempre repito uma frase que atualmente foi utilizada pelo escritor Michael Pollan: ‘Coma aquilo que sua vó entendia como comida’.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Adriana Vilarinho
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
Blog da Lúcia Helena
do UOL
VivaBem
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
Blog do Maurício de Souza Lima
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Lúcia Helena
do UOL

do UOL

Saiba quais cuidados você deve ter ao usar lentes de contato no verão

Sol, areia, mar, piscina, esportes ao ar livre. O verão é uma época cheia de diversões que ninguém quer perder de vista. No entanto, quem usa lentes de contato precisa tomar alguns cuidados para não sofrer com problemas que podem prejudicar a saúde dos olhos. Veja quando você deve redobrar a atenção ou até mesmo optar pelos óculos.    Em viagens de avião Não é errado usar lentes de contato quando você vai viajar de avião. Porém, é melhor retirá-las, principalmente em voos noturnos ou com mais de quatro horas de duração. Por causa do ar-condicionado da cabine, os olhos tendem a ficar ressacados e as lentes podem provocar desconforto, irritação, coceira e até dor. Antes de viajar, procure o seu oftalmologista para que ele indique um colírio lubrificante.   Veja também: Evite os erros mais comuns ao usar lentes de contato Mulher descobre que tinha 27 lentes de contato em um olho Câncer de pele que não tem nada a ver com o sol é comum no Brasil   Na hora de mergulhar Se não quiser tirar a lente para entrar na piscina ou no mar, use óculos de natação. Na água existem muitas bactérias que podem ficar na lente, aumentando o risco de uma infecção bacteriana, que pode causar úlceras de córnea, por exemplo. Além disso, o cloro utilizado nas piscinas também pode entrar em contato com as lentes e gerar algum tipo de irritação.    Ao praticar esportes  $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2018/cuidados-ao-usar-lentes-de-contato-e-praticar-esportes-no-verao-1516050419643.vm')

do UOL
do UOL
Blog da Adriana Vilarinho
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cintia Cercato
do UOL
do UOL
Topo