Longevidade

Práticas e atitudes para uma vida longa e saudável

Ser resiliente é uma das chaves para chegar bem à velhice

Gabriela Ingrid

Do UOL, em São Paulo

18/10/2017 12h19Atualizada em 19/10/2017 16h17

Capacidade de lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas. Essa é a definição de resiliência, uma das palavras mais faladas durante a manhã do 12º Fórum da Longevidade, que ocorre nesta quarta-feira (18), em São Paulo.

“Uma das grandes competências do século 21 é ser resiliente. Temos que, permanentemente, aceitar e nos adaptar”, disse a médica geriatra Claudia Burlá. “O declínio funcional do corpo irá acontecer e teremos que lidar com isso. Uma hora os órgãos param de funcionar, cada um no seu ritmo, as doenças se instalam. Temos que estar o tempo todo ouvindo a voz do nosso corpo e é aí que entra a antecipação e a prevenção.” E a aceitação.

A importância do otimismo

Segundo Claudia, ao longo da vida, é preciso fazer uma reserva cognitiva --ou seja, acumular informações e experiências. Essa é a resiliência cognitiva, que ajuda a compreender melhor os desafios da vida. "E, para isso, o otimismo é essencial, assim como a autoeficiência e a autoestima."

Estimular a mente e manter a positividade é, inclusive, um dos lemas de Gabrielle Kelly, que também participou do Fórum e é diretora do Centro de Resiliência e Bem-estar, na Austrália. “O bem-estar e a resiliência são é ensináveis”, garante ela.

No centro em que Gabrielle trabalha, pessoas de todas as idades recebem treinamento baseado na cartilha "Perma+". As letras da palavra correspondem a emoções positivas (positive emotions), engajamento (engagement), relacionamentos (relationships), significado (meaning) e realização (accomplishment). O “+” indica que precisamos de mais atividade física, alimentação saudável, sono e otimismo.

“Quem não irá se sentir melhor unindo tudo isso?”, perguntou a australiana. “O otimismo é essencial para os seres humanos e para a resiliência. Queremos continuar úteis e precisamos nos tornar adaptáveis para isso.” Segundo ela, o ideal seria que esse conhecimento chegasse a toda a sociedade.

A maratona começa agora

Manter o corpo e a mente ativa ao longo da vida também é imprescindível para uma velhice saudável. E desde cedo. “Doenças crônicas comuns na velhice podem ser prevenidas e controláveis através da atividade física e da alimentação saudável”, afirmou o gerontólogo Alexandre Kalache. “Coloque mais cor e menos quantidade no seu prato. Não fume e evite o excesso de álcool. Controlar esses quatro fatores faz com que desviemos da maioria das doenças e vivamos mais e melhor.”

Claudia complementa: “Entender o que está acontecendo com o nosso corpo e ouvir a voz dos nossos órgãos nos ajuda a antecipar os problemas. Cuidar na nossa saúde é o nosso maior patrimônio.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Longevidade
do UOL
VivaBem
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S.Paulo
do UOL
do UOL
VivaBem
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
do UOL
Estilo
Topo