Longevidade

Práticas e atitudes para uma vida longa e saudável

Colágeno é indicado a partir dos 35 para evitar desgaste da cartilagem

iStock
Imagem: iStock

Colaboração para o UOL

Chloé Pinheiro

19/10/2017 11h48

Ele é a proteína mais abundante do corpo e funciona como uma espécie de tijolo na construção de diversos tecidos: ossos, dentes, tendões, músculos... e pele. O problema é que, com o passar do tempo, sua fabricação natural diminui. “Nunca deixamos de produzir, mas um conjunto de fatores afeta a sintetização a partir dos 35 anos, como dieta, estilo de vida e questões de saúde” comenta Marcella Garcez, nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia, de Curitiba.

Os especialistas indicam tomar suplementos de colágeno a partir desse ponto. Mas o assunto ainda gera dúvidas porque até pouco tempo se pensava que o colágeno que ingerimos, por ser quebrado durante o processo digestivo, não atingiria a parte mais superficial do corpo. “O colágeno é dividido em peptídeos que são absorvidos sim e tem funções muito interessantes na cicatrização da pele, no combate ao envelhecimento facial, na recuperação de cirurgias ortopédicas, para a cartilagem e muitas outras áreas”, aponta Tatiana Gabbi, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Isso porque os tais peptídeos, depois de passarem pelo sistema digestivo, irão formar os colágenos necessários para cada órgão do corpo. Isso já acontece com a comida, quando ingerimos proteínas animais --especialmente pele e couro-- e vitaminas como a C. Esses alimentos estimulam a produção do colágeno, mas a pele, os cabelos e as unhas acabam ficando por último na distribuição desses ajudantes.

iStock
O suplemento de colágeno é eficaz no combate aos desgastes articulares Imagem: iStock

Colágeno para as articulações

“Há cinco anos eu dizia que o suplemento não funcionava, mas hoje os estudos provam que ele consegue sim atuar na pele e não só, mas especialmente nos tecidos que não se regeneram, como a cartilagem”, destaca Marcella. Assim como a pele, a cartilagem que reveste as articulações da coluna, do joelho, dos cotovelos e tantas outras juntas também depende muito da proteína e sofre com a ação do tempo. Assim, o aporte extra pode ser um aliado para atenuar os sintomas da artrose e de outros males que atacam as articulações.

Por exemplo, um trabalho de 2011 da Universidade Charles, na República Tcheca, descobriu que o suplemento de colágeno pode ser mais eficaz do que o sulfato de glucosamina, substância popularmente utilizada para combater desgastes articulares, em mais de mil mulheres que tinham artrose de joelho.

As participantes, que tinham de 40 anos para cima, ingeriram os suplementos por cerca de três meses. No fim da pesquisa, as voluntárias que haviam tomado colágeno notaram uma melhora muito significativa na intensidade da dor – 80% do grupo contra 40% da parcela que usou a glicosamina. E os testes físicos realizados pelos pesquisadores comprovaram que o desgaste passou a impactar menos a qualidade de vida delas depois do colágeno.

iStock
As versões em pó são as mais indicadas e podem ser dissolvidas em sucos Imagem: iStock

A pele agradece

As evidências também apontam que a ajudinha extra do suplemento devolve firmeza, hidratação e atenua rugas. Para citar um exemplo, um estudo recente comparou os efeitos de três produtos à base de colágeno hidrolisado em 60 mulheres que tinham idades entre 46 e 69 anos. Depois de 8 semanas, os grupos que tomaram qualquer um dos três produtos apresentaram maior firmeza da pele e elasticidade do que as voluntárias que tomaram placebo. As participantes também notaram melhora nas rugas. O trabalho foi realizado por pesquisadores do Centro de Farmacologia Voltado à Dermatologia (CPAD) do Hospital L’Archet 2, na França.

Resultados animadores, desde a suplementação seja feita do jeito certo. “Ela funciona, porém é preciso ingerir uma dose considerável, de cerca de 10 gramas por dia, o que equivale a mais de dez cápsulas, para obter algum benefício, e de maneira constante”, conta a nutróloga curitibana. Não há nenhum perigo em tomar essa quantidade de cápsulas, mas também não é lá muito agradável. As versões em pó são as mais indicadas por serem mais fáceis de consumir na quantidade recomendada.

Elas são vendidas em sachês e podem ser diluídas em sucos, no iogurte ou em outras receitas. Grande parte dos produtos disponíveis na farmácia também leva aromatizantes e é possível encontrar a versão natural, à granel, mas também sem as vitaminas necessárias para a síntese do colágeno que já são incluídas nas versões industrializadas.

Antes de comprar, entretanto, consulte o médico e fique atento aos rótulos: não é qualquer colágeno que tem esses poderes. “Para ser absorvido pelo organismo da melhor maneira ele precisa ser hidrolisado, processo que produz peptídeos, substâncias que auxiliam o trajeto do colágeno à pele”, aponta Letícia Fontes, Nutróloga da Clínica MEI (Medicina Integrativa), de São Paulo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S.Paulo
do UOL
do UOL
VivaBem
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Estilo
do UOL
Topo