Movimento

Inspiração pra fazer da atividade física um hábito

Em um ano, Ivie transformou o corpo aos 36 e virou fisiculturista

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Depoimento a Thamires Andrade

Do UOL

09/03/2017 15h34

A nutricionista Ivie Rhein, 38, sempre lutou com a balança, mas foi em 2013 que resolveu mudar seu físico de vez. Ela emagreceu em um ano e, aos 36 anos, aceitou um novo desafio: virar fisiculturista. Um ano depois, ela transformou seu corpo e venceu sua primeira competição e não parou mais. Mãe de dois filhos, ela conta como aprendeu a ter foco nas preparações para os campeonatos:

"Sempre pratiquei esporte: nadava, jogava vôlei e handebol e dançava ballet. Meu corpo na adolescência era aquele típico brasileiro: pernão e bundão, então, sempre lutei contra a balança.

Engravidei duas vezes e em cada uma das gestações engordei 25 quilos. Pensava "dane-se, não quero saber, vou comer mesmo". Em 2013, me olhei no espelho e vi que não dava mais para ficar assim. Subia na balança de costas, não tinha ideia do meu peso. Estava infeliz e me sentindo mal de viver daquela maneira. Foi aí que resolvi mudar meu físico.

Meu marido era atleta e personal trainer e eu nutricionista, apesar de, na época, não trabalhar na área. Ele me ajudou muito. Falei que não aguentava mais aquela situação e começamos a rotina de tirar fotos toda semana para acompanhar as mudanças corporais.

Começamos a treinar juntos e passei a ter mais compromisso com as idas à academia. Antes era aquela coisa, quando chovia ou eu estava cansada, faltava. Passei a não ter mais desculpa: não interessava o que tinha acontecido no meu dia, tinha o compromisso de treinar. Ia de cinco a seis vezes na semana e comecei a tomar gosto por ver o corpo mudando.

Já na alimentação, não teve mágica: todo mundo sabe o que precisa cortar, só é difícil fazer! Eliminei gordura, frituras, molhos, açúcar, refrigerante e, para mim, não tinha essa história de liberar a comilança no fim de semana. Sabia que, ao fazer isso, perdia todo o trabalho da semana.

Esporte valorizado

Essa mudança corporal e de estilo de vida demorou quase um ano e, a partir daí, começaram a me falar de competição. Mas, como tinha dois filhos pequenos [Ivie é mãe de uma menina de 11 anos e de um menino de 9], achava que aquilo não era para mim.

Quando nos mudamos para os Estados Unidos, no fim de 2014, percebi o quanto o esporte era valorizado. Na Flórida, todo fim de semana tem um campeonato de fisiculturismo, então, pensei: 'vou fazer um e ver no que dá'.

Meu primeiro campeonato foi no segundo semestre de 2015, o All South, e fiquei em segundo lugar, adorei a experiência e resolvi que era isso que eu queria fazer. Comecei, então, a me preparar para os próximos que estavam por vir em 2016.

Preparação

Geralmente, a preparação começa 16 semanas antes do campeonato e é preciso muito compromisso para se preparar, pois é preciso fica cerca de 10/12 semanas sem qualquer refeição livre. Se tenho que comer seis vezes por dia naqueles horários determinados, não importa onde estou, se não tem onde esquentar a comida, saco a marmita na rua e me alimento. Não saio de casa sem levar todas as minhas comidas para não correr risco de me alimentar errado. Além disso, tomo 7 litros de água por dia.

Meu prazer na preparação é ver meu corpo mudando, sempre tenho em mente que como para alimentar meu corpo e não pelo prazer da comida. Por isso, não me importo se preciso comer frango com batata-doce logo de manhã cedo.

No pain, no gain

Claro que preciso fazer sacrifícios. Teve um aniversário da minha filha que eu estava em preparação e a gente foi em um restaurante, todo mundo comendo e eu marmitando. Claro que tem hora que bate vontade de comer algo, mas coloco na cabeça que tenho um objetivo e que meu foco é subir no palco e mostrar meu melhor físico. Depois do campeonato, posso voltar no restaurante e comer o que quiser, mas, naquele momento, a comida não vale a pena perto do objetivo que tenho.

Nessa etapa, treino seis vezes na semana tanto a musculação quanto os exercícios cardiorrespiratórios. Faço dois cardios por dia tudo para diminuir o percentual de gordura, um de manhã em jejum e outro depois do treino.

Venci duas competições no ano passado [Orlando Europa e Dayna Cadeua Classic] e já estou me preparando esse ano. Quero virar profissional, pois meu sonho é competir no Ms. Olympia, o mais importante campeonato de fisiculturismo."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
do UOL
do UOL
Blog Marcio Atalla
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
Estilo
Blog Marcio Atalla
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro

Blog do Fernando Guerreiro

Não pode correr por causa do impacto? Veja boas opções de treino aeróbico

Quando falamos em treinos para emagrecimento, logo vem na cabeça a corrida, certo? E realmente a corrida tem uma eficiência incrível em queimar aquelas gordurinhas. E como aquelas pessoas que sentem dores fortes principalmente nos joelhos podem praticar algum exercício que a leva a perder peso e melhor seu condicionamento físico? Se você é uma dessas pessoas, hoje vou passar pra você opções muito simples e tão eficazes quanto a corrida. Toda academia, seja grande ou aquela academia pequena de prédio tem uma bicicleta ergométrica, e na maioria das vezes ninguém utiliza a pobre coitada, a preferência total é pras esteiras. Essa bicicleta indoor pode proporcionar uma queima calórica tão alta quanto a corrida, tudo depende do quanto de esforço você vai aplicar no treino. E pra você que sente dores durante exercícios de impacto fique tranquilo, com o ajuste correto essa bike vai te deixar muito confortável para pedalar sem dores, e ainda promover um possível diminuição das dores, dependendo do seu caso clínico de dores. E o que é mais legal, todas as bikes, exceto aquelas de spinning, já vem com programas de treino prontos, então você pode escolher qual será o estimulo que será aplicado na sua sessão do dia. É uma questão de empenho pra gerar desempenho. Então, sem dores nos joelhos, boas calorias queimadas promovendo também um fortalecimento muscular. Outra boa opção pra quem não pode treinar com impacto é o transport, ou elíptico. Talvez poucos conheçam por nome, mas é um aparelho altamente eficiente na queima calórica, além de que estimula muito a musculatura dos membros inferiores. Esse transport é aquele exercício que parece que está esquiando, com os dois braços de apoio que parecem com duas antenas. Então esse aparelho estranho tem muitos benefícios a trazer pra você que não pode correr. Além de ter os mesmo programas das bikes, como variação de carga simulando subidas, você pode ter uma variação de velocidade, ou até mesmo os dois juntos, tudo depende do programa selecionado e também do seu esforço durante a sessão, esse aparelho permite que os braços sejam estimulados durante o treino, o que torna sua sessão mais intensa ainda. Olha ai, duas opções muito simples que são altamente eficientes que vão te ajudar a treinar pesado sem se preocupar com as dores. Agora aproveita as dicas, vai lá pra sua academia e quebra tudo.

do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
VivaBem
Blog Marcio Atalla
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
Blog Marcio Atalla
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
do UOL
do UOL
Blog Marcio Atalla
Topo