Movimento

Inspiração pra fazer da atividade física um hábito

De 130 quilos a modelo: "Diziam que eu iria morrer gordo"

Divulgação
Guilherme Resende Almeida, 21 anos Imagem: Divulgação

Marina Oliveira

Colaboração para o UOL

16/02/2017 04h08

Desde quando era criança, Guilherme Resende Almeida, 21 anos, era gordinho. Na adolescência, a questão foi se agravando e chegou a pesar 130 kg. Até que, aos 16 anos e depois de sofrer muito bullying, decidiu que iria emagrecer. Hoje, após perder quase 60 kg, o garoto trabalha como modelo. Em depoimento ao UOL, ele conta como foi a sua trajetória. Leia abaixo:

Eu comia muito

Sempre fui uma criança acima do peso mas, ao entrar na adolescência, passei a engordar cada vez mais. Cheguei a pesar 130 kg. Por conta disso, sofria bullying: ouvia dos meninos do colégio que “quem nasce gordo morre gordo”. E eu realmente comia muito. Por ser ansioso, comia tão rápido que não percebia a quantidade.

Arquivo Pessoal
Guilherme durante a adolescência Imagem: Arquivo Pessoal
Foi um dia qualquer que eu acordei e quis mudar de comportamento. Era época de férias, todos os meus amigos iam para a piscina do clube e eu não, porque não queria mostrar o meu corpo. Passei, então, a fazer dietas radicais: uma que só comia abacate, outra só de proteína, outra detox. Fiz uma dieta só de suco, mas acabei no hospital com fraqueza e tontura.

Nesse período, minhas unhas eram brancas demais, meu cabelo não crescia e eu não tinha forças para fazer exercício físico. Faltavam nutrientes na alimentação. Foi, então, que, aos 16 anos, fui atrás de um jeito saudável de emagrecer. Passei a me alimentar melhor, com orientação de nutricionista e a praticar exercício físico quatro vezes na semana.


Eu também criei estratégias para burlar tentações. Por exemplo, eu me alimentava antes de ir para as festas e sempre levava uma barra de proteína, caso tivesse vontade de comer algo. Incluí na minha dieta gorduras boas, como castanhas, além de legumes, verduras, carnes magras, frutas com baixo índice glicêmico e arroz integral. Passei a fazer versões saudáveis de coisas que eu gostava: coxinha de batata-doce, cookies de maçã e aveia e sorvete só com fruta congelada, por exemplo. Também bebo cerca de quatro litros de água por dia, o que ajuda na saciedade.

Felicidade não está mais relacionada à alimentação

Em oito meses, emagreci 58 quilos. Hoje, eu só como alimentos saudáveis e passo mal ao ingerir pratos gordurosos ou com muito açúcar. Tem muita gente que fala: ‘Você só come isso? Mas não dá para ser feliz assim’. Só que, para mim, a felicidade não está mais relacionada à quantidade ou o tipo de comida que eu consumo e sim com a possibilidade de me olhar no espelho e gostar da imagem que eu vejo.

Quando eu comecei a gostar de mim, eu passei a ter mais amigos. E também mais relacionamentos amorosos. Na época em que eu era gordo, era muito difícil eu me envolver, eu via todo os meus amigos beijando e não ficava com ninguém. Então, ao emagrecer, tive uma fase meio vingativa: eu dei o fora em quem me dispensou no passado.

E também já tive uma fase meio chata, de pegar no pé de amigos e também de pretendentes por causa da alimentação. Teve até uma época em que eu não queria sair com quem bebia refrigerante. Hoje em dia, sou bem mais tranquilo com isso. De qualquer jeito, quem estiver comigo tem que saber que eu posso até não criticar o que a pessoa come, mas não serei jamais uma companhia para um fast-food ou para um cinema com pipoca.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
do UOL
do UOL
Blog Marcio Atalla
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
Estilo
Blog Marcio Atalla
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro

Blog do Fernando Guerreiro

Não pode correr por causa do impacto? Veja boas opções de treino aeróbico

Quando falamos em treinos para emagrecimento, logo vem na cabeça a corrida, certo? E realmente a corrida tem uma eficiência incrível em queimar aquelas gordurinhas. E como aquelas pessoas que sentem dores fortes principalmente nos joelhos podem praticar algum exercício que a leva a perder peso e melhor seu condicionamento físico? Se você é uma dessas pessoas, hoje vou passar pra você opções muito simples e tão eficazes quanto a corrida. Toda academia, seja grande ou aquela academia pequena de prédio tem uma bicicleta ergométrica, e na maioria das vezes ninguém utiliza a pobre coitada, a preferência total é pras esteiras. Essa bicicleta indoor pode proporcionar uma queima calórica tão alta quanto a corrida, tudo depende do quanto de esforço você vai aplicar no treino. E pra você que sente dores durante exercícios de impacto fique tranquilo, com o ajuste correto essa bike vai te deixar muito confortável para pedalar sem dores, e ainda promover um possível diminuição das dores, dependendo do seu caso clínico de dores. E o que é mais legal, todas as bikes, exceto aquelas de spinning, já vem com programas de treino prontos, então você pode escolher qual será o estimulo que será aplicado na sua sessão do dia. É uma questão de empenho pra gerar desempenho. Então, sem dores nos joelhos, boas calorias queimadas promovendo também um fortalecimento muscular. Outra boa opção pra quem não pode treinar com impacto é o transport, ou elíptico. Talvez poucos conheçam por nome, mas é um aparelho altamente eficiente na queima calórica, além de que estimula muito a musculatura dos membros inferiores. Esse transport é aquele exercício que parece que está esquiando, com os dois braços de apoio que parecem com duas antenas. Então esse aparelho estranho tem muitos benefícios a trazer pra você que não pode correr. Além de ter os mesmo programas das bikes, como variação de carga simulando subidas, você pode ter uma variação de velocidade, ou até mesmo os dois juntos, tudo depende do programa selecionado e também do seu esforço durante a sessão, esse aparelho permite que os braços sejam estimulados durante o treino, o que torna sua sessão mais intensa ainda. Olha ai, duas opções muito simples que são altamente eficientes que vão te ajudar a treinar pesado sem se preocupar com as dores. Agora aproveita as dicas, vai lá pra sua academia e quebra tudo.

do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
VivaBem
Blog Marcio Atalla
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
Blog Marcio Atalla
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
do UOL
do UOL
Blog Marcio Atalla
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
Topo