menu
Topo

VivaBem

Enxaqueca está associada à dor na articulação da mandíbula com o crânio

iStock
Imagem: iStock

Maria Fernanda Ziegler

Da Agência Fapesp

22/08/2017 11h53

Pensava que, de alguma forma, a enxaqueca está relacionada a dores nos músculos da mastigação. Mas a relação com a disfunção temporomandibular (DTM) –que ocorre na articulação da mandíbula com o crânio– era feita independentemente da frequência da enxaqueca.

Em estudo recém-publicado, pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMPR) da USP (Universidade de São Paulo) descrevem que quanto mais frequente for a enxaqueca mais severos serão os sintomas de DTM, como dificuldade de mastigação e tensão na articulação temporomandibular.

“Nosso estudo mostrou que um paciente que apresente migrânea crônica – aquela que ocorre em 15 ou mais dias por mês – tem o triplo de chances de relatar sintomas mais severos de DTM, se comparado a pacientes com migrânea episódica”, disse Lidiane Florencio, autora do estudo, cujo dados foram publicados no Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics.

O estudo avaliou 84 mulheres na faixa dos 30 anos. Vinte e uma apresentavam migrânea crônica, 32 migrânea episódica e 32 não tinham migrânea.

Foram observadas taxas de prevalência de sinais e sintomas de DTM em 54% das mulheres sem enxaqueca, 80% das mulheres com enxaqueca episódica e em 100% daquelas que apresentavam enxaqueca crônica.

Para Florencio, a justificativa da associação entre frequência da enxaqueca e severidade da DTM pode estar nos níveis mais elevados de sensibilização dos pacientes.

“A repetição de casos de enxaqueca pode amplificar a sensibilização à dor. Nossa hipótese é que a enxaqueca atue como um fator que predispõe à DTM. Por outro lado, a DTM pode ser considerada um fator de perpetuação potencial para a enxaqueca, pois atua como uma entrada nociceptiva [de recepção de estímulos aversivos] constante que contribui para manter a sensibilização central e os processamentos anormais de dor”, disse.

Quem veio primeiro?

DTM e enxaqueca são comorbidades. No entanto, embora haja uma predisposição de quem tem enxaqueca apresentar DTM, não necessariamente quem tem DTM apresentará enxaqueca.

“Quando o paciente tem enxaqueca, há maior chance de ele apresentar sinais e sintomas de DTM, já o inverso não é verdadeiro. Há casos de pacientes com DTM severa sem apresentar nenhum quadro de enxaqueca”, disse Débora Grossi, orientadora do estudo e coordenadora do projeto.

Os pesquisadores estimam, no entanto, que, embora a DTM não seja a causa da enxaqueca, ela pode facilitar a frequência e severidade de uma nova crise.

“O que sabemos é que a migrânea não é causada pela DTM. A enxaqueca é uma doença neurológica com causas multifatoriais. Já a DTM, assim como a cervicalgia e outras doenças musculoesqueléticas, é um conjunto de fatores que piora a sensibilidade de quem tem enxaqueca”, disse Florencio.

Tanto enxaqueca quanto DTM têm mecanismos patológicos muito parecidos. A enxaqueca é uma condição que afeta 15% da população em geral, sendo que 2,5% delas têm progressão na forma crônica.

A DTM tem causas multifatoriais, como o estresse e a sobrecarga muscular. Ela é um conjunto de sinais e sintomas em que o paciente pode ter sinais e sintomas articulares, como dor na articulação, redução dos movimentos da mandíbula e estalidos, podendo apresentar também um quadro muscular, como dor e cansaço muscular, ou irradiação da dor na musculatura da face e pescoço.

Diante dos resultados, os pesquisadores defendem que pacientes com enxaqueca devem ter os sinais e sintomas da DTM clinicamente examinados.

“Os dados obtidos mostram que a relação com a DTM, apesar de existir, é menor em quem tem poucas crises de enxaqueca, ou enxaqueca episódica. Só essa informação já deveria mudar a forma de avaliar esse paciente. Se quem tem enxaqueca tende a ter DTM mais severa, é preciso então que os profissionais de saúde avaliem nos pacientes com enxaqueca se ele apresenta sinais de sintomas de DTM”, disse Grossi.

Mais VivaBem