VivaBem

Além do absorvente: conheça 4 métodos para lidar com o fluxo da menstruação

Divulgação/Pantys
Calcinha menstrual começa a ser comercializada no Brasil, mas existem outros métodos alternativos Imagem: Divulgação/Pantys

Carol Salles

Colaboração para o UOL

31/08/2017 04h15

Até bem pouco tempo atrás, durante o período menstrual, a mulher tinha basicamente duas escolhas para reter o fluxo: absorventes descartáveis externos ou internos. Hoje o cenário é outro. Há novas opções para se considerar na hora de absorver o sangue menstrual. O abre-alas dessa tendência foi, sem dúvidas, o coletor menstrual.

Há cinco ou seis anos, era vendido no boca a boca em grupos fechados do Facebook e as poucas marcas disponíveis eram importadas. Mas acabou ganhando popularidade pela praticidade, economia e apelo ecológico. Hoje é vendido em farmácias, tem atrizes famosas de garotas-propaganda e é assunto comum nos consultórios ginecológicos.

Na esteira, vieram os absorventes de pano‚ as esponjas --ainda pouco comuns no Brasil-- e até as calcinhas com revestimento lavável que, recentemente, foram lançadas no país. Todos os métodos, segundo os ginecologistas consultados pela reportagem, são seguros. Além disso, também são econômicos, já que podem ser reutilizados (com exceção da esponja). Escolher entre um ou outro, portanto, é questão de preferência e adequação ao fluxo e estilo de vida.

A seguir, veja prós e contras de cada método:

1) Coletor ou copinho menstrual

Divulgação
Imagem: Divulgação

É um recipiente de silicone que deve ser colocado na entrada da vagina para a coleta do sangue menstrual. Um de seus atrativos é o fator custo X benefício: ele vale, em média, R$ 90, e, se bem conservado, tem vida útil de até 10 anos. Além disso, pode ser lavado facilmente com água e sabão, é feito de material hipoalergênico, e não deixa a pele da vulva úmida, minimizando as chances de irritações e coceiras. Por isso, é considerado pelos médicos uma boa opção para quem tem alergia aos absorventes convencionais.

Também é possível nadar e praticar atividades físicas com ele. Por outro lado, a adaptação exige um pouco de paciência, já que no início pode haver vazamentos por conta do mal posicionamento do coletor ou desconhecimento do volume do fluxo. É preciso lembrar de retirá-lo antes das relações sexuais. Os médicos também não recomendam que se durma com o coletor, pois entendem que mantê-lo no canal vaginal durante período prolongados (mais do que seis horas), pode predispor a algum tipo de infecção.

2) Calcinha absorvente

Divulgação
Imagem: Divulgação

Imagine sair do banho, durante o período menstrual, e não precisar se lembrar de colocar absorvente. Essa é uma das vantagens desse produto. Confeccionado em tecido antimicrobiano com bloqueador de odores, tem apenas 1/3 da espessura de um absorvente convencional mas, segundo o fabricante, é capaz de captar o dobro do volume de sangue. Qual é a mágica? O forro, com tecnologia patenteada pela marca, é feito em camadas de tecidos que garantem essa superabsorção, além de terem secagem rápida e não abafarem a região.

Disponível em quatro modelos, um para cada tipo de fluxo --leve, moderado ou intenso, pode ser lavado no banho ou em máquina. Os cuidados devem ser os mesmos das outras calcinhas: enxaguar bem para eliminar resíduos de sabão e sangue e secar em ambiente ventilado (evite o banheiro). Para os médicos, a calcinha, quando bem higienizada, não tem contra-indicações. O produto dura cerca de dois anos e custa entre R$ 75 e R$ 95.

3) Absorvente de pano

Divulgação
Imagem: Divulgação

Muita gente torce o nariz quando ouve falar deles, pois logo lembra das famosas toalhinhas do tempo das nossas avós. Só que os absorventes de pano também evoluíram. Hoje são confeccionados em tecidos de algodão hipoalergênico de alta absorção, com abas e botão de pressão para fixarem-se à calcinha. Além disso, são mais finos que o absorvente comum e em formato anatômico, que se ajusta à calcinha e ao corpo.

Duram de cinco a dez anos e são seguros para a saúde, mas demandam tempo de lavagem --podem ser armazenados em um local limpo durante o período menstrual, como uma sacolinha exclusiva para esse fim, depois deixados de molho em água fria, lavados em máquina e, por fim, recomenda-se expô-los ao sol.

4) Esponja

Reprodução
Imagem: Reprodução

Dentre todas as novidades, a menos conhecida no Brasil é a esponja. Em formato que lembra a ponta de uma flecha, funciona de maneira muito similar a um absorvente interno convencional. A diferença é que se molda às formas internas do corpo e não precisa ser retirada na hora do sexo. No entanto, como desvantagem, os médicos apontam o fato de que a retirada pode ser difícil.

Ela não possui um fio com o qual possa ser puxada, como outros absorventes internos, mas uma espécie de alça. Além disso, é descartável e deve ser trocada a cada 4 ou 6 horas, em média. Não é indicada para quem tem fluxo muito intenso, por conta dos riscos de vazamento.

Fontes: Paulo César Giraldo, professor titular de Ginecologia da Unicamp e presidente da Sogesp (Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), Rodrigo Aquino, professor-associado e livre-docente do Departamento de Ginecologia da Escola Paulista de Medicina (Unifesp - SP), Priscila Cury, ginecologista e obstetra do Hospital Pró-Matre (SP), Sergio Podgaec, ginecologista e obstetra do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) e Luisa Cardoso, proprietária da Korui, marca de absorventes de pano (Florianópolis, SC)
 

 

#SemFrescura: pode usar sem medo ou dá cólica? Saiba tudo sobre o coletor

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais VivaBem

Topo