menu
Topo

Movimento

Inspiração pra fazer da atividade física um hábito

Ioga aérea transforma o corpo e alonga mais que versão tradicional

Thais Carvalho Diniz

Do UOL

10/03/2017 04h00

Já pensou em fazer ioga suspenso no ar? A flyoga (ou ioga aérea no tecido) é uma prática que foi desenvolvida em conjunto com professores de circo há cerca de 15 anos. Pouco conhecida no Brasil, já seduziu modelos como Daiane Conterato, Camila Spinosa e a estilista Adriana Barra. Com apenas duas escolas em São Paulo --outros espaços estão encaminhados para estrear--, a atividade tem a mesma filosofia e ensina as mesmas posturas da ioga comum. Mas nessa, o aluno flutua.

Uma das primeiras a aplicar a atividade por aqui, Carla Asevedo explicou ao UOL que o diferencial é conseguir alongar mais porque o tecido dá suporte ao corpo. "É seguro. E você consegue fazer posturas que não conseguiria no chão", afirma. Ela conta que pessoas com hérnia na coluna cervical e na lombar, por exemplo, que jamais poderiam ficar na postura invertida (ponta cabeça), conseguem graças ao material, que fica preso ao teto.

É uma brincadeira de circo, mas que, por ser uma prática espiritual, também exige controle da respiração e estar com corpo e mente conectados. "É lúdico e muito gostoso. Além dos benefícios, como tirar a pressão da coluna e recobrar a postural corporal, a flyoga acaba com o estresse físico e mental. Se observarmos, andamos todos curvados para a frente, tensos", fala a professora.

A aulas têm duração de uma hora e o realinhamento da coluna, o fortalecimento dos músculos das costas e uma maior flexibilidade estão no pacote. Carla, que ensina a atividade há dois anos, confessa que seu corpo mudou radicalmente. "É possível ficar mais tempo de cabeça para baixo e isso melhora o sistema digestivo. Melhora a energia! E os alunos saem menos ansiosos e relaxados".

Todo mundo pode?

Todo mundo pode. Inclusive, quem nunca fez ioga, pode começar pelos ares. Entranto, gestantes, pessoas com glaucoma, hipertensão (ou hipotensão), doenças cardíacas e labirintite estão no grupo de contraindicações. Mas não estão proibidas de fazer a flyoga. Basta ter mais cuidado e não ficar na postura invertida, que traz mais riscos. "Nesses casos, indico a aula personalizada, na qual o atendimento será individual e com mais atenção para tais situações", explica ela.

Carla também recomenda musculação associada para gerar maior fortalecimento dos músculos, além, claro, de uma alimentação equilibrada para chegar à tão sonhada boa forma. As aulas são para, no máximo, nove pessoas, mas a grade de horários é bastante diversificada. O valor da aula experimental é R$ 70. Mais informações aqui.