menu
Topo

Longevidade

Práticas e atitudes para uma vida longa e saudável

Por que você deve cuidar muito bem dos seus dentes desde já

iStock
Imagem: iStock

Alexandre Sinato

Colaboração para o UOL

26/10/2017 04h10

"Antes dos 30 anos, minha mãe já não tinha nenhum dente. Ainda contava que ela e os irmãos mal usavam escova de dentes. Já nós até tínhamos escova, mas a preocupação com saúde bucal era pequena. Fio dental, por exemplo, não tinha. Quando algo parava entre os dentes, a gente usava linha de empinar pipa mesmo.” O relato de Maria de Montevirgem, 60, reflete uma realidade vivida por sua geração e a de seus pais.

Ela mesma conta já ter perdido oito dentes. Na época, extraí-los era a solução mais comum recomendada pelos dentistas. Praticamente não existia um trabalho de prevenção e, quando existia, era precário. Hoje é diferente e temos bastante acesso à informação. Por isso, se você tem preguiça de escovar os dentes e sempre adia aquela ida ao dentista, é bom repensar seus costumes. Cuidar bem da saúde bucal é um investimento decisivo para o futuro: dentes em bom estado hoje significam uma vida mais saudável lá na frente.

Falta de escovação pode causar até problemas no coração

Problemas mastigatórios, perda da autoestima, falta de sociabilização e depressão são consequências enfrentadas por quem não teve um bom histórico odontológico. E, acredite: até problemas do coração estão na lista e podem surgir se bactérias que vivem em nossa boca caírem na corrente sanguínea.

A endocardite é o mais grave deles, pois afeta o revestimento interno do órgão, causando a morte em 25% dos casos, segundo dados do Incor (Instituto do Coração). Uma boa higiene bucal é fundamental para reduzir esse risco.

Embora pareça mais simples, a dificuldade em mastigar também pode causar complicações, já que aumenta a procura por alimentos processados e pobres nutricionalmente. E isso pode resultar em alterações nutricionais com graves consequências para a saúde geral.

Um estudo publicado na revista científica The Lancet aponta o edentulismo [ausência de todos os dentes] na 15ª posição no ranking global das principais causas de anos perdidos por incapacidade em pessoas de 65 a 74 anos. Ou seja, saúde bucal é coisa séria e a conta chegará um dia.

Adeus, motorzinho

O temido “motorzinho” do dentista é uma desculpa clássica de quem evita o especialista a todo custo. Mas há uma boa notícia sobre o tema: tratamentos menos invasivos dispensam o uso da broca odontológica em alguns tipos de cárie.

Um deles é o gel enzimático composto pela papaína, que “amolece” a cárie. Ele pode inibir a progressão do processo e, consequentemente, estimular a formação de dentina secundária --a segunda “camada” do dente. Apesar de esse e outros métodos mais conservadores já estarem disponíveis no Brasil, voltamos a ressaltar que o segredo está mesmo na prevenção.

Os especialistas estão cansados de repetir para o público em geral da importância de utilizar todos os recursos de higienização, como escova dental adequada, fita dental, fazer a higiene correta da língua sempre que houver contato com alimentos, além da realização de bochechos diários e revisão a cada seis meses no profissional indicado.

E para quem tem preguiça de usar fio dental ou acha que o produto machuca a gengiva, a recomendação é investir na fita dental. O uso contínuo de fio dental pode causar dano gengival se não for feito corretamente. O ideal seria usar fita dental e ter a orientação para cada indivíduo.

Fontes: Maria da Luz Rosário de Sousa, doutora em saúde pública e professora da Faculdade de Odontologia da Unicamp e Monica Talarico Duailibi, professora doutora da Unifesp e membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO).