Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Por que não devemos confiar em pessoas muito seguras de si

Getty Images
O efeito Dunning-Kruger provoca um sentimento de superioridade ilusório Imagem: Getty Images

2019-06-03T17:57:03

03/06/2019 17h57

O excesso de confiança está por todos os lados. Desde o político que garante saber como liderar um país, o médico que faz um diagnóstico, o chefe que dirige uma empresa ou você mesmo, quando comparece a uma entrevista de emprego e tenta demonstrar que é a melhor opção para a vaga.

Ao menos no mundo ocidental, há certo nível de consenso quanto à ideia de que a autoconfiança é algo positivo.

Admiramos quem confia em si mesmo, porém... Estamos certos?

Quando um mágico nos engana e explica como fez o truque, de repente tudo parece simples.

Mas o que não sabemos é que, na verdade, o truque é fácil para quem o praticou muitas vezes, e não para o novato que acredita tê-lo aprendido em poucos minutos.

"Nossos estudos dizem que, embora tenha memorizado os passos, você não aprenderá realmente a fazer algo até que pratique", diz Ed O'Brien, professor de Ciência da Conduta da Escola de Negócios da Universidade de Chicago.

Ver como outros fazem seu trabalho nos dá um "ilusão de capacidade" e aumenta nossa confiança, ainda que sejamos ignorantes.

Menos competentes, mais confiantes

É o que se conhece como "efeito Dunning-Kruger", um viés cognitivo segundo o qual os indivíduos com habilidades escassas em um tema têm um sentimento de superioridade ilusório e se consideram mais inteligentes que pessoas mais preparadas que eles.
Ou seja, eles sobrevalorizam suas capacidades e não são capazes de reconhecer sua inépcia.

"Em muitas áreas, a correlação entre a confiança de uma pessoa e seus resultados é basicamente zero", diz O'Brien.

"Os menos competentes costumam ser os mais seguros, porque nem sequer sabem o quanto ignoram (do assunto)."

Getty Images
A capacidade de uma pessoa tem relação com a confiança dela em si mesma? Imagem: Getty Images
Há uma frase conhecida em inglês que costuma ser usada nos EUA: "fake it until you make it", que pode ser traduzida informalmente como "finja até que consiga".

O que há por trás dessa visão?

Segundo Tomás Chamorro-Premuzic, psicólogo argentino e autor de Confianza, La Sorprendente Verdad Sobre Cuánto la Necesitas y Cómo Lograrla (Confiança, a Surpreendente Verdade Sobre o Quanto se Necessita Dela e Como Consegui-la, em tradução livre), a frase tem uma forte conotação moral.

"Eu cresci na Argentina, onde nos especializamos no engano, na arrogância."

Ele conta que há, em sua terra natal, uma expressão que destaca a habilidade de ludibirar o outro, de driblar as regras e tirar vantagem das situações: "viveza criolla", algo como esperteza crioula, conceito semelhante ao "jeitinho brasileiro".

"Individualmente, somos muito bons fazendo isso. Mas quando a maior parte de uma sociedade tem essa habilidade, o país colapsa", argumenta.

Para ele, uma sociedade melhor é aquela que valoriza o verdadeiro talento ou habilidade e adota um sistema meritocrático.

Mas, em geral, costumam triunfar aqueles que parecem ser bons, que se atribuem êxitos, ou que culpam os outros por seus próprios erros.

Culturalmente, a visão sobre o excesso de confiança também muda dependendo do país onde se esteja.

"Na Escandinávia, no Japão ou na Coreia do Sul, as pessoas enfatizam mais a humildade e a modéstia", afirma.

A confiança no mundo dos negócios

A observação é endossada por Glen Fukushima, pesquisador sênior do Center For American Progress.

"Nos EUA, as pessoas perguntam como podem ter confiança em você se você não confiar em si mesmo."

Getty Images
De forma geral, os japoneses não consideram a autopromoção como algo positivo Imagem: Getty Images
É por isso, explica, que as pessoas se sentem pressionadas a demonstrar confiança para provar que são capazes.

"É comum que as pessoas falem de suas conquistas para impressionar os outros."

No outro extremo estão os japoneses, que geralmente não consideram a autopromoção como algo positivo.

"Não é necessário dizer aos demais o quão maravilhoso você é. Se o fizer, dará a impressão de não ser genuíno, de não ter integridade."
"Os dois extremos são ruins. Preferiria algo no meio", diz Fukushima, que trabalha nos dois países e teve de se adaptar a diferenças nos ambientes corporativos de ambas as culturas.

Assim como há muitos estudos indicando que o excesso de confiança pode revelar ignorância ou inépcia, outros mostram que há características positivas associadas a ter segurança em si mesmo.

De fato, há pessoas muito inteligentes, muito talentosas e muito seguras de si. O que é diferente de sair gritando "sou genial" aos quatro ventos.

Nesse sentido, a segurança e a arrogância não precisam andar juntas, embora em muitas ocasiões sejam uma mistura explosiva.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube