menu
Topo

VivaBem

"Sofri com obesidade mórbida, perdi 80 kg e ganhei 14 concursos de beleza"

Reprodução/ Instagram/ Montagem/ UOL
Sabrina Sgarbi chegou a pesar 140 kg, perdeu 80 kg e agora é modelo Imagem: Reprodução/ Instagram/ Montagem/ UOL

Thalita Peres

Do UOL, em São Paulo

21/12/2016 11h28

Sabrina Sgarbi, 25 anos, chegou a pesar 140 kg. Depois de mais de dez anos brigando para emagrecer, deu a volta por cima: venceu a obesidade mórbida, eliminou 80 kg e faturou 14 concursos de beleza.

Além dos problemas de saúde que enfrentava, Sabrina conta que era vítima de bullying, tanto de amigos e moradores da cidade de Marau, no interior do Rio Grande do Sul, quanto de seguidores nas redes sociais. Sentia-se triste por não entrar em roupas que gostaria de usar e ter de comprar calças masculinas número 54. Decidiu, então, fazer uma cirurgia bariátrica, que não foi fácil, pois encarou dores no pós-operatório e teve de reaprender a comer. 

Começo da briga

Aos 16 anos, Sabrina decidiu ser vegetariana, mas parou de comer carnes sem acompanhamento nutricional. "Passei a comer mais gordura e carboidratos. Muitos me perguntaram como consegui engordar sendo vegetariana. Salada, realmente, não engorda, mas comia pizza, pastel, massas, sanduíches etc". 

Dietas malucas também faziam parte do dia a dia de Sabrina, assim como o uso de remédios para emagrecer. “É difícil explicar minha rotina alimentar na época, pois não exista uma. Um dia, comia normalmente, no outro repetia o prato... Depois, não comia nada. Sempre me alimentei com saladas, verduras, legumes e frutas, mas meu peso subiu descontroladamente".

Obesidade

Durante o período em que passou dos 60 kg para os 140 kg, Sabrina sofreu com fadiga extrema, dores na coluna, joelhos e articulações, excesso de gordura no fígado, pressão alta e taquicardia, até que resolveu encarar a cirurgia bariátrica.

“O pós-operatório foi muito difícil. Saí da sala de cirurgia com o mesmo peso, a mesma mentalidade de 'gordo', mas com outro organismo", diz ela. Imediatamente, Sabrina iniciou uma série de três dietas: líquida, semi-pastosa e pastosa. "Após seis meses, eu já poderia ingerir açúcar branco e bebidas gaseificadas, mas me policiei e fiquei mais de um ano sem doces, farinha branca e frituras. Não bebo refrigerante há quatro anos”. 

Reprodução/ Instagram
Imagem: Reprodução/ Instagram

Mudar a forma de se alimentar foi a parte mais difícil. "É muito complicado. Acredito muito na ajuda de bons profissionais, como nutricionista, psicólogo e equipe médica, trabalhando ao seu lado. Mas a cirurgia não é milagrosa, como muitos pensam. Se você não estiver disposto a comer corretamente, provavelmente, voltará a engordar.” 

Com 80 kg a menos, Sabrina Sgarbi optou por não tirar o excesso de pele. “Tenho cicatrizes, estrias, flacidez e peles extras. Ano passado, fiz mamoplastia e coloquei prótese de silicone nos seios. Sei que existem métodos para a remoção do que sobrou, mas não me incomoda. Parece estranho, mas sinto orgulho. Olho no espelho, me reconheço e sei o que passei”. 

Vida de miss

Reprodução/ Instagram
Imagem: Reprodução/ Instagram

Sabrina, que tem parentes italianos, sempre quis ser eleita Rainha Italiana de Marau.  Aos 21 anos, ganhou o concurso. “Em pouco tempo, já somei 14 títulos, entre municipais, estaduais, nacionais e internacionais. Também acumulei coroas, troféus, medalhas e homenagens".

A gaúcha, que vai lançar um livro contando sua história, tem um blog e um canal de vídeos, em que ajuda pessoas que estão na mesma situação que passou a melhorar a autoestima, ver que a obesidade é uma doença e ajudar a lidar com o preconceito.

“Às vezes, não enxergamos a gravidade do problema. Acabamos nos acostumando a não conseguir caminhar, sentar, dormir, se vestir bem, a ter problemas de saúde... Mas a obesidade é uma doença crônica que acarreta outras e precisa ser tratada", afirma ela.

"Sobre o preconceito, digo: quem aponta o dedo para um pessoa obesa é ignorante e infeliz. Não podemos perder tempo nem lágrimas por causa de pessoas assim”.

Mais VivaBem